A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
PI_Aula04

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 
• Aula 04: Direitos Autorais (parte II). 
Disciplina Eletiva de Propriedade Intelectual 
Prof. Alysson H. Oikawa 
Se “ideias” estão fora da LDA, 
como é possível protegê-las? 
• Concorrência Desleal (violações de segredos de negócio); 
• Autorregulamentação Publicitária no CONAR; 
• Contratualmente; 
• Enriquecimento sem causa. 
2 
2 
Proteção de ideias fora da LDA: 
Tese de Concorrência Desleal (art. 195, LPI) 
O aproveitamento de “ideia” ou “conceito” já utilizado em conteúdo comercial 
de terceiro pode caracterizar emprego de meio fraudulento para desvio de 
clientela (art. 195, III, LPI). 
A utilização ou imitação de expressão (slogan) ou sinal de propaganda 
alheios, de modo a criar confusão entre os produtos ou estabelecimentos, 
também é caracterizada como concorrência desleal (art. 195, IV, LPI). 
3 
Proteção de ideias fora da LDA: 
Tese de Concorrência Desleal (art. 195, LPI) 
Violações de segredos comerciais/industriais: 
“IX - dá ou promete dinheiro ou outra utilidade a empregado de concorrente, para que 
o empregado, faltando ao dever do emprego, lhe proporcione vantagem; 
X - recebe dinheiro ou outra utilidade, ou aceita promessa de paga ou recompensa, 
para, faltando ao dever de empregado, proporcionar vantagem a concorrente do 
empregador; 
XI - divulga, explora ou utiliza-se, sem autorização, de conhecimentos, informações ou 
dados confidenciais, utilizáveis na indústria, comércio ou prestação de serviços, 
excluídos aqueles que sejam de conhecimento público ou que sejam evidentes para 
um técnico no assunto, a que teve acesso mediante relação contratual ou 
empregatícia, mesmo após o término do contrato; 
XII - divulga, explora ou utiliza-se, sem autorização, de conhecimentos ou informações 
a que se refere o inciso anterior, obtidos por meios ilícitos ou a que teve acesso 
mediante fraude;” 
4 
3 
Proteção de ideias fora da LDA: 
Código Brasileiro de Autorregulamentação 
Publicitária 
Artigo 41: “Este Código protege a criatividade e a originalidade e condena o 
anúncio que tenha por base o plágio ou imitação, ressalvados os casos em 
que a imitação é comprovadamente um deliberado e evidente artifício 
criativo.” 
Artigo 42: “Será igualmente condenado o anúncio que configure uma 
confusão proposital com qualquer peça de criação anterior”. 
Artigo 43: “O anúncio não poderá infringir as marcas, apelos, conceitos e 
direitos de terceiros, mesmo aqueles empregados fora do país, 
reconhecidamente relacionados ou associados a outro Anunciante.” 
5 
Disponível em: <http://www.conar.org.br/html/codigos/todos%20os%20capitulos.htm>, acesso em 08/08/2010, às 
21:45. 
Proteção de ideias fora da LDA: 
Cases do CONAR 
CARREFOUR (NORTON) x EPA SUPERMERCADOS 
(Representação nº 045/80) 
• Anúncio "Baratíssimo. Aqui está o compromisso público do EPA." (mídia impressa) 
• 1980: Primeiro caso processado no Conselho de Ética, com fundamento nos artigos 
41, 42 e 43 do Código de Auto-Regulamentação. 
• A NORTON PUBLICIDADE S.A., em nome de seu cliente CARREFOUR, entendeu-se 
ferida em seus direitos sobre a criação dos anúncios de mídia impressa anúncio de 
mídia impressa intitulados: "COMPROMISSO PÚBLICO CARREFOUR". 
• Decisão: concessão da liminar de sustação da veiculação, com base em "provas 
irrefutáveis do ocorrido", inclusive da anterioridade da veiculação do anúncio do 
Denunciante.” 
6 
Disponível em: <http://www.conar.org.br/html/decisoes_e_casos/casos/cad2apelo_cas1.htm>, acesso em 
08/08/2010, às 21:50. 
4 
BAMERINDUS x BANESTADO 
(Representação nº 108/92) 
• Anúncio: "Ah! Esse Banestado...!” (mídia impressa) 
• O apresentador, ao encerrar o comercial de TV, se utiliza de um bordão - 
ligeiramente alterado - que se encontra sempre na propaganda do Denunciante: 
("Ah! Esse Bamerindus...!") 
