A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
RESUMO - Direito do Trabalho I - 2° Bi

Pré-visualização | Página 1 de 4

CONTRATO DE TRABALHO
Natureza jurídica contratual:
Bilateralidade
Onerosidade
Comutatividade
Consensualidade
Pessoalidade
Contrato de adesão 
De execução continuada
CLASSIFICAÇÃO:
Quanto à forma:
Tácito: resulta de um dado comportamento; sem solicitação expressa alguém presta serviços a outrem, sem oposição; continuidade do comportamento revela a vontade, a concordância com o pacto; presunção de benefício com o trabalho prestado gera obrigações.
Expresso: verbal decorre da oralização; troca de palavras quanto à aceitação do contrato e com obrigações recíprocas; escrito quando o ajuste é firmado por um instrumento escrito; em regra não se exige forma solene, escrita; serão obrigatoriamente escritos os contratos: de artistas, de atleta profissional, de aprendizagem, contrato temporário; de experiência (O contrato de experiência é por tempo determinado. Quando ele acabar, se transforma em contrato por tempo indeterminado, e aquele vai ser considerado como uma cláusula de experiência).
Quanto à duração
Por tempo indeterminado: Forma comum, presumível em todos os ajustes; princípio da continuidade da relação de emprego; presunção de benefícios ao trabalhador.
Por tempo determinado: Exceção; deve ser provado pelo interessado; implica restrição de alguns direitos; lei autoriza de forma restrita; partes ajustam antecipadamente o seu termo final; Definição: CLT, art. 443
 Hipóteses autorizadas e válidas (CLT, art. 443, § 2º):
 a) serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique predeterminação
 de prazo
 b) atividades empresariais de caráter transitório
 c) contrato de experiência
Contratos por tempo determinado: 
CLT, art. 443, § 1º contrato cuja vigência depende de termo prefixado ou da execução de serviços específicos, ou da realização de certo evento suscetível de previsão aproximada. Específicos de técnico estrangeiro; atleta profissional; artistas; aprendizagem; obra certa; safra; empregado admitido acima do quadro fixo da empresa; Prazo em geral o máximo de 2 (dois) anos; experiência 90 dias; prorrogação autorizada uma única vez; termo final: elemento cronológico, conclusão do objeto ou o advento de um acontecimento de previsão aproximada. Renovações sucessivas CLT, art. 452; novo contrato com o mesmo empregado só após seis meses do término do anterior, exceto em casos de serviços especializados ou acontecimento aproximado.
Quanto à regulamentação
Comuns: regidos pelas normas genéricas da legislação trabalhista; normas gerais em vigor; Previstos pela CF e CLT.
Especiais: submetidos a regime próprio de legislação devido a aspectos peculiares do serviço; elaboração de normas específicas; destinados a empregados de uma profissão especial, como bancários, professores, ferroviários, domésticos, avulsos, aeronautas, rurícolas 
Quanto aos sujeitos
Singulares: quando a contratação envolve um empregado em particular; regra nas contratações individuais de trabalho;
Plúrimos: quando os sujeitos ativos ou passivos podem ser vários, mas sempre determinados. Podem ocorrer:
 a) contrato de equipe - um empregador contrata vários trabalhadores que atuam em grupo
 b) um trabalhador é admitido por mais de um empregador;
 c) dois ou mais empregadores admitem uma equipe de empregados, por meio de um único vínculo de trabalho
 d) contratos de duração intermitente. 
