A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
materia_anatomia

Pré-visualização | Página 3 de 3

óssea vermelha, portanto da hematopoiese em adultos.
Formação do osso
O processo pelo qual o osso se forma é denominado ossificação. Existem dois métodos de formação óssea que envolve a substituição de um tecido conjuntivo preexistente pelo osso. Ambos não acarretam diferenças na estrutura dos ossos maduros, consistindo simplesmente em métodos diferentes de desenvolvimento. O primeiro tipo de ossificação, ossificação intramembranosa, corresponde à formação de osso diretamente sobre as membranas de tecido conjuntivo fibroso frouxo ou no seu interior. O segundo tipo, ossificação endocondral, refere-se à formação de osso dentro da cartilagem hialina. A maioria dos ossos do corpo é formada desse modo.
Manutenção dos ossos: o remodelamento ósseo é a substituição contínua do tecido ósseo velho por um novo. Esse remodelamento também remove o osso gasto e lesado, substituindo-o por novo tecido ósseo.
Características anatômicas da superfície dos ossos
1) Depressões e aberturas:
-Forame: orifício. Uma abertura através da qual passam os vasos sanguíneos, nervos ou ligamentos.
-Meato: canal, passagem. Um canal tubular que se estende no interior de um osso.
-Fossa: fenda, trincheira. Uma depressão rasa sobre um osso.
2) Processos que formam articulações:
-Côndilo: elevação arredondada. Uma proeminência grande e arredondada que forma uma junção.
-Cabeça: uma projeção arredondada que forma uma junção e é sustentada na porção constrita (colo) do osso.
-Face: uma superfície articular lisa e plana.
3) Processos aos quais se fixam os tendões, ligamentos e outros tecidos conjuntivos:
-Tuberosidade: uma projeção grande e arredondada, geralmente com uma superfície áspera.
-Processo espinhoso ou espinha: uma projeção aguda e delgada.
-Trocanter: uma projeção grande e romba, encontrada somente no fêmur.
-Crista: uma margem ou borda proeminente.
� PAGE \* MERGEFORMAT �1