A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Resenha  O perigo de um história unica

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE – FURG 
INSTITUTO DE LETRAS E ARTES – ILA CURSO: GEOGRAFIA – BACHAREL 
DISCIPLINA: PRODUÇÃO TEXTUAL – PROF° LUANA DE GUSMÃO SILVEIRA 
 
 
 
ADICHIE, Chimamanda – O Perigo de uma história única - Vídeo – Site: 
Youtube.com.br 
 
Quando nos deparamos com o discurso da autora, a primeira vista nos 
parece ser um relato pessoal de suas experiências. Porém aos poucos nos 
damos conta de que as experiências pessoais da autora nada mais são do que 
os fatos cotidianos vividos por todos nós, independentemente do país em que 
nascemos ou vivamos. 
Se analisarmos o conteúdo pela história mundial, começamos a 
perceber que “o perigo de uma história única” acontece a todo momento e 
talvez seja transmitido por gerações por pura inocência ou desconhecimento. 
Vejamos que esta história acontece em qualquer lugar do mundo. 
Quando crianças, recebemos informações que dependendo do grau de 
instrução dos pais, as histórias que são ensinadas não condizem com a 
realidade. 
Neste contexto a importância da escrita é fundamental, pois através 
dela, podemos conhecer o contraditório a nossa própria história. Porém é 
necessário que se tenha acesso a literatura local e a das mais diversas culturas 
existentes, para que se tenha uma visão e conhecimento mais completo do 
mundo. 
Quando comecei a estudar, foi-me apresentada a história do Rio Grande 
do Sul, através da revolução farroupilha. Na época, eu lia muito sobre a 
revolução, e para mim, ainda garoto, essa história fazia com que eu admirasse 
incondicionalmente meu estado e tinha um orgulho imenso de ser gaúcho. O 
tempo foi passando e eu comecei a ler também o outro lado da história 
apresentada. Não era tão maravilhosa assim, os motivos que levaram a 
revolução farroupilha começaram a ficar mais claros e eu comecei a conhecer 
a verdadeira história do povo gaúcho. Não que isso tenha diminuído o orgulho 
que sinto por ser gaúcho, mas a “história única” que inicialmente me foi 
mostrada fazia com que eu tivesse a ideia de que nos deveríamos sim, ser 
separados do Brasil, por sermos um povo trabalhador, altivo e o resto do país 
não era como nós. 
Chimamanda Adichie tem razão quando diz que “Mas histórias podem ser 
usadas para capacitar e humanizar.”, e isso deve e pode ser feito em 
qualquer lugar no mundo, principalmente em nosso País e seus estados. Pode 
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE – FURG 
INSTITUTO DE LETRAS E ARTES – ILA CURSO: GEOGRAFIA – BACHAREL 
DISCIPLINA: PRODUÇÃO TEXTUAL – PROF° LUANA DE GUSMÃO SILVEIRA 
 
ser feito através de uma educação mais ampla, mostrando todos os lados das 
histórias através da leitura. 
Acredito que o esforço dos educadores brasileiros estão caminhando para esse 
sentido. Através do incentivo e acesso a obras de todos os continentes com 
certeza poderemos ter uma juventude mais aberta a cultura mundial, conhecer 
a história tão bonita dos povos habitantes do planeta terra. 
 
Potiguara Peraça Marques 
Acadêmico do Curso de Geografia – Bacharelado 
Universidade Federal do Rio Grande - FURG