A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
252 pág.
Direito Processual Civil

Pré-visualização | Página 20 de 50

RESPOSTA DO RÉU 
 
Para todo aquele que tem o direito de ação, existe o direito à resistência. 
 
O artigo 5º, inciso LV da Constituição Federal assegura a ampla defesa e o 
contraditório. 
 
Apenas excepcionalmente e sempre com previsão legal, o réu formula pedidos na 
defesa. Exemplos – artigo 922 do CPC, artigo 31 da Lei dos Juizados Especiais, 
9.099/95, e artigo 278, parágrafo primeiro do CPC. 
 
O réu não está obrigado a se defender, pois a defesa não é uma obrigação, um dever. 
 
Ao tomar conhecimento da demanda contra si proposta, pode o réu exercitar o 
direito da defesa. 
 
A defesa nada mais é do que um ônus que cabe ao réu, já que o exercício da defesa é 
o comportamento que se espera que o réu assuma, podendo colher conseqüências 
desfavoráveis se não o fizer. 
 
a) Espécies de defesa: 
 
a.1) DEFESA DE MÉRITO 
 
Aquela em que o réu procura resistir ao pedido mediato do autor, ou seja, visa atacar 
o mérito da causa, o direito material almejado, e não o processo. 
 
A defesa de mérito subdivide-se em direta e indireta. 
 
a.1.1) DEFESA DE MÉRITO DIRETA - apresenta manifestação do réu, cujo teor prevê 
a negativa da ocorrência dos fatos narrados na petição inicial, e, se ocorreram, foram 
diferentemente do noticiado na petição inicial. 
 
a.1.2) DEFESA DE MÉRITO INDIRETA - apresenta manifestação do réu admitindo 
os fatos noticiados pelo autor, porém suscita fatos novos, impeditivos, modificativos 
ou extintivos do direito do autor. 
 
a.2) DEFESA PROCESSUAL 
 
O réu ataca a relação jurídica processual instaurada com objetivo de impedir a 
análise e julgamento da matéria de mérito ou mesmo postergar tal decisão sobre o 
direito material. 
 
A defesa processual subdivide-se em própria e imprópria. 
 
 
APOSTILA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL 
Professor Heitor Miranda Guimarães 
82 
a.2.1) DEFESA PROCESSUAL PRÓPRIA - visa extinguir o processo sem julgamento 
de mérito. 
Ex: inépcia da petição inicial, ilegitimidade de partes, litispendência, coisa julgada. 
 
a.2.2) DEFESA PROCESSUAL IMPRÓPRIA - visa obstar temporariamente a 
tramitação do processo, sem contudo ocasionar a extinção. 
Ex: nulidade de citação, exceções, conexão ou continência, incapacidade de parte, 
defeito de representação ou falta de autorização. 
 
 
b) Prazos para a resposta do réu 
 
b.1) Procedimento comum ordinário - prazo para oferecimento de contestação, 
exceção ou reconvenção é de 15 (quinze) dias (297 e 241). 
 
b.2) Procedimento sumário - defesa escrita - apresentada na audiência de conciliação, 
após restada infrutífera. 
 
c) Contagem dos prazos: 
 
c.1) Citação por correio ou por oficial de justiça - o prazo conta-se a partir da juntada 
aos autos do aviso de recebimento ou do mandado de citação cumprido - (artigo 241, 
I e II); 
 
citação por carta precatória ou carta rogatória – o prazo para contestar inicia-se após 
a juntada da carta devidamente cumprida nos autos principais – artigo 241, IV, do 
CPC; 
 
citação por edital – o prazo só começa a viger após o aperfeiçoamento da citação, que 
se dá com o encerramento do prazo do edital, que pode variar entre 20 a 60 dias. Este 
prazo só terá início a partir da última publicação do edital – artigo 232, IV, 241, V, do 
CPC. 
 
Vários réus – prazo é comum conforme dispõe os artigos 298 e com as ressalvas do 
191, ambos do CPC. Verificação do artigo 241, III, do CPC. 
 
Caso o réu seja defendido por defensor público – o prazo para contestar é o dobro 
(Lei n. 1.060/50). Quando a parte for a Fazenda Pública ou o Ministério Público, o 
prazo é contado em quádruplo – artigo 188 do CPC. 
 
