A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
comportamento organizacional unidade 3

Pré-visualização | Página 7 de 7

levam à motivação do funcionário, como os “benefícios flexíveis: 
Plano de benefícios que permite aos funcionários criar o próprio pacote de acordo com suas 
necessidades pessoais” (ROBBINS, 2012, p. 247). As empresas dão a liberdade ao funcionário 
de escolher os benefícios que preferir. Por exemplo, retirar o vale transporte e aumentar o vale 
alimentação. Esses são chamados de benefícios extrínsecos, ou seja, que estão ligados ao siste-
ma de compensação, seja por meio de salário ou por meio de benefícios que o complementem. 
Por sua vez, os benefícios intrínsecos são as demonstrações de gratidão e apreço que os funcio-
nários recebem de superiores ou colegas, por exemplo. Os benefícios por reconhecimento nada 
mais são do que formas de demonstrar a importância de um funcionário para a empresa através 
22 Laureate- International Universities
Comportamento organizacional
de um muito obrigado, do reconhecimento formal em um evento solene ou mesmo um agrade-
cimento diante dos demais colaboradores. 
A verdade é que os tipos de motivação são peculiares de cada perfil e personalidade; tudo vai 
depender do estilo de vida do funcionário e de seus objetivos. Não podemos nos esquecer da-
queles que estão satisfeitos com a remuneração, mas precisam do reconhecimento por parte de 
seus superiores.
Existem algumas alternativas para as organizações que querem absorver e manter bons funcioná-
rios sem ter de pagar salários acima do mercado. São estratégias muito comuns nos dias atuais, 
conhecidas como Programas de remuneração variável, como por exemplo, PRL (Participação 
nos Lucros), comissão de vendas e remuneração por desempenho. Esses são exemplos em que 
o salário está atrelado à forma como o funcionário contribui para a empresa. Veremos a seguir 
alguns exemplos de programas de remuneração variável. 
a) Remuneração por unidade produzida: Geralmente direcionada à equipe de produção, 
que recebe de acordo com aquilo que produziu, sem um salário fixo de fato. Um exemplo 
é a atuação dos vendedores de sorvete dentro dos estádios de futebol. 
b) Pagamento com base no mérito: O funcionário recebe um salário fixo, porém recebe um 
aumento de acordo como seu desempenho. Geralmente essas informações são retiradas 
da avaliação anual de desempenho.
c) Bônus: Benefício cedido aos funcionários em dinheiro, geralmente anualmente. Um 
dos pontos negativos do bônus é que o funcionário passa a entender esse valor como 
definitivo.
d) Remuneração por habilidade: É uma forma de remuneração de acordo com o cargo do 
funcionário, bem como com suas habilidades e quantidade de funções que estão aptos 
a desempenhar. Essa forma de remuneração é transparente, ou seja, as pessoas sabem 
exatamente como se planejar dentro da empresa. O único ponto negativo é que quando 
os funcionários já atingiram o ápice, eles tendem a se sentir frustrados.
e) Plano de participação nos lucros: Acontece quando os funcionários recebem um valor 
mensurado de acordo com os lucros da organização naquele ano. Vale para todos os 
cargos da empresa e pode ser feito em dinheiro ou em ações da organização.
f) Participação nas melhorias: Baseado na melhoria da produtividade do grupo por certo 
período, que determina o valor para cada colaborador. É diferente de ganhos dos lucros, 
pois está relacionado ao ganho de produtividade. 
g) Plano de participação acionária para funcionário: É um tipo de benefício em que o 
funcionário pode comprar ações da empresa, geralmente com um valor bem abaixo do 
mercado, justamente para ser considerada uma forma de benefício. 
Existem ainda outras formas de se conseguir que um funcionário se sinta motivado que não es-
tão diretamente ligadas às questões financeiras. De acordo com a Teoria dos dois Fatores, de 
Frederick Herzberg (1959), existem os Fatores Higiênicos, os quais estão ligados às condições 
de trabalho, políticas da organização e clima da empresa. Esses elementos, na verdade, não são 
determinantes para a motivação, mas a falta ou o desalinhamento de um deles pode levar à des-
motivação do funcionário. Por outro lado, os Fatores Motivacionais estão diretamente ligados 
às atividades desenvolvidas pelo funcionário. Cargos, promoções, definição de metas e objetivos 
podem levar o funcionário à satisfação.
23
Síntese
•	 Nesta Unidade você pôde compreender que os indivíduos possuem seus preceitos e valores, 
os quais afetam diretamente a organização. Aquilo que ele acredita, como ele enxerga 
sua relação com a organização, tudo isso vai interferir no processo de produtividade da 
empresa. 
•	 Você também estudou que cada indivíduo possui habilidades distintas, sejam elas físicas 
ou intelectuais. Ambas são importantes para o crescimento da organização e estão 
atreladas à cultura da empresa.
•	 Além disso, examinamos como a personalidade de cada colaborador interfere diretamente 
na empresa, afinal cada funcionário possui um sistema psicológico distinto que pode 
contribuir para a organização ou, muitas vezes, tornar a gestão difícil para os líderes.
•	 Outro item importante que estudamos foi a atitude dos indivíduos. Mediante o ambiente 
que ele está inserido, o indivíduo age e se comporta de determinada maneira. Aqui, você 
viu que as atitudes são formadas pelos componentes cognitivo, afetivo e comportamental.
•	 Vimos que as emoções e os sentimentos, juntamente com outros itens, formam o indivíduo 
e que um grupo de indivíduos molda a organização. 
•	 A união de colaboradores para um mesmo objetivo resulta na formação de grupos. Você 
viu como os grupos agem, como tomam as decisões e como interagem uns com os outros. 
•	 Por fim, chegamos a conclusão de que os indivíduos, ao sentirem e ao reagirem, também 
precisam de motivação para seguirem. Vimos que as formas de motivar um funcionário 
são variadas e subjetivas. 
Síntese
24 Laureate- International Universities
Referências
BOWDITCH, James L.; BUONO, Anthony F. Elementos de Comportamento Organizacional. 
Tradução José Henrique Lamendorf . São Paulo: EDITORA, 2012.
CARAVANTES, G. R.; CARAVANTES, C. B.; KLOECKNER, M. C. Comunicação e comporta-
mento organizacional. Porto Alegre: ICDEP, 2009. 
HERZBERG, Frederick; MAUSNER, Bernard; SNYDERMAN, Barbara B. The Motivation to Work. 
2nd ed. Nova York: John Wiley, 1959.
ROBBINS, Stephen P.; JUDGE, Timothy A.; SOBRAL, Felipe. Comportamento Organizacional. 
Tradução Rita de Cássia Gomes. São Paulo: EDITORA, 2012.
_____. Comportamento Organizacional. Tradução técnica Reynado Cavalheiro Marcondes. 
São Paulo: EDITORA, 2005.
SILVA, Walmir R. da.; RODRIGUES, Cláudia M. C. Motivação nas Organizações. São Paulo: 
Altas, 2007.
Bibliográficas