A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Visão de Mundo

Pré-visualização | Página 3 de 6

é isso mesmo que ela faz o tempo todo, em nossas vidas. É a minha decisão mental de andar que me leva daqui para ali, e são minhas atitudes mentais frente à vida e às dificuldades externas que me levam a tomar atitudes, que criam ou atenuam nosso stress e que, em última análise, influenciam todo o meu organismo e meu comportamento, como vemos nas sessões de hipnose, biofeedbak, etc. A mente pode até mesmo causar doenças, como o câncer, como já está mais que suficientemente provado por inúmeras pesquisas, assim como pode levar a melhoras e a cura, como no tal efeito placebo. Seria muito irreal negar, como fazem os grandes cientistas mecanicistas, especialmente os behavioristas radicais, que a nossa mente não tem qualquer efeito sobre as nossas ações no mundo físico. Assim sendo, o posicionamento de vários cientistas de vanguarda, tais como Carl Jung, Roger Sperry, Fritjof Capra, Stanislav Grof e inúmeros e inúmeros outros ao enfantizar a realidade mental como uma realidade causal traz um impacto semelhante ao de Copérnico ao reformular os sistemas astronômicos no século XVI, dando início à revolução científica que teve nomes como Galileu, Descartes, Newton, LaPlace e tantos outros.
      Roger Sperry, prêmio Nobel de Medicina em 1981, escreveu um artigo para a Annual Review of Neuroscience, de 1981. Tradicionalmente, esse artigo deveria passar em revista as conquistas da abordagem biomédica na abordagem mecanicista da ciência, reforçando a visão de mundo reducionista convencional. Mas, ao contrário, Sperry tratou da área e da importância da experiência subjetiva, que, de certa forma, ainda era negilgenciada, e demonstrou o progresso em ciências biomédicas em termos do interesse de alguns pesquisadores no estudo da consciência:
"Os conceitos atuais da relação mente-cérebro envolvem uma absoluta ruptura com as doutrinas materialistas e comportamentais, há muito instituídas, e que dominaram a neurociência por muitas décadas. Em vez de renunciar à consciência ou de ignorá-la, a nova interpretação confere pleno reconhecimento à primazia da percepção consciente interior como realidade causal".
      Como nos diz Willis Harman, "assim como a frase 'A Terra gira ao redor do Sol' converteu-se, de certa forma, na súmula inadequada da revolução copernicana, assim também tornou-se 'a consciência como realidade causal' a súmula da 'segunda revolução copernicana' (Harman, 1989). Mas, seguindo o pensamento de Harman, devemos lembrar, recordando-nos da insistência de Sigmund Freud, de que nossos processos mentais inconscientes também são processos causais, definindo muito de nossas crenças e comportamentos. Assim, precisamos estudar a amplidão destes elementos nas crenças inconscientes.
      Freud, Jung e outros teóricos têm constantemente demonstrado que todos nós temos uma série de crenças que nos faz - de modo automático - conceitualizar a nossa experiência, pessoal e coletiva. São crenças quanto à história, crenças quanto ao futuro, quanto ao que deve ser valorizado ou feito. Mas, o mais importante, é que algumas destas crenças são inconscientes.
      Freud demonstrou que as pessoas, sem se dar conta destas crenças inconscientes, as deixam transparecer por inferência de seu comportamento, por exemplo, no caso clássico dos lápsos de linguagem, ou dos atos compulsivos, dentre tantos outros. Um outro caso clássico, visível na psicoterapia e na educação, é a crença inconsciente na própria inferioridade ou incompetência, mesmo que, conscientemente, se diga o contrário. E, assim, estas pessoas acabam por promover ações e ocorrências que lhes indicam a sua incongruência íntima, usando a terminologia de Carl Rogers.
      Assim, embora tenhamos consciência de uma grande parcela de nossas crenças, as que estão fora de nossa percepção consciente nem por isso deixam de estar atuantes, influenciando nossos comportamentos. O grau de autonomia individual vai depeder do graude congruência psicologógica do indivíduo, tal como nos expressa Rogers. Não sabemos, realmente, do grau de crenças ou no que acreditamos inconscientemente, mas é muito provável que estas sejam de uma ordem ou qualidade bem diversas de nossas crenças conscientes (Freud, 1916; Grof, 1988; Harman, 1989).
