A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
Resumo OAB   Direito Constitucional

Pré-visualização | Página 8 de 10

seja, só pode perder o cargo após sentença transitada em julgado 
9.2. Inamovibilidade  o Juiz só pode sair de determinada comarca se ele o quiser ou por promoção 
9.2.1. Exceção***  decisão da maioria absoluta dos votos dos membros do Tribunal, mais o 
interesse público relevante 
9.3. Irredutibilidade de vencimentos 
 
10. Organização do Estado 
10.1. República Federativa do Brasil 
10.1.1. Formada pela união indissolúvel da União, Estados, Distrito Federal e Municípios 
10.1.2. Soberania e Autonomia 
10.1.2.1. A soberania atinge a República Federativa do Brasil, e não aos entes que a compõe 
10.1.2.2. A autonomia atinge a União, Estados, Distrito Federal e Municípios (Art. 1 e 18, CF) 
10.1.2.2.1. Autonomia é a capacidade de auto-organização, auto-administração, auto-governo, no 
entanto, tudo vinculado e submisso a soberania da República. Estas três capacidades são chamadas de 
tríplice capacidade 
10.1.3. O Território, se criado, pertencerá a União, pois ele não pertence ao pacto federativo, não é uma 
nova categoria, não tem autonomia, não é dotado de tríplice capacidade 
10.1.3.1. O Governador do Território será sempre escolhido pelo Presidente da República 
10.1.4. Esta forma federativa de Estado é cláusula pétrea 
10.1.5. O pacto federativo é indissolúvel 
10.2. Criação de Estado / Município 
10.2.1. Divisão  um determinado Estado é dividido, gerando dois Estados de território menor e 
personalidades jurídicas distintas 
10.2.2. Desmembramento  um Estado originário é “fatiado”, ou seja, cria-se um Estado secundário, no 
entanto, o originário continua com a sua personalidade jurídica, mas com território menor 
10.2.3. Fusão  união de dois ou mais Estados para criação de um novo Estado formado pela união 
territorial de ambos, e com nova personalidade jurídica 
10.2.4. Incorporação  um determinado Estado é agraciado com um novo território, sendo assim, 
amplia-se o território e se mantém a personalidade jurídica 
10.2.5. Procedimento para criação de um Estado  Art. 18, §3º, CF e Art. 48, VI, CF 
10.2.5.1. Plebiscito (manifestação da população envolvida) 
10.2.5.1.1. Se manifestação negativa, encerra-se nesta etapa 
10.2.5.1.2. Se positiva, leva-se esta proposta a Assembléia Legislativa do Estado, a qual irá emitir um 
parecer, sem poder negar 
10.2.5.2. Lei Complementar proposta pelo Congresso Nacional, a qual o Congresso não está obrigado a 
fazê-la 
10.2.6. Procedimento para criação de um Município 
10.2.6.1. Lei Complementar Federal autorizando e informando o período para a criação de municípios 
10.2.6.2. Divulgação de estudo de viabilidade municipal 
10.2.6.3. Plebiscito  não, encerra-se  sim, lei estadual 
 
11. Competências 
11.1. Premissas  competências administrativas e legislativas 
 
Competência Administrativa Competência Legislativa 
O que os entes da federação podem e devem 
fazer 
Revela os assuntos a respeito dos quais podem os 
entes legislarem 
Sempre trarão verbos – exceto legislar Substantivos 
Competência administrativa comum, Art. 23, CF 
 União, Estados, Distrito Federal, Municípios 
Competências concorrentes  Art. 24, CF  
União, Estado e Distrito Federal 
 
11.2. Competências da União 
11.2.1. Administrativas 
11.2.1.1. Comum  Art. 27, CF 
11.2.1.2. Exclusivas  Art. 21, CF 
11.2.1.3. Indelegáveis 
11.2.2. Legislativa 
11.2.2.1. Concorrente  Art. 24, CF 
11.2.2.2. Privativos  Art. 22, CF 
 
 
 
12. Competências 
12.1. Loterias e bingos  União 
12.2. Gratuidade de estacionamento em estabelecimento comercial privado  União 
12.3. Moto táxi  União 
12.4. Películas e veículos rebaixados  União 
12.5. Tempo máximo de espera em bancos  Municípios 
12.6. Meia entrada  Concorrente entre União e Estados  União faz as normas gerais, e os Estados as 
específicas ou suplementares 
12.7. Interrogatório por vídeo conferência  União 
 
13. Nacionalidade  Art. 12, CF. 
 
Art. 12. São brasileiros: 
I - natos: 
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, 
desde que estes não estejam a serviço de seu país; 
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que qualquer 
deles esteja a serviço da República Federativa do Brasil; 
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam 
registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República 
Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, 
pela nacionalidade brasileira; 
II - naturalizados: 
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos 
originários de países de língua portuguesa apenas residência por um ano 
ininterrupto e idoneidade moral; 
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do 
Brasil há mais de quinze anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que 
requeiram a nacionalidade brasileira. 
§ 1º Aos portugueses com residência permanente no País, se houver reciprocidade 
em favor de brasileiros, serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os 
casos previstos nesta Constituição. 
§ 2º - A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados, 
salvo nos casos previstos nesta Constituição. 
§ 3º - São privativos de brasileiro nato os cargos: 
I - de Presidente e Vice-Presidente da República; 
II - de Presidente da Câmara dos Deputados; 
III - de Presidente do Senado Federal; 
IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal; 
V - da carreira diplomática; 
VI - de oficial das Forças Armadas. 
VII - de Ministro de Estado da Defesa 
§ 4º - Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro que: 
I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em virtude de atividade 
nociva ao interesse nacional; 
II - adquirir outra nacionalidade, salvo no casos: 
a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira; 
b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao brasileiro residente em 
estado estrangeiro, como condição para permanência em seu território ou para o 
exercício de direitos civis; 
 
8.1. Brasileiro nato  Art. 12, I, CF  se abrir mão, pode perder a nacionalidade 
8.1.1. Exceção: adoção de estrangeiro  este passa a ser nato 
8.2. Brasileiro naturalizado  Art. 12, II, CF e Lei 6815 (Estatuto do Estrangeiro) 
8.3. Tratamento diferenciado  Cargos públicos Art. 12, §3º, CF, extradição, perda de nacionalidade por 
sentença transitada em julgado, Conselho da República Art. 89, VII. 
8.4. Art. 222, CF 
 
Art. 222. A propriedade de empresa jornalística e de radiodifusão sonora e de sons e 
imagens é privativa de brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos, ou de 
pessoas jurídicas constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sede no País. 
§ 1º Em qualquer caso, pelo menos setenta por cento do capital total e do capital 
votante das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens 
deverá pertencer, direta ou indiretamente, a brasileiros natos ou naturalizados há 
mais de dez anos, que exercerão obrigatoriamente a gestão das atividades e 
estabelecerão o conteúdo da programação. 
§ 2º A responsabilidade editorial e as atividades de seleção e direção da 
programação veiculada são privativas de brasileiros natos ou naturalizados há mais 
de dez anos, em qualquer meio de comunicação social. 
§ 3º Os meios de comunicação social eletrônica, independentemente da tecnologia 
utilizada para a prestação do serviço, deverão observar os princípios enunciados no 
art. 221, na forma de lei específica, que também garantirá a prioridade de 
profissionais brasileiros na execução de