A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
RESUMO - Processo Penal I - 2° Bi

Pré-visualização | Página 4 de 7

- inquirição
4° Interrogatório do réu.
5° Requerimento de leitura de peças pelo escrivão.
Fase de Debates
6° Promotor tem 1h30 para falar. Defesa tem 1h30 para falar. Se for mais de 1 (um) réu, adiciona-se mais uma hora.
Réplica Promotor tem 1h. Tréplica a defesa tem 1h. Em caso de mais de 1 (um) réu, acrescenta mais uma hora.
7° Leitura pelo juiz dos quesitos a serem julgados.
8° Sala Secreta: Adv., Juiz, Promotor, Escrivão, Oficial de Justiça + Jurados.
QUESITOS Art. 483, CPP
Art. 483.  Os quesitos serão formulados na seguinte ordem, indagando sobre: (Redação dada pela Lei nº 11.689, de 2008)
        I – a materialidade do fato; (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        II – a autoria ou participação; (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        III – se o acusado deve ser absolvido; (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        IV – se existe causa de diminuição de pena alegada pela defesa; (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        V – se existe circunstância qualificadora ou causa de aumento de pena reconhecidas na pronúncia ou em decisões posteriores que julgaram admissível a acusação. (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        § 1o  A resposta negativa, de mais de 3 (três) jurados, a qualquer dos quesitos referidos nos incisos I e II do caput deste artigo encerra a votação e implica a absolvição do acusado. (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        § 2o  Respondidos afirmativamente por mais de 3 (três) jurados os quesitos relativos aos incisos I e II do caput deste artigo será formulado quesito com a seguinte redação: (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        O jurado absolve o acusado?
        § 3o  Decidindo os jurados pela condenação, o julgamento prossegue, devendo ser formulados quesitos sobre: (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        I – causa de diminuição de pena alegada pela defesa; (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        II – circunstância qualificadora ou causa de aumento de pena, reconhecidas na pronúncia ou em decisões posteriores que julgaram admissível a acusação. (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        § 4o  Sustentada a desclassificação da infração para outra de competência do juiz singular, será formulado quesito a respeito, para ser respondido após o 2o (segundo) ou 3o (terceiro) quesito, conforme o caso. (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        § 5o  Sustentada a tese de ocorrência do crime na sua forma tentada ou havendo divergência sobre a tipificação do delito, sendo este da competência do Tribunal do Júri, o juiz formulará quesito acerca destas questões, para ser respondido após o segundo quesito. (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
        § 6o  Havendo mais de um crime ou mais de um acusado, os quesitos serão formulados em séries distintas. (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008)
I – Materialidade: SIM - desmembra outra questão: Essas lesões causaram a morte? Sim: Absolvido. Não: Continua.
II – Autoria ou participação: NÃO: absolve.
III – O jurado absolve o acusado? SIM: Absolve. NÃO: continua com mais questões.
Tese de desclassificação pela defesa: ex: dizer que foi culposo. 
Quando a defesa utilizar de tese de desclassificação, haverpa pequenas alterações quantos aos quesitos:
I – Materialidade.
II – Autoria ou participação.
II’ – Questão em caso de desclassificação. Ex: Houve dolo de matar?
III – O jurado absolve o acusado? 
III’ – Questão em caso de desclassificação. Ex: O excesso foi culposo?
Porém, em caso de tese de desclassificação, ocorre que haverá o momento correto para a questão “a mais”.
Desclassificação Própria
Não diz que crime é, muda a competência. Se a tese principal da defesa for a desclassificação a pergunta virá após a segunda (II’), pois em caso negativo não tem o juri competência para julgar. Juiz togado, em caso de incompetência, remete para juizo competênte.
Desclassificação Imprópria
A pergunta será após o 3 quesito, qando a tese de defesa não é de desclassificação, mas de absolvição e a desclassificação seja uma tese secundária. Nesse cso haverá uma definição do crime, porque a pergunta utilizará do crime imputado na tese. Não há deslocamento de competência. Ex: O excesso foi culposo? Se sim, já se tem um crime definido. Nesse caso, o jurado desclassifica, diz que crime é e não muda a competência.