      "O sistema total de crenças de uma pessoa consiste num conjunto de crenças e expectativas - expressas ou não, implícitas e explícitas, conscientes e inconscientes - que ela aceita como verdadeiras com relação ao mundo em que vive.
      "Esse sistema de crenças não precisa ter consistência lógica; na verdade, provavelmente nunca a tenha. Pode ser dividido em compartimentos contendo crenças logicamente contraditórias que, de maneira típica, não assomam à percepção consciente nas mesmas ocasiões. Inconscientemente, a pessoa rechaça os sinais que possam revelar tal contradição interior. Observem que essa decisão de não se tornar conscientemente cônscio de algo é inconsciente. Nós optamos, como também acreditamos inconscientemente (...)
      A forma como percebemos a realidade é fortemente influenciada por crenças, adquiridas do meio, de forma inconsciente. Os fenômenos de recusa e de resistência na psicoterapia ilustram a intensidade com que tendemos a não ver coisas que ameaçam imagens profundamente enraizadas, conflitantes com crenças bastante conservadoras. Pesquisas sobre hipnose, auto-expectativa e expectativa por parte do pesquisador, autoritarismo e preconceito, percepção subliminar e atenção seletiva, demonstram reiteradamente que nossas percepções e 'verificações' da realidade são influenciadas. muito mais do que geralmente se acredita, por crenças, atitudes e outros processos mentais, sem o que grande parte desses processos é inconsciente. Percebemos que o que esperamos, o que nos foi sugerido que devêssemos preceber, o que 'precisamos' perceber - a tal ponto que poderíamos ficar chocadas se o percebêssemos conscientemente.
      "Essa influência de crenças sobre a percepção se intensifica quando um grande número de pessoas acredita na mesma coisa. Os antropólogos culturais documentaram em detalhe de que modo pessoas que crescem em culturas diferentes percebem com clareza realidades diferentes".
Willis Harman, 1994
      Os fenômenos da sugestão hipnótica nos mostram muito claramente, e de forma dramática, o quanto a mudança de crenças podem alterar a percepção e a sensação, até mesmo fazendo o sujeito "ver", "ouvir" e "sentir" um objeto ou pessoa que não está presente. Enfim, o nosso modo de "perceber", "sentir" e "experimentar" a realidade é altamente condicionado por nossas crenças arraigadas, principalmente as crenças paradigmáticas coletivas. Estas crenças, por sua vez, são afetadas positivamente pela maneira de atuar sobre a realidade, a partir de seus referenciais - que, claro, reforça as crenças e o paradigma. Se ocorre alguma "anomalia", sentimo-nos tão pouco à vontade, que relegamos o fato ao mundo do erro de experimentação, ilusão ou simplesmente são esquecidos.
      "Pois bem, cada um de nós, a partir da infância, está sujeito a uma complexa série de sugestões advindas do meio social que, com efeito, nos ensinam a perceber o mundo" (Harman, 1994). Por exemplo, todos nós sabemos como uma visão de mundo bastante tendenciosa é posta por meio da propaganda do atual governo Federal brasileiro, altamente incongruente com a realidade nacional. Da mesma forma, a sociedade e a cultura nos passam uma visão de mundo que, para ela, é o correto, mesmo que surjam o tempo todo fenômenos que lhe apontem as mazelas.
    De fato, vivemos hoje uma era de defesas e contradições altamente racionalizadas, na busca frenética pela justificação destas nossas mesmas contradições, tomando por base o sistema capitalista. Segundo Antônio Houaiss e Roberto Amaral, "os raciocínios fundadores de certas práticas, mais que teorias, de certa parte da imprensa internacional e da quase totalidade da boa imprensa terceiro-mundista, e, nela, conspicuamente, a brasileira, autoritariamente unânime, são uma ciranda de lógicas e paralógicas que assumem