• Decisão: concessão da liminar de sustação da veiculação. 
• A expressão publicitária "Ah! Esse Bamerindus..!" tinha precedência, ainda que não 
concretamente comprovada, desde logo reconhecida pelas partes: “O Bamerindus 
nela tem investido e tornou-a, juntamente como o ‘gordo simpático’, conhecida em 
todo o país.” 
7 
Disponível em: <http://www.conar.org.br/html/decisoes_e_casos/casos/cad2apelo_cas20.htm>, acesso em 
08/08/2010, às 21:50. 
Proteção de ideias fora da LDA: 
Cases do CONAR 
Proteção de ideias fora da LDA: 
Contratualmente 
Cláusulas que façam a pessoa/empresa que teve acesso à “ideia”: 
• reconhecer a autoria da Divulgadora; 
• reconhecer que a ideia está sendo divulgada apenas para os fins 
estipulados no instrumento (ex.: apresentação de projeto, submissão de 
conteúdo para apreciação da editora); 
• se comprometer com sigilo e com a não-utilização, salvo nos termos 
propostos pela Divulgadora ou com sua autorização expressa. 
8 
5 
Proteção de ideias fora da LDA: 
Tese de enriquecimento sem causa 
“Aquele que, sem justa causa, se enriquecer à custa de outrem, será obrigado 
a restituir o indevidamente auferido, feita a atualização dos valores 
monetários.” (Art. 884, Código Civil) 
9 
10 
• Idéias/conceitos em si mesmos; 
• Procedimentos normativos; 
• Esquemas ou planos (ex.: regras de jogo); 
• Formulários em branco para serem 
preenchidos; 
• Textos de atos oficiais (ex.: leis e decisões 
judiciais); 
• Informações de uso comum (ex.: 
calendários e agendas); 
• Nomes e títulos isolados; 
• O aproveitamento industrial ou 
comercial das idéias contidas nas obras. 
O que não é objeto de proteção da LDA 
(art. 8º, LDA) 
6 
O que é “domínio público”? 
11 
+ 
Regra geral no Brasil (art. 41, LDA): 
• 70 anos após morte do autor. 
Obras com proteção 
expirada 
Obras/Elementos não 
protegíveis 
(idéias, esquemas, conceitos, etc.) 
Extensão da proteção aos títulos das obras 
(art. 10, LDA) 
• “A proteção à obra intelectual abrange o seu título, se original e 
inconfundível com o de obra do mesmo gênero, divulgada anteriormente 
por outro autor.” 
• Título de publicações periódicas: 
– Protegido até um ano após a saída do seu último número. 
– Se a publicação for anual, o prazo é de dois anos. 
12 
7 
Registro de marca: exclusividade comercial 
sobre o título 
13 
Registro nº 750.176.067, para a marca mista “VEJA”. 
• Classe nacional 11.10 (Jornais, revistas e publicações 
periódicas em geral). 
• Titular: EDITORA ABRIL S.A. 
• Concedido em: 01/11/1983. 
Registro nº 800.049.012, para a marca mista “BATMAN”. 
• Classe internacional 09; especificação: "Filmes 
cinematográficos apresentando comédias, dramas, ações, 
aventuras e/ou animações e filmes cinematográficos para 
transmissão em televisão apresentando comédias, dramas, 
ações, aventuras e/ou animações; óculos, óculos de sol e 
estojos para estes". 
• Titular: DC COMICS 
• Concedido em: 14/12/1982. 
14 
O que precisa para ser protegida? 
8 
Requisitos para a proteção: 
Originalidade 
• Ao contrário da Propriedade Industrial, não se exige um parâmetro 
considerável de novidade para que uma obra artística ou literária seja 
protegida por DAs. 
– Também não se avalia o mérito, a utilidade, a extensão ou o destino da obra. 
• Criação Independente: na maioria dos casos, merece proteção se a obra 
não for uma simples cópia de trabalho anterior. 
• Obras derivadas (traduções, adaptações, representações...) merecem proteção, 
mas sua concepção pode conflitar com direitos autorais sobre a obra 
original. 
 
15 
Requisitos para a proteção: 
Exteriorização 
• “São obras intelectuais protegidas as criações do espírito, expressas por 
qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, 
conhecido ou que se invente no futuro [...].” (art. 7º, LDA) 
• Exteriorização como requisito básico. 
– Apresentações