A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
RESUMO PARA AS AULAS DE  DIREITO ROMANO

Pré-visualização | Página 2 de 11

uso, a observância constante da norma; outro interno, que é o elemento psicológico, a convicção de que a norma eleita funciona como lei.
A autoridade e força do costume provêm do acordo geral, mas tácito, de todos os cidadãos. É o jus non scriptum, direito costumeiro ou consuetudinário.
A Lei, ao contrário do costume, resulta de uma declaração feita pelo poder competente, advindo sua autoridade do acordo formal dos cidadãos.
As leis teriam sido obra dos sete reais. No entanto, muitos negam a existência de aludidas leis reais.
Teriam sido elas votadas pelos Comícios por cúrias, e compiladas, nos fins da realeza ou no início da república, por Sexto Papírio, como nos informa Pompônio no Digesto.
 A queda da realeza :
A perpetuidade do poder (o rei era eleito e ficava no poder até morrer) e o descrédito nos reis, foram as causas que mais concorreram para a queda da realeza. Segundo a tradição, a realeza terminou de modo abrupto: uma revolução baniu Tarquínio, “O Soberbo”, de Roma em 510 a.C.
2.1.2. REPÚBLICA
	Com a queda da realeza, sucederam ao rei dois magistrados (Cônsules) eleitos pelo povo, para exercerem funções executivas (função = presidente).
 	República = Res pública = coisa pública (de todos)
	Regime bastante diferente da realeza, a república romana estabelecia a eleição anual dos governantes pelo povo.
	O modelo republicano romano notabilizou-se por ter a participação popular, como ponto primordial.
	Os dois cônsules eleitos tinham poderes iguais; eram como dois presidentes em regime de distribuição de trabalho, obedecendo a um certo revezamento (um deles assumia em tempo de paz e o outro em tempo de guerra) e tomando sempre as decisões em conjunto.
O desdobramento da Magistratura:
	A princípio, os dois cônsules eram magistrados únicos, com atribuições militares, administrativas e judiciárias. No entanto, pouco a pouco, vão sendo criadas outras magistraturas com atribuições retiradas do consulado. Estes cargos foram surgindo, de acordo com as necessidades existentes.
NOVOS MAGISTRADOS:
Pretores: Cuidavam da justiça.
Questores: Cuidavam dos impostos e tesouros públicos.
Censores: Cuidavam do recenseamento.
Edis: Encarregados das benfeitorias da cidade e do controle dos preços.
	Para os romanos, Magistrado era qualquer cidadão eleito pelo povo, para exercer uma função pública e específica.
Características das Magistraturas :
Todos os magistrados eram eleitos pelo povo, para um período de apenas um ano.
Só o censor permanecia no cargo por 5 anos.
Não havia hierarquia entre cônsules e magistrados.
Os magistrados eram autônomos em suas funções.
Os magistrados só podiam se candidatar ao mesmo cargo, após o intervalo de 1 ano.
A prestação de contas dos magistrados para o povo era rigorosa.
O povo exercia controle e fiscalização rigorosos sobre os atos dos magistrados, que podiam ser depostos quando a população desejasse.
Fontes do direito na República:
Na linguagem da História, fontes são os meios que nos levam ao conhecimento do passado da humanidade. Entre as fontes da História, os textos escritos são as mais importantes. Para o conhecimento das origens e evolução histórica do Direito Romano (ou de qualquer outro Direito) usamos dessas fontes, chamadas “fontes de cognição”. Biondi caracteriza-as como “todas aquelas notícias e elementos, de qualquer espécie ou gênero, que nos permitem reconstruir o estado do direito nas várias épocas históricas”.
As fontes de cognição se dividem em fontes jurídicas e fontes extrajurídicas. As primeiras são aquelas que, no passado, constituíram normas jurídicas. Assim, por exemplo, a Lei das XII Tábuas, os editos dos magistrados, as constituições imperiais; etc. Hoje tais fontes servem-nos de meios de conhecimento do direito objetivo como se configurava no passado. Fontes de cognição extrajurídicas são os documentos de toda natureza (literária, arqueológica, etc.) que na época não constituíam normas jurídicas mas que nos prestam informações sobre o Direito Romano. Assim, por exemplo, páginas de historiadores latinos, de poetas, de filósofos, de escritores e oradores (inúmeras obras de Cícero, por exemplo ), etc.
Na linguagem do Direito, o vocábulo fonte possui um sentido peculiar: indica tanto a nascente donde promana o direito objetivo como “as formas de que se recobre o preceito, porque o preceito assume diferentes aspectos exteriores, revestindo-se de roupagens diversas, que variam segundo sua natureza e segundo a própria fonte, isto é, segundo sua proveniência, derivando de tal ou qual órgão”.
Estamos aqui diante das chamadas Fontes de Produção que podemos dividir em Fontes de produção em sentido restrito e Fontes de produção em sentido amplo.
As primeiras são os órgãos de expressão do direito, isto é, “os órgãos que, segundo o ordenamento jurídico do tempo, têm a função de criar a norma jurídica”. São também chamadas fontes em sentido material. Exemplo: os comícios, o senado, as magistraturas, etc. As segundas são “os modos, as várias maneiras pelas quais se declara, ou se manifesta, a regra jurídica”. São também chamadas fontes em sentido formal. Assim, por exemplo, a lei, o senatusconsulto, o edito dos magistrados, etc.
As fontes do Direito Romano na época republicana são: 
1. Os costumes;
2. As leis;
3. Os senatusconsultos;
4. Os editos dos magistrados;
5. A jurisprudência.
A queda da República :
	Caio Mário (101 a.C.) realizou uma ampla reforma na organização do sistema militar, para poder atender as necessidades do momento. Antes das reformas feitas por Caio Mário, o exército romano era composto de cidadãos comuns, que tornavam-se soldados voluntários, por seu elevado grau de patriotismo. O longo tempo de duração das Guerras Púnicas gerou problema no alistamento militar voluntário; Caio Mário então, determinou que as tropas deveriam ser compostas por profissionais especialmente treinados, que passariam a ser remunerados por seus comandantes. Os generais passaram a ter o poder de livremente recrutar soldados e receber o juramento da lealdade.
	Em decorrência desse estímulo aos comandantes e comandados, houve consequências funestas à república romana:
Com o sistema de remuneração aos militares, deslocou o sentido público de riqueza para um sentido particular, gerando o grande problema da concentração de rendas nas mãos de uma minoria (no caso, os militares);
O fato dos generais receberem o juramento de lealdade dos soldados, vinculou os soldados a eles, e não como anteriormente a Roma; a fidelidade dos comandados passava a ser dos comandantes, e não de Roma.
	Otávio Augusto, em 27 a.C., camufladamente, introduziu um novo regime.
2.1.3. IMPÉRIO
Principado (Alto Império):
	Através de políticos inescrupulosos, que visam apenas os seus interesses particulares, surgiram os Triunviratos, que só terminaram com Otávio Augusto, homem sagaz e inteligente, que foi levando os romanos a um regime pessoal e ditatorial, inicialmente chamado Principado. Como príncipe, ele consegue ser adorado pelo povo, que o considera a figura da “Paz Romana”. O regime vai crescendo até o totalitarismo implantado por Diocleciano.
Primeiro Triunvirato: 
	Foi um acordo secreto feito entre Júlio César, Pompeu e Crasso, para chegarem ao poder. Depois das campanhas, César conquista a Gália, o que lhe deu enorme prestígio militar. Crasso faleceu no Oriente e Pompeu tentou ficar com o poder em Roma. César desce da Gális, atravessa o Rubicão e invade Roma, provocando a fuga de Pompeu para o Egito, onde morreu assassinado. César coloca Cleópatra no trono egípcio, vence Farnaces na Ásia (Veni, vidi, vici), derrota os seguidores de Pompeu na África e regressa a Roma, onde recebe do Senado, o título de DITADOR PERPÉTUO. Um dos destaques do governo de César foi a anulação do poder do Senado.
Segundo Triunvirato:
Com a morte de César, decorre uma série de agitações, da qual decorre a formação do segundo