A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
Apostila Estatistica

Pré-visualização | Página 1 de 10

�PAGE �
�PAGE �11�
 ESTATÍSTICA Básica – profs. Aldo Shimoya, Estéfane Pereira e Selmo Pires 
HISTÓRICO 	Embora a palavra estatística não existisse, há indícios de que 3000 anos, a.C. já se faziam censos na Babilônia, China e Egito.
	A própria Bíblia leva-nos a essa recuperação histórica: o livro Quarto do Antigo Testamento (Números) começa com uma instrução a Moisés: “Fazer um levantamento dos homens de Israel que estiverem aptos para a guerra”.
	Na época do imperador César Augusto, saiu um edito para que se fizesse o censo em todo o império romano (a palavra censo deriva de censere, que em latim, significa taxar). Tem-se nos registros bíblicos que, Maria e José viajaram de Nazaré para Belém, na época do nascimento de Jesus Cristo, para que fossem recenseados. 
	A palavra Estatística vem de status (Estado, em latim), sob essa palavra acumularam-se descrições e dados relativos ao Estado. A estatística, nas mãos dos Estadistas, constituiu-se verdadeira ferramenta administrativa.
	Em 1805, Guilherme, “O Conquistador”, ordenou que se fizesse um levantamento estatístico da Inglaterra. Esse levantamento deveria incluir informações sobre terras, proprietários, uso da terra, empregados, animais e serviria, também, de base para o cálculo de impostos. Tal levantamento originou um volume intitulado Domesday Book. (dia do juízo final).
	No século XVII ganhou destaque na Inglaterra, a partir das Tabuas de Mortalidade, a Aritmética Política, de John Graunt, que consistiu de exaustivas analises de nascimentos e mortes. Dessas análises resultou a conclusão, entre outras, de que a porcentagem de nascimentos de crianças do sexo masculino era ligeiramente superior à de crianças do sexo feminino.
	A palavra estatística foi cunhada pelo acadêmico alemão Gottfried Achenwall por volta da metade do século XVIII.
CONCEITUAÇÃO
	A Estatística possui alguns conceitos antigos. Ela ainda é usada como simples contagem aritmética; como sinônimo de dados publicados oficialmente ou como transformações matemáticas. Assim, é comum ouvir alguém dizer: “Aqui estão as estatísticas sobre o jogo realizado ontem!”.
	Eis alguns conceitos modernos para a Estatística:
(“Parte da matemática aplicada que se ocupa em obter conclusões a partir de dados observados”.
(“A estimativa de um parâmetro a partir de uma amostra” (parâmetro é o elemento numérico usado para caracterizar todo o conjunto). 
(“Estatística é um conjunto de métodos e processos quantitativos que serve para estudar e medir os fenômenos coletivos” (Para a Estatística, somente interessam os fatos que englobem um grande número de elementos, pois ela busca encontrar leis de comportamento para todo o conjunto e não se preocupa com cada um dos elementos em particular).
CAMPOS DE APLICAÇÃO
	A Estatística encontra aplicações em quase todos os campos da atividade humana.
	O Estado e a Sociologia têm necessidade de conhecer as populações por seus efetivos, por sexo, idade, estado civil, profissão, nacionalidade, etc. O nível cultural de um povo pode ser indicado pela proporção dos que sabem ler e escrever, em relação ao total de habitantes e pelo número de alunos das escolas. As tábuas de mortalidade, confrontadas de tempos em tempos, ou com as de outros países, permitem avaliar a evolução do grau de sanidade física.
	Os serviços de meteorologia, tão importantes para a navegação aérea e marítima, são essencialmente estatísticos, com seus estudos de temperaturas, pressões, quedas de chuva, umidade, ventos, etc. Na agricultura, a Estatística serve como orientador seguro, fornecendo informações sobre colheitas, rendimento das terras, valores da produção e outros. Na indústria e no comércio podem-se comparar produções e volumes de vendas em relação ao total por região, estudar a situação dos mercados e suas tendências.