5. Forma da defesa. 
 
 escrita, formulada por advogado devidamente habilitado para representar a parte 
nos autos, através de procuração. 
 oral, apenas no procedimento sumário – artigo 278 do CPC – e nos Juizados 
Especiais de Pequenas Causas. 
 
APOSTILA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL 
Professor Heitor Miranda Guimarães 
83 
 
VIII - DA CONTESTAÇÃO 
 
1. Conceito. 
 
Contestação é a resposta do réu à ação do autor. Por ela o réu exerce, na sua 
plenitude, o direito de contradição ou defesa, em face da ação e da pretensão do 
autor. 
 
Representa para o réu aquilo que a petição inicial representa para o autor, pois, na 
contestação, compete ao réu alegar "toda a matéria de defesa" (art. 300 do CPC), no 
que diz respeito à matéria de mérito. 
 Princípio da Concentração. A contestação tem caráter preclusivo, porque, uma 
vez ofertada a contestação, tem-se por consumado o direito de defesa, não 
podendo o réu deduzir novas alegações, exceto se relativas a direito 
superveniente. 
 
 Princípio da Eventualidade. A contestação é o instrumento formal normal da 
defesa do réu. O princípio da eventualidade, também denominado de princípio 
da concentração da defesa na contestação, tem por conceito que todas as defesas 
devem ser formuladas de uma só vez, como medida de previsão - ad eventum - 
para o caso em que a primeira oferecida seja rejeitada. 
 
 2. Requisitos da Contestação. artigo 302 do CPC. 
 
Requisitos intrínsecos: a) manifestação precisa e específica sobre os fatos narrados na 
petição inicial; b) exposição dos fatos e dos fundamentos jurídicos da resistência do 
réu ao processo e ao pedido do autor; c) apresentação dos documentos destinados a 
provar as alegações do réu; d) especificação das provas que o réu pretende produzir; 
 
Isentos do ônus de impugnar especificamente os fatos alegados pelo autor estão 
algumas pessoas: o advogado dativo, o curador especial e o órgão do Ministério 
Público que funcione como parte. 
 
- Quando a defesa consistir na alegação de fatos impeditivos, modificativos ou 
extintivos do direito do autor, é evidente que esses fatos deverão ser expostos na 
contestação e provados pelo réu durante a instrução processual. 
 
3. Tópicos de defesa que possam ser suscitados na contestação. 
 
Como preliminar – artigo 301 do CPC: 
 
Inexistência ou nulidade de citação. 
Em princípio, vindo o réu a juízo, com tempo para defender-se, a falta ou nulidade 
da citação ficará suprida. 
 
APOSTILA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL 
Professor Heitor Miranda Guimarães 
84 
Pode o réu, entretanto, comparecer apenas para alegar a falta ou nulidade da citação, 
caso em que se considerará feita a citação na data em que ele ou seu advogado for 
intimado da decisão. 
É aconselhável oferecer todos os demais meios de defesa. 
 
Incompetência absoluta – artigo 113, caput, do CPC 
É feita na peça de contestação, pois a relativa é formulada através de exceção 
instrumental. 
Pode ser feita em qualquer fase processual ou grau de jurisdição. 
Se o réu não suscitar exceção no momento de defesa, poderá arcar com os prejuízos 
causados com o retardamento do processo – artigo 113, parágrafo primeiro; 
 
Inépcia da petição inicial - sendo inepta, o juiz indefere liminarmente a ação – artigo 
295, I e parágrafo único, do CPC. 
 
Perempção - traz como conseqüência a extinção do processo – artigo 268, parágrafo 
único e 267, III e V, ambos do CPC. 
 
Litispendência - significa lide pendente em juízo. 
Dois são os pressupostos da litispendência. 
Verifica-se a litispendência ou a coisa julgada quando se reproduz ação 
anteriormente ajuizada. 
Pressuposto é a identidade de ações: entre a ação anteriormente ajuizada e a em que 
se oferece a nova ação, deverá haver identidade. E, duas ações são idênticas quando 
são idênticos os seus elementos - identidade objeto sobre que versa o julgamento, 
identidade de causa de pedir e identidade de partes. Do segundo pressuposto, 
verifica-se quando há repetição da ação que está em curso. Deriva-se a 
litispendência da citação. Assim, ao deduzi-la dever-se-á prová-la por meio de 
certidão da citação do réu na primeira demanda, proposta no mesmo ou em outro 
juízo (artigo 301, parágrafo segundo,