Requisitos de Validade do Contrato de Trabalho
	Pressupostos 
Trabalho livre
Prestado por pessoa física
Não eventual
Oneroso
Subordinado
	Requisitos
Capacidade das partes
Objeto lícito
Forma (escrito ou oral) - informal
Vontade
REQUISITOS:
1) CAPACIDADE:
	No Direito Civil - Código Civil art. 1º, 3º, 4º, 5º
Capacidade plena
Incapacidade absoluta
Incapacidade relativa
	No Direito do Trabalho - CF, art. 7º, XXXIII
Capacidade plena
Incapacidade relativa
Incapacidade absoluta
No Direito do Trabalho
Menor de 16 anos – vedação
De 16 a 18 anos - autorização legal 
 restrições
 responsável legal – atuação
 direitos assegurados
Acima de 18 anos - capacidade plena
2) OBJETO LÍCITO:
Objeto do contrato prestação de fazer (utilidade e necessidade), por pessoa física, com pessoalidade, onerosidade, não eventualidade e subordinação.
Objeto ilícito prestação de fazer repudiada pelo ordenamento jurídico (prostituição, contrabando, trafico de entorpecentes, jogos de azar).
Nulidades: Nulidade absoluta efeitos ex tunc - Nulidade relativa efeitos ex nunc. 
Princípios aplicáveis: Impossibilidade de retorno ao status quo ante, 
Vedação ao enriquecimento sem causa, 
Irretroatividade das nulidades.
3) FORMA: Pode ser escrito ou oral. O Contrato de trabalho é informal porque se baseia no princípio da realidade sobre a forma.
EFEITOS JURÍDICOS: Período pré contratual
Caso eu não observe os requisitos do contrato do trabalho eu vou ter uma nulidade relativa do contrato de trabalho, mas esse contrato pode ter efeitos ex nunc, dependendo do caso. Ex: é vedado o contrato de trabalho de menor de 16 anos, e se ele trabalhar? A jurisprudência garante todos os direitos daquele menor, mas o contrato só será nulo a partir da data da declaração e ele terá todos os seus direitos garantidos antes da declaração da nulidade. Ex: se o trabalhador labora em atividade ilícito? A jurisprudência não reconhece nenhum efeito para tanto. Caso o trabalho seja proibido (ex:contratação pela administração pública sem concurso público, estrangeiro trabalhando sem visto), nos termos da Súmula 363, não é reconhecida a relação de emprego, porém, como não é possível devolver aquele energia de trabalho e pelo princípio do não enriquecimento sem justa causa, a jurisprudência paga os salários e o FGTS.
PROVA: 
Meios de prova: para provar a existência do contrato de trabalho admite-se todos os meios de prova, sendo que, a rainha das provas é a Carteira de Trabalho – CTPS. Quando não tem assinatura na CTPS o ônus de prova que existe a relação de emprego é do empregador. Mas se o empregador não negar que o trabalho existiu, mas que não era por intermédio da relação de emprego (ex: trabalhador autônomo), o ônus de provar tal alegação é do trabalhador.
Alteração do Contrato de Trabalho
1. Princípio da imodificabilidade
CLT, art. 468 nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo consentimento, e, ainda assim, desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente.
Regra: Inalterabilidade
 Intervenção do Estado nas relações laborais
 Proteção do trabalhador contra imposições do empregador em razão do poder de direção deste
 Norma de ordem pública
 Restrição à autonomia das partes contratante
Exceções:
Admite-se alteração das condições de trabalho:
a) Por mútuo consentimento – será ilícita, em regra, quando for unilateral; convenção tácita e presunção de consentimento;
b) Que não acarrete prejuízos ao empregado – se a alteração provocar prejuízos direta ou indiretamente ao empregado será inválida; empregado não está obrigado a aceitar condição pior; indução a erro e coação patronal
Art. 7º, VI, da CF/1988 – irredutibilidade salarial 
2. Jus variandi do empregador
Conceito: Modificações unilaterais excepcionais, não substanciais, que não atinjam cláusulas essenciais do contrato e que não impliquem prejuízos significativos ao empregado
Cláusulas essenciais: função, jornada, local, salário
Jus resistentiae do empregado: direito do empregado de se opor a algumas modificações prejudiciais ou ilegais. Direito de postular em juízo a abstenção do empregador ou a rescisão indireta do contrato
3. Mudança de local – transferência
CLT, art. 469 e 470: condições de validade.