	Grandes serviços a Estatística presta à Biologia, desde o "homem médio" de Quetelet, passando pela teoria da hereditariedade de Mendel, até as infinitas aplicações de hoje. A Geografia conclui através de estudos estatísticos as densidades demográficas, correntes migratórias, climas, etc.
	Na Informática também encontramos importantes aplicações, entre elas: avaliação de desempenho de redes de computadores, assim como aplicações em redes neurais artificiais e mineração de dados, na Inteligência Artificial.
	E ainda, na História e Literatura, onde trabalhos estatísticos estudam a extensão dos períodos, coincidências, pontuações e estilos. 
�
MÉTODO ESTATÍSTICO
1. Método: 	Muitos dos conhecimentos que temos foram obtidos na antigüidade por acaso e outros, por necessidades práticas, sem aplicação de um método. Atualmente, quase todo acréscimo de conhecimento resulta da observação e de um estudo. Se bem que muitos desses conhecimentos possam ter sido observados inicialmente por acaso, a verdade é que desenvolvemos processos científicos para seu estudo e para adquirirmos tais conhecimentos.
Método é um conjunto de meios dispostos convenientemente para se chegar a um fim que se deseja.
Dos métodos científicos, vamos destacar o método experimental e estatístico.
O método experimental: consiste em manter constantes todas as causas (fatores) e variar esta causa de modo que o pesquisador possa descobrir seus efeitos, caso existam. É o método preferido no estudo das Ciências da natureza, como a Física, a Química, etc.
O método estatístico: muitas vezes há necessidade de descobrir fatos em um campo em que o método experimental não se aplica (nas ciências sociais), já que os vários fatores que afetam o fenômeno em estudo não podem permanecer constantes enquanto se faz variar a causa que, naquele momento interessa. (Como exemplo, pode-se citar a determinação das causas que definem preço de uma mercadoria. Para ser aplicado o método experimental, terá que fazer variar a quantidade da mercadoria e verificar se tal fato irá influenciar seu preço, porém, seria necessário que não houvesse alteração nos outros fatores. Assim, deveria existir, no momento da pesquisa, uma uniformidade dos salários, o gosto dos consumidores deveria permanecer constante, seria necessária a fixação do nível geral dos preços das outras necessidades etc. Mas isso tudo é impossível).
	O método estatístico, embora mais difícil e menos preciso, diante da impossibilidade de manter as causas constantes, admite todas essas causas presentes variando-as, registrando essas variações e procurando determinar, no resultado final, que influências cabem a cada uma delas.
2. Fases do método estatístico Podemos distinguir no método estatístico as seguintes fases:
2.1. Coleta de informações 	Após cuidadoso planejamento e a devida determinação das características mensuráveis do fenômeno coletivamente típico (*) que se quer pesquisar, damos início à coleta de informações (ou dados). A coleta pode ser direta ou indireta.
( A coleta é direta quando feita sobre elementos informativos de registro obrigatório (nascimentos, casamentos e óbitos, importação e exportação de mercadorias), elementos pertinentes aos prontuários dos pacientes de um hospital ou, ainda, quando os dados são coletados pelo próprio pesquisador através de inquéritos e questionários. A coleta direta de dados pode ser classificada relativamente ao fator tempo em:
Contínua - (registro) - quando feita continuamente, tal como a de nascimentos e óbitos e a de freqüência dos alunos às aulas;
Periódica - quando feita em intervalos constantes de tempo, como os censos (de 10 em 10 anos) e as avaliações mensais dos alunos;
Ocasional - quando feita para atender a uma conjuntura ou a uma emergência, como no caso de epidemias que assolam ou dizimam rebanhos inteiros.
	( A coleta se diz indireta quando é inferida de elementos conhecidos (coleta direta) e/ou do conhecimento de outros fenômenos relacionados com o fenômeno estudado. Como exemplo, podemos citar a pesquisa sobre a mortalidade infantil, que é feita através de dados colhidos por uma coleta