A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
261 pág.
Abreviaturas_Simbolos_e_Convencoes_Cartograficas

Pré-visualização | Página 50 de 50

ou campo minado de inqui-
etação (símbolo indicativo dos tipos de
minas utilizados).
Área suspeita de estar minada.
D 1 - 3 - 2
3-21
C 21-30
3-100
d. Obstáculos em geral
(1) Barreiras
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Área minada, ou campo minado de
inquietação (símbolo indicativo dos
tipos de minas utilizados).
Fosso anticarro.
Talude anticarro.
(2) Agravamento de curso de água
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Agravamento de curso de água.
1 margem.
2 margens.
(3) Área contaminada
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
O agente, a hora e a data devem ser
indicados. EXEMPLO: área conta-
minada com o gás G lançado às
13:00 h do dia 14 Abr.
(4) Destruições
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Destruição preparada.
Destruição realizada.
3-21
3-101
C 21-30
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Destruição planejada.
Área destruída.
Responsabilidade e numeração das
destruições.
À indicação da grande unidade respon-
sável pela destruição, segue-se o núme-
ro indicativo da destruição.
Destruição planejada número 12, de
responsabilidade do I Exército de Cam-
panha.
3-22. PASSAGENS
a. Em obstáculos gerais
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Trilha para homem a pé (1,20 m).
Brecha simples (7 m).
Brecha dupla (14 m).
Passagem tática (no mínimo de 150m de
largura, e variando em função do escalão
que a utilize).
III ExCmp - 12
III ExCmp - 12
3-21/3-22
C 21-30
3-102
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Faixa de minas anticarro com 400 mi-
nas, algumas das quais armadilhas,
sendo atravessada por uma trilha.
Faixa de minas anticarro com 400 mi-
nas, algumas das quais armadilhas,
sendo atravessada por uma passagem.
b. Cursos d'água
(1) Vaus
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Para homem a pé.
Para viaturas sobre rodas.
Para carros de combate.
Para cavalo.
3-22
3-103
C 21-30
(2) Locais de travessia
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Local de travessia de assalto.
Local de portada leve.
Local de portada pesada.
Local de passadeira.
Local de ponte.
3-23. ÁREAS UTILIZADAS POR AERONAVES
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Aeroporto militar.
Aeroporto civil.
Aeroporto civil e militar.
Campo de pouso militar.
Campo de pouso civil.
Campo de pouso civil e militar.
3-22/3-23
C 21-30
3-104
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Campo de pouso de emergência, com
pista.
Campo de pouso de emergência.
3-24. ÁREAS UTILIZADAS POR HELICÓPTEROS
SÍMBOLOS SIGNIFICADOS
Heliponto militar.
Heliponto Público.
Heliponto Privado.
Heliporto público.
Área de pouso.
Área de toque.
Zona de pouso de helicópteros.
Local de aterragem.
3-23/3-24
4-1
C 21-30
CAPÍTULO 4
CONVENÇÕES CARTOGRÁFICAS
ARTIGO I
INTRODUÇÃO
4-1. GENERALIDADES
a. Os símbolos contidos neste capítulo são convenções que se destinam
a representar, de modo expressivo, os acidentes do terreno naturais e artificiais
em geral, de modo a ressaltar a importância dos mesmos, principalmente no que
se refere à aplicação militar da carta. A quantidade de símbolos foi reduzida ao
mínimo indispensável à cartografia para fins militares.
b. As convenções constantes do presente Capítulo estão de acordo com o
Manual Técnico T34-700, elaborado pela Diretoria do Serviço Geográfico, que
estabelece as normas para a representação dos acidentes naturais e artificiais
destinados à confecção de cartas topográficas e similares, nas escalas de
1:25.000, 1:50.000, 1:100.000 e 1:250.000.
c. A representação de vias de transporte, elementos hipsográficos, cober-
tura vegetal, cercas e etc, deve ser feita com cuidado, por constituírem informa-
ções importantes para as atividades militares.
d. Os símbolos característicos de objetos esguios, como torres, chaminés,
marcos isolados e etc, são representados em posição perpendicular à borda
inferior da carta, esboço ou croqui. O centro geométrico do símbolo deve
corresponder ao ponto de locação do objeto.
e. A representação de torres, chaminés, casas isoladas e etc, em projeção
vertical simbólica e em escala proporcionalmente maior que a escala planimétrica
da carta, esboço ou croqui, permite um conveniente destaque desses elementos
necessários para a orientação do militar.
C 21-30
4-2
4-2. CORES DOS SÍMBOLOS
a. As cartas topográficas são confeccionadas em cinco cores (preto, azul,
vermelho, verde e sépia). Os esboços ou croquis, a princípio, devem ser
confeccionados com as mesmas cores.
b. Cores convencionais:
(1) Preto - planimetria em geral e toda a nomenclatura (toponímia) à
exceção das altitudes das curvas de nível e pontos cotados.
(2) Azul - hidrografia - cursos d’água, canais, condutos, nascentes,
poços, terrenos sujeitos a inundação, brejos ou pântanos, culturas em terrenos
úmidos e etc.
(3) Vermelho - arruamentos (escalas menores que 1: 25.000), rodovias
pavimentadas, auto-estradas, campos de emergência não representáveis em
escala e áreas edificadas representáveis em escala.
(4) Verde - vegetação - vegetações naturais (rasteira, arbustiva ou
arbórea), reflorestamentos e culturas em terrenos secos.
(5) Sépia - curvas de nível e respectivas altitudes, depressões, escarpas,
fendas, falhas geológicas, penedos pedras e etc.
ARTIGO II
CLASSIFICAÇÃO DAS RODOVIAS E LOCALIDADES
4-3. CLASSIFICAÇÃO DAS RODOVIAS
a. Denomina-se rodovia de uma só faixa aquela que apresenta, no terreno,
leito com largura igual ou superior a 3,0 m e inferior a 6,0 m. Quando a largura for
menor que 3,0 m, fica caracterizado o caminho carroçável, trilha ou picada.
b. O número de faixas de uma rodovia é determinado pelo menos múltiplo
de 3,0 m, abrangido pela largura do leito. Assim, uma rodovia com 10,0 m de leito
(menor múltiplo abrangido - 9,0 m) tem 3 faixas.
c. As rodovias, caminhos carroçáveis, trilhas ou picadas oferecem, ao
número de faixas e ao tipo de revestimento, como se segue:
(1) Trilha ou picada - Classe 5 - via sem revestimento ou conservação,
com piso e traçado irregulares, só permitindo o tráfego a pé ou de animais.
(2) Caminho carroçável - Classe 4 - via transitável somente em tempo bom
e seco, sem revestimento, caracterizada pela inexistência de conservação
permanente, com piso e traçado irregulares. Geralmente dificulta o tráfego de
veículos comuns a motor. Largura média inferior a 3,0 m.
(3) Rodovia de tráfego periódico - Classe 3 - rodovia transitável somente
em tempo bom e seco, com revestimento solto ou sem revestimento, largura
mínima de 3,0 m, com pouca ou nenhuma conservação e de traçado irregular.
(4) Rodovia não pavimentada - Classe 2 - rodovia transitável durante todo
ano, com revestimento solto e leve, conservado de modo a permitir o tráfego
mesmo em época de chuvas, com um número variável de faixas.
4-2/4-3
4-3
C 21-30
(5) Rodovia pavimentada - Classe 1 - rodovia de revestimento sólido
(asfalto, concreto ou calçamento), com um número variado de faixas, sem
separação física entre as pistas de tráfego.
(6) Auto-estrada - Classe especial - Rodovia de revestimento sólido
(asfalto, concreto ou calçamento), com um mínimo de 4 faixas, apresentando
separação física entre as pistas de tráfego, representável em escala ou não.
4-4. CLASSIFICAÇÃO DAS LOCALIDADES (IBGE)
a. Capital Federal - Localidade onde está a sede do Governo Federal com
os seus poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.
b. Capital - Localidade onde está a sede do Governo de Unidade Político-
Administrativa da Federação, com exclusão do Distrito Federal.
c. Cidade - Localidade com o mesmo nome do município a que pertence
(sede municipal) e onde está sediada a respectiva prefeitura, excluídos os
municípios das capitais.
d. Vila - Localidade com o mesmo nome do distrito a que se pertence (sede
distrital) e onde está sediada a respectiva prefeitura, excluídos os municípios das
capitais.
e. Povoado - Localidade, não legalmente definida, que é caracterizada por
um conjunto de edificações