A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
163 pág.
SUMULAS_DE_HISTORIA_WEB

Pré-visualização | Página 3 de 50

legislação. 
 
 
 
 
 
 
11 ALFRED WEBER, Alemão. Sociólogo, economista e teórico da cultura. (nascido em 30 de julho de 1868 
em Erfurt – morreu em 2 de maio de 1958 em Heidelberg) na Alemanha. De 1907 a 1933 foi professor na 
Universidade de Heidelberg até a sua demissão Na sequência das críticas do hitlerismo. Ele foi restabelecido 
em 1945 e continuou no cargo até 1958, ano de sua morte. 
12
 COSTUMES são as regras sociais resultantes de uma prática reiterada de forma generalizada e 
prolongada, o que resulta numa certa convicção de obrigatoriedade, de acordo com cada sociedade e cultura 
específica. 
13
 DRÁCON OU DRACONTE (em grego: Δράκων, transl. Drákōn) foi um legislador ateniense (século VII a.C.) 
Deve-se a Drácon o começo de um importante princípio do Direito Penal: a diferença entre o homicídio 
involuntário, voluntário e legítima defesa. Tanto o furto como o assassinato recebiam a mesma punição: a 
morte. Essa severidade fez que o adjetivo draconiano (do francês draconien) chegasse à posteridade como 
sinônimo de desumano, excessivamente rígido ou drástico. Um político de 4 a.C. gracejou que Drácon não 
escreveu suas leis com tinta, mas com sangue. 
 
 
 
7 
2.1 – O Direito Egípcio. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Na Civilização Egípcia predominou um Estado Teocrático
14
, vinculado ao regime de 
castas. A primeira camada da sociedade era formada pelos sacerdotes e pelos guerreiros, abaixo 
vinham os pastores, os agricultores e os artesãos. Os negros formavam a última classe. 
A história de rei e sacerdote, no Egito, é diferente da história da Babilônia
15
, pois os Reis 
da Suméria
16
 e da Assíria
17
, eram sacerdotes que se tinham tornado reis. O Faraó do Egito não 
parece ter seguido esta direção. H. G. Wells, em sua História Universal, vol. II, afirma que nos 
mais antigos documentos ou registros, o Faraó tem poder e importância superior ao de qualquer 
sacerdote. 
 Não sabemos como o (Faraó) chegou a tal posição. 
Nenhum monarca da Suméria ou da Babilônia ou da 
Assíria, poderia ter induzido seu povo a fazer por ele o 
que os grandes construtores das pirâmides
18
, os 
 
14
 TEOCRACIA é o sistema de governo em que as ações política, jurídica e policial são submetidas às 
normas de alguma religião. O poder teocrático pode ser exercido direta ou indiretamente pelos clérigos de 
uma religião : os governantes, juízes e demais autoridades podem ser os próprios líderes religiosos (tal como 
foi Justiniano) ou podem ser cidadãos leigos submetidos ao controle dos clérigos (como ocorre atualmente no 
Irã, onde os chefes de governo, estado e poder judiciário estão submetidos ao Aiatolá e ao conselho dos 
clérigos). Sua forma corrupta é também denominada clerocracia. 
15
 BABILÔNIA foi a capital da antiga Suméria e Acádia, no sul da Mesopotâmia (hoje no moderno Iraque, 
localiza-se a aproximadamente 80 km ao sul de Bagdá). O nome (Babil ou Babilu em babilônico) significa 
"Porta de Deus", mas os judeus afirmam que vem do Hebraico Antigo Babel, que significa "confusão". Essa 
palavra semítica é uma tradução do sumério Kadmirra. 
16
 A SUMÉRIA (ou Shumeria, ou Shinar; na bíblia, Sinar; egípcio Sangar; ki-en-gir na língua nativa), 
geralmente considerada a civilização mais antiga da humanidade, localizava-se na parte sul da Mesopotâmia 
(apesar disto os proto-sumérios surgiram no Norte da Mesopotamia, no atual Curdistão, tal como não eram 
originalmente semitas, mas sim invadidos por eles via sul proto-árabe), apropriadamente posicionada em 
terrenos conhecidos por sua fertilidade, entre os rios Tigre e Eufrates. Evidências arqueológicas datam o início 
da civilização suméria em meados do quarto milénio a.C. Duas importantes criações atribuídas aos sumérios 
são a escrita cuneiforme, que provavelmente antecede todas as outras formas de escrita, tendo sido 
originalmente usada por volta de 3500 a.C.; e as cidades-estado 
17
 ASSÍRIA foi uma entidade política da Antiguidade, centrada na região do alto rio Tigre, na Mesopotâmia 
(atual Iraque), e que acabou por dominar impérios regionais por diversas vezes ao longo da história, iniciando 
esse longo processo na tomada da Babilônia. 
18
 PIRÂMIDES DO EGITO, denominadas como pirâmides de Gizé, localizam-se no planalto de Gizé, na 
margem esquerda do rio Nilo, próximo à cidade do Cairo, no Egito. São as únicas remanescentes das Sete 
maravilhas do mundo antigo. Constituem-se em estruturas monumentais construídas em pedra e, como o 
nome também indica, apresentam uma base retangular e quatro faces triangulares (por vezes trapezoidais, 
nas pirâmides egípcias mais antigas, denominadas como mastabas) que convergem para um vértice. No total 
foram identificadas cerca de 80 pirâmides em todo o país, embora a sua maior parte esteja reduzida a 
montículos de terra. As pirâmides no planalto de Gizé foram erguidas pelo faraós Quéops, Quéfren e 
Miquerinos 
 
 
8 
 
 Faraós da quarta dinastia, levaram seu povo a fazer 
naquelas vastas construções. Os Faraós anteriores 
eram, provavelmente, considerados como encarnações 
do deus dominante. O deus-falcão Horus acha-se por 
traz da cabeça da grande estátua de Quefren. Ramses III 
ainda é representado no seu sarcófago usando os 
símbolos distintivos de três grandes deuses do sistema 
egípcio. Traz os dois cetros de Osiris, o deus do Dia e 
da Ressurreição; sobre a sua cabeça estão os cornos da 
vaca-deusa Halhar e ainda a bola do Sol e as penas do 
Amon-Ra. Não está apenas usando os símbolos desses 
deuses, como um devoto babilônio usaria os símbolos 
de Bel-Marduk, ele é esses três deuses em um‖. 
As pirâmides Quéops, Quéfren e Miquerinos 
 
Segundo Césare Cantu (História Universal vol. II). ―O Faraó era escolhido de 
entre os guerreiros. O seu poder passava para seu filho mais velho e, à falta 
deste, às filhas, aos irmãos ou irmãs, conservando, todavia as formas eletivas... 
Na sua qualidade de descendente dos deuses, recebe nomes e honras 
quase divinos.‖ 
 
Nesse sistema eminentemente teocrático, o Faraó era, a um só tempo, governante, 
sacerdote, juiz e guerreiro, ou seja, ele detinha todos os poderes do Estado. 
 
No estudo do Direito Egípcio é muito grande a dificuldade para a identificação das 
instituições, pois são muito precárias as fontes. Faltam documentos jurídicos como textos de leis 
ou editos e os chamados documentos da prática, como sentenças, testemunhos diretos e originais 
da máquina administrativa e judiciária. Dos documentos que desafiaram os séculos, o mais antigo 
que se conhece é o Papiro de Berlim
19
, da IV dinastia, escrito em hierática
20
. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PAPIRO DE BERLIM RESTAURADO ESCRIBA A ESCRITA HIERÁTICA 
 
19
 PAPIRO DE BERLIM data, aproximadamente, de 1800 a.C. e encontra-se no Museu Staatliche, em Berlim. 
O papiro de Berlim foi comprado por A. H. Rhind, em Luxor, em 1850, na mesma altura que o papiro de Rhind, 
mas encontrava-se em muito mau estado e só foi analisado e restaurado cerca de 50 anos mais tarde por 
Schack-Schackenburg. O papiro de Berlim encontra-se, ainda assim, parcialmente estragado. Neste papiro 
aparece pela primeira a solução de uma equação do 2.º grau 
20
 HIERÁTICO (do grego γράμματα ἱερατικά - grámata hiératiká - escrita sacerdotal) é a qualidade relativa às 
coisas sacerdotais, sagradas ou religiosas. Na arte, o hieratismo é estilo que obedece aos parâmetros 
religiosos do tema sempre com acentuada majestade e rigidez. Na literatura, diz-se hierática a escrita de difícil