13-05-2013 - COMPETÊNCIA
Art. 75 - CPP.  A precedência da distribuição fixará a competência quando, na mesma circunscrição judiciária, houver mais de um juiz igualmente competente.
        Parágrafo único.  A distribuição realizada para o efeito da concessão de fiança ou da decretação de prisão preventiva ou de qualquer diligência anterior à denúncia ou queixa prevenirá a da ação penal.
Art. 76 - CPP.  A competência será determinada pela conexão:
        I - se, ocorrendo duas ou mais infrações, houverem sido praticadas, ao mesmo tempo, por várias pessoas reunidas, ou por várias pessoas em concurso, embora diverso o tempo e o lugar, ou por várias pessoas, umas contra as outras;
        II - se, no mesmo caso, houverem sido umas praticadas para facilitar ou ocultar as outras, ou para conseguir impunidade ou vantagem em relação a qualquer delas;
        III - quando a prova de uma infração ou de qualquer de suas circunstâncias elementares influir na prova de outra infração.
Art. 75, CPP - competência será por distribuição.
Art. 76, CPP: Conexão
Inciso I: as três características falam em "várias pessoas"
Conexão intersubjetiva - nome dado às três características - conexão entre sujeitos
Por simultaneidade
- Duas ou mais infrações
- Praticadas ao mesmo tempo
- Por várias pessoas reunidas
A reunião pode ser ocasional, não precisa ser organizada, não é necessário um liame subjetivo.
Por concurso
- Duas ou mais infrações
- Por várias pessoas em concurso, embora diverso o tempo e o lugar
Nesse caso, há um liame subjetivo. Ex: praticam um roubo para distrair a atenção da polícia, enquanto sequestram.
Por reciprocidade
- Duas ou mais infrações 
- Por várias pessoas
- Umas contra as outras
Inciso II: conexão objetiva
Art. 76, II - se, no mesmo caso, houverem sido umas praticadas para facilitar ou ocultar as outras, ou para conseguir impunidade ou vantagem em relação a qualquer delas;
ex: homicídio e ocultação de cadável (mesmo processo).
Inciso III: conexão probatória (instrumental)
Quando a prova de uma infração ou de qualquer de suas circunstâncias elementares influir na prova da existência de outra infração.
Ex: furto e receptação – A receptação demonstra a origem ilícita da coisa.
Ex: lavagem de dinheiro – O crime de lavagem só existe se o dinheiro ao qual quer se dar aparência lícita vem de atividade ilícita.
Art. 76, CPP: Continência
Art. 77 - CPP.  A competência será determinada pela continência quando:
        I - duas ou mais pessoas forem acusadas pela mesma infração;
        II - no caso de infração cometida nas condições previstas nos arts. 51, § 1o, 53, segunda parte, e 54 do Código Penal.
Por cumulação Subjetiva
- Duas ou mais pessoas
- Em uma mesma infração
	Ex: coautoria
Por concurso
- Duas ou mais infrações
- Em uma mesma conduta.
Ex: concurso formal de crimes.
Regra de “forum attractiones” (atração de foro).
Art. 78. Na determinação da competência por conexão ou continência, serão observadas as seguintes regras: (Redação dada pela Lei nº 263, de 23.2.1948)
        I - no concurso entre a competência do júri e a de outro órgão da jurisdição comum, prevalecerá a competência do júri; (Redação dada pela Lei nº 263, de 23.2.1948)
        Il - no concurso de jurisdições da mesma categoria: (Redação dada pela Lei nº 263, de 23.2.1948)
        a) preponderará a do lugar da infração, à qual for cominada a pena mais grave; (Redação dada pela Lei nº 263, de 23.2.1948)
        b) prevalecerá a do lugar em que houver ocorrido o maior número de infrações, se as respectivas penas forem de igual gravidade; (Redação dada pela Lei nº 263,