Administração da Manutenção
194 pág.

Administração da Manutenção


DisciplinaGestão3.846 materiais9.964 seguidores
Pré-visualização30 páginas
4a. Etapa Estabelecer diretrizes; 
5a. Etapa Elaborar um plano diretor para a implantação do T.P.M. 
6a. Etapa Partida do T.P.M. 
7a. Etapa Manutenção autônoma 
8a. Etapa Melhorias individuais nos equipamentos 
9a. Etapa Manutenção planejada 
10a. Etapa Treinamento técnico 
11a. Etapa Estrutura T.P.M. aplicado a construção de novas máquinas. 
12a. Etapa Aprimoramento 
 
1a. Fase – Preparação 
1a. Etapa – Decisão da alta direção em adotar o 
T.P.M. 
A decisão sobre a introdução do T.P.M. quando comunicada pela alta 
direção aos funcionários deverá certamente criar uma condição de 
comprometimento de todos. É uma forma simples porém decisiva para o 
sucesso do T.P.M. 
 
A divulgação através da mídia interna da empresa também irá colaborar 
muito nesta etapa. 
2a. Etapa – Treinamento inicial 
O treinamento inicial deve ser feito para todos os funcionários do 
maior ao menor cargo, para que todos tomem conhecimento de 
como funciona o T.P.M.. 
3a. Etapa – Implantação da organização do 
T.P.M. 
Criar o comitê diretivo, o comitê de implementação, os comitês 
de trabalho, os grupos autônomos, enfim criar uma estrutura 
para implantar o T.P.M. 
 128
4a. Etapa – Estabelecer diretrizes 
\u2022 Incorporar o T.P.M. dentro das diretrizes e planejamento a 
médio e longo prazos da empresa. 
\u2022 Determinar os índices a monitorar, avaliar os valores 
existentes dos índices e estabelecer metas. 
\u2022 Obter todos os recursos necessários e suficientes para 
atingir as metas. 
5a. Etapa – elaborar um plano diretor para a 
implantação do T.P.M. 
O plano diretor deve ter a seguinte composição: 
\u2022 O planejamento detalhado de todas as etapas de 
implementação do T.P.M.. Este planejamento vai até o nível 
de atividades e deve ser dividido em períodos; 
 
Da 1a. a 5a. etapa observamos um processo de amadurecimento 
de metodologia T.P.M., por isso elas estão na fase de 
preparação e existe um tempo para assimilação e compreensão 
do processo. 
2a. Fase – Introdução 
6a. Etapa – Partida do T.P.M. 
Existe um dia em que oficialmente se inicia o T.P.M. 
Sim, o T.P.M. já começou. 
 
 
129
Só que neste dia ele sai do escritório e vai para o chão de 
fábrica. 
3a. Fase – Implementação 
7a. Etapa – Manutenção autônoma 
Esta etapa promove a disseminação do conceito: 
\u201cDa minha máquina cuido eu\u201d 
 
O controle autônomo do seu equipamento envolve senso de 
responsabilidade aliado ao incremento de capacitação através 
dos treinamentos. 
 
A manutenção autônoma é composta de 8 passos: 
1o passo \u2013 Limpeza inicial; 
2o passo \u2013 Descobrir as fontes de sujeiras e inconveniências e 
elimina-las; 
3o passo \u2013 Melhorar os locais de difícil acesso; 
4o passo \u2013 Inspeção geral (Check-list e procedimentos 
provisórios); 
5o passo \u2013 Habilidades para inspeção geral; 
6o passo \u2013 Inspeção autônoma (Check-list definitivo e 
visualização); 
7o passo \u2013 Organização e ordem no local de trabalho; 
8o passo \u2013 Administração autônoma. 
8a. Etapa – Melhorias individuais nos 
equipamentos 
O incremento do rendimento operacional do equipamento é a 
grande ênfase das melhorias. Estas consistem basicamente na 
eliminação das 7 perdas: 
\u2022 Perdas por falhas nos equipamentos; 
\u2022 Perdas por set up e regulagens; 
\u2022 Perda por paradas temporárias (chokotei); 
\u2022 Perda por queda de velocidade; 
\u2022 Perda por defeito e retrabalho; 
\u2022 Perda por entrada em regime; 
\u2022 Perda por troca de ferramenta de corte; 
 130
9a. Etapa – Manutenção planejada 
A análise para se determinar uma nova estrutura para o 
departamento de manutenção em consonância com a 
metodologia T.P.M. é o primeiro ponto a ser observado. 
 
A ênfase é se estabelecer uma sistemática de manutenção 
baseada em planejamento, programação e controle de serviços, 
estabelecendo a era da \u201cManutenção Planejada\u201d. 
10a. Etapa – Treinamento técnico 
\u2022 Todos deverão receber treinamento técnico, 
aperfeiçoamento e reciclagem do T.P.M.; 
\u2022 Treinamento em técnicas de manutenção e técnicas de 
produção para operadores e pessoal de manutenção 
(parafuso e porcas, rolamentos transmissão, correia, 
lubrificação, hidráulica, pneumática, