A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
Slides_8 [Modo de Compatibilidade]

Pré-visualização | Página 2 de 2

Inflação e Nível de Atividade
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Qual a ligação entre oferta de moeda e taxa de juros?
Na visão ortodoxa, a taxa de juros é o preço que equilibra 
a oferta de poupança com a demanda de fundos para a oferta de poupança com a demanda de fundos para 
investimentos. É em função dessa visão que se acreditava, até 
antes de Keynes, que a economia de mercado dispunha de 
mecanismos automáticos de regulação. 
Mas esse raciocínio só faz sentido no argumento 
ortodoxo, que a taxa de juros é determinada no lado real
da economia, ou seja, que ela é de fato o preço que 
equilibra a oferta de poupança com a demanda de fundos 
para investimento. 
8.2 Moeda, Inflação e Nível de Atividade
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Qual a ligação entre oferta de moeda e taxa de juros?
Na visão de Keynes, os determinantes da taxa de juros 
não se encontravam no lado real da economia, mas no mercado não se encontravam no lado real da economia, mas no mercado 
monetário. Para ele, era o cotejo entre a demanda e a oferta de 
moeda que determinava a taxa de juros. 
A moeda, para Keynes, não era demandada apenas 
para que se pudesse, com ela, fazer transações, ou seja, 
ela não era demandada apenas como meio de troca, mas 
também como reserva de valor, conformando aquilo que 
ele denominou demanda especulativa por moeda __ para 
diferenciá-la da demanda transacional. 
8.2 Moeda, Inflação e Nível de Atividade
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Na visão keynesiana, o aumento da oferta de moeda 
pode ajudar a tirar a economia de um quadro recessivo. Com raras pode ajudar a tirar a economia de um quadro recessivo. Com raras 
exceções, um crescimento da oferta monetária tende a reduzir a 
taxa de juros e, portanto, incentivar os investimentos, alavancando 
assim o nível de renda e de produto. 
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit 
Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Tomando a conta corrente das administrações públicas do 
sistema de contas nacionais (que vigorou até 1997), temos que:
Poupança do governo em conta corrente = (tributos indiretos + 
tributos diretos + outras receitas correntes líquidas) – (consumo 
final das administrações públicas + subsídios + transferências 
de assistência e previdência + juros da dívida pública interna)
� Expressão 8.4
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
As despesas do governo não se restringem às despesas 
correntes registradas nessa conta. O governo também efetua 
gastos para manter e ampliar a infra-estrutura econômica e gastos para manter e ampliar a infra-estrutura econômica e 
social.
Assim a definição de déficit público deve levar em conta 
também os investimentos públicos efetuados no périodo de 
tempo em questão:
Déficit público = investimentos públicos – poupança do 
governo em conta corrente
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
O déficit assim definido determina a necessidade de 
financiamento do setor público (NFSP), que engloba os 
governos federal, estadual e municipal, as empresas estatais e 
agências descentralizadas . agências descentralizadas . 
Existem ainda dois conceitos de NFSP: 
conceito nominal, que engloba toda e qualquer 
demanda por recursos proveniente do setor público, inclusive o 
pagamento de juros nominais sobre a dívida;
conceito operacional, que exclui do cálculo da dívida 
as correções monetária e cambial. 
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Existe, finalmente, o conceito de déficit primário, que 
exclui do cálculo as receitas e despesas financeiras e, portanto, 
também os gastos com pagamentos de juros (incluídos no 
conceito operacional). conceito operacional). 
Alternativas de 
financiamento 
público
Emissão de dívida Emissão monetária
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Logo, 
Déficit Público = ∆base monetária + ∆dívida pública
Assim, a emissão monetária sem nenhum critério pode 
acabar resultando em inflação e tornar-se contraproducente 
enquanto instrumento de política econômica, já que 
inflações muito elevadas instabilizam o sistema econômico 
e tendem a desorganizar o setor produtivo. 
� imposto inflacionário
� senhoriagem real
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
O que significa dizer que o valor do déficit público, num 
determinado período, é igual à somatória do aumento da dívida 
pública e do aumento da emissão de moeda nesse mesmo pública e do aumento da emissão de moeda nesse mesmo 
período?
O aumento da emissão de dívida pode correr 
simplesmente por conta de um aumento no nível de 
reservas, que não tem rigorosamente nada que ver com 
geração de déficits nas operações do governo. 
Torna-se necessário descontar os fatores que geram 
expansão monetária, mas que não têm na ocorrência de 
déficits públicos seu fato gerador. Isso é feito criando-se o 
conceito de dívida líquida do governo. 
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Logo, temos que:
Déficit Público = ∆base monetária + ∆dívida líquida do 
governo
Onde dívida líquida do governo é definida como o 
excesso dos débitos do governo sobre os créditos do Bacen 
com o setor privado (empréstimos ao setor privado) e com 
o setor externo (acúmulo de reservas cambiais). 
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Alternativa de financiamento do déficit público via aumento do 
estoque de dívida, também chamado “resultado abaixo da linha”
� títulos de sua emissão devem ser aceitos pelo � títulos de sua emissão devem ser aceitos pelo 
público;
� risco de não pagamento (risco de calote);
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Situação perversa: credores do Estado passam a exigir juros 
mais elevados, os quais pressionam o déficit público, o que leva 
novamente à necessidade de aumento no endividamento público, o novamente à necessidade de aumento no endividamento público, o 
que novamente gera pressões por aumento de juros e assim por 
diante, num processo do tipo “bola de neve”. 
8.3 Sistema Monetário, Inflação e Déficit Público
Capa
da Obra
Capítulo VIII
Sistema Monetário e Inflação
Observações finais:
� a relação entre a expressão 8.4 e a conta de 
acumulação do sistema de contas nacionais. 
� conceito de déficit operacional e a sua relação com a 
inflação.