A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
701 pág.
História das Relações Públicas

Pré-visualização | Página 3 de 50

profissional 
reivindicada desde 1954, quando os praticantes do oficio criam sua associação 
nacional. 
Mas o fortalecimento da área passa necessariamente pela educação 
superior dos futuros ocupantes de funções dessa natureza nas empresas, no 
serviço público e no setor terciário. O marco emblemático é a fundação do curso 
pioneiro por Candido Teobaldo de Souza Andrade, em 1967, na Universidade de 
São Paulo. 
Desde então a profissão deslanchou, construindo seu corpo cognitivo e 
negociando suas fronteiras com as ocupações contíguas, como o jornalismo e as 
relações públicas. 
De que forma esse desenvolvimento ocupacional se deu no espaço 
brasileiro, ou seja, nos diferentes quadrantes da geografia verde-amarela? Quem 
quiser uma resposta satisfatória poderá encontrar nesta coletânea organizada 
com esmero pela professora Claudia Moura, líder da equipe que vem escrevendo 
a História das Relações Públicas no Brasil na Rede Alfredo de Carvalho para o 
Resgate da Memória da Imprensa e a Construção da História da Mídia no Brasil. 
Cláudia Peixoto de Moura (Organizadora) 
12 
Mobilizando jovens professores, de norte a sul, de leste a oeste, a 
tranqüila, diligente e carismática pesquisadora gaúcha compôs um panorama 
elucidativo da área, que representa um desafio às novas gerações no sentido de 
discernir para onde caminha a profissão nesta conjuntura enigmática de 
globalização capitalista. 
Ao prefaciar esta obra coletiva, tecida pelo Grupo de Trabalho de História 
das Relações Públicas da Rede Alfredo de Carvalho, não posso fugir à tentação 
de fazer duas perguntas aos leitores potenciais. 
Em que medida a etapa da globalização da economia não está na raiz da 
própria profissão? Tanto assim que as pistas de Ivy Lee, cuja fórmula para 
humanização de uma linhagem de capitalistas selvagens, são tomadas ao pé da 
letra por Eduardo Pinheiro Lobo, mas não surtem os resultados pretendidos, 
exatamente por que o capitalismo brasileiro é muito tardio? 
E, na seqüência, uma provocação. Por que as Relações Públicas no Brasil 
só seriam nutridas pelo capitalismo de Estado sustentado pelo regime militar pós-
64? 
Trata-se de questões históricas que ambicionam suscitar a leitura crítica 
deste livro pelos jovens profissionais e estudiosos da área. 
 
São Paulo, março de 2008 
História das Relações Públicas 
13 
Apresentação: A história e a memória das Relações Públicas 
Cláudia Peixoto de Moura 
Coordenadora do GT História das Relações Públicas da Rede Alcar 
A obra é uma coletânea de textos selecionados para apresentação no 
Grupo Temático História das Relações Públicas, da Rede de Pesquisadores de 
Memória da Imprensa e a Construção da História da Mídia no Brasil (Rede 
Alfredo de Carvalho – REDE ALCAR). Os artigos já foram disponibilizados à 
comunidade científica da área, através do site da REDE ALCAR 
(www.jornalismo.ufsc.br/redealcar). Porém, nesta obra estão reunidos com a 
finalidade de documentar as discussões ocorridas no período de cinco anos, por 
ocasião dos Encontros realizados, de 2004 a 2008. Além disso, o lançamento 
desta edição acontece no ano do bicentenário da Imprensa Brasileira, registrando 
alguns estudos desenvolvidos na área de Relações Públicas. 
O VI Encontro Nacional de História da Mídia ocorre em 2008, ano 
comemorativo, e tem como tema central os “200 anos de mídia no Brasil – 
Historiografia e Tendências”. A publicação da História das Relações Públicas: 
fragmentos da memória de uma área registra uma parte da trajetória do ensino e 
formação, das reflexões e ações de Relações Públicas, sendo resultante do 
Grupo Temático. Os textos, em sintonia com a ementa do GT História das 
Relações Públicas, abrangem pesquisas que focalizam a história dos processos 
de relacionamento estabelecidos entre os públicos e as organizações, a origem e 
contexto das ações comunicacionais existentes nas instituições públicas, 
privadas e não governamentais, a evolução dos conceitos e práticas de Relações 
Públicas, a trajetória do ensino e de cursos para a formação acadêmica na área. 
O resultado dos cinco encontros é um conjunto de 42 trabalhos, 
selecionados de 2004 a 2008, nas modalidades de Comunicações Científicas, de 
Memórias de Experiências e de Depoimentos de Especialistas, Todos estão 
indicados a seguir, considerando as temáticas abordadas, divididas em dois 
segmentos que deram origem às partes do livro: 
 
Cláudia Peixoto de Moura (Organizadora) 
14 
a) temáticas relacionadas às origens, contextos, ações e práticas de Relações 
Públicas: 
 
AUTOR(ES) TÍTULO DO TRABALHO 
 
Laura Maria Glüer (Centro Universitário 
Metodista IPA/RS) – 2004 
De Chapa Branca a Interlocutora Qualificada: a 
trajetória da atividade de assessoria de 
imprensa no Brasil e no RS 
Marcia Yukiko Matsuuchi Duarte 
(Relações Públicas – Senado 
Federal/DF) – 2004 
Central de Atendimento 0800 do Senado 
Federal: uma história de conquistas para o 
cidadão 
Sonia Aparecida Cabestré (USC/SP) – 
2004 
Contextualizando as Relações Públicas como 
atividade do campo profissional 
Heloiza Matos (ECA/USP e Faculdade 
Cásper Líbero/SP) – 2004 
Governo Médici: discurso oculto na 
comunicação institucional – o caso AERP 
Júlio Afonso Pinho (UFG/GO) – 2005 O contexto histórico do nascimento das 
Relações Públicas 
Rudimar Baldissera (FEEVALE e 
UCS/RS) e Marlene Branca Sólio 
(UCS/RS) – 2005 
Relações Públicas – Processo histórico e 
Complexidade 
Cleusa Maria Andrade Scroferneker 
(PUCRS/RS) – 2005 
(Re)Construindo a história das Relações 
Públicas 
Ana Maria Walker Roig Steffen 
(PUCRS/RS) – 2005 
Teoria e Prática – uma relação dissonante em 
Relações Públicas no Brasil do Século XX 
Ana Maria Córdova Wels (PUCRS e 
FEE/RS) – 2005 
Aspectos históricos da atividade de Relações 
Públicas: paralelos com a origem das 
assessorias de comunicação social 
Laura Maria Glüer (Centro Universitário 
Metodista IPA/RS) – 2005 
O conceito de Empresa-Rede na Assessoria de 
Imprensa - um estudo em Porto Alegre (RS) 
Helaine Abreu Rosa (FEEVALE/RS) e 
Cintia da Silva Carvalho (FEEVALE e 
ULBRA /RS) – 2006 
O pioneirismo do Sindicato de Relações 
Públicas no Estado do Rio Grande do Sul 
Gisele Becker e Carla Lemos da Silva 
(PPGCOM – PUCRS/RS) – 2006 
O campo profissional de Relações Públicas e a 
entrada das Multinacionais no Brasil: uma 
análise através da perspectiva da Pesquisa 
Histórica (1956-1979) 
História das Relações Públicas 
15 
Yuji Gushiken (UFMT/MT) – 2006 Estudos em Relações Públicas e o Pensamento 
Latino-Americano em Comunicação 
Marcello Chamusca e Márcia Carvalhal 
(Portal RP-Bahia/BA) – 2007 
2006: um marco na história das relações 
públicas no Brasil 
Carla Schneider (PPGCOM – 
PUCRS/RS) – 2007 
A comunicação organizacional na cultura da 
gestão da qualidade: o PGQP no período de 
outubro de 1992 a março de 2007 
Angélica Helena Santini Montes Gallego 
(UMESP, FIB, FIP/SP) e Daniel dos 
Santos Galindo (UMESP/SP) – 2007 
Criança Esperança: exemplo do marketing de 
causas sociais, articulado pelas relações 
públicas 
Cláudia Peixoto de Moura (PUCRS/RS) – 
2007 
A Pesquisa Empírica na Mídia Digital: 
uma prática de Relações Públicas 
Cintia da Silva Carvalho (FEEVALE/RS) 
– 2008 
Apropriação dos blogs como ferramenta 
estratégica de Relações Públicas 
Andréia Athaydes (ULBRA e 
FACCAT/RS) – 2008 
O Parlamento Nacional das Relações Públicas 
e as medidas adotadas pelo CONFERP para 
sua viabilização prática. 
Gisele Becker (FEEVALE/RS) e Carla 
Lemos da Silva (PPGCOM-PUCRS/RS) 
– 2008 
O campo profissional de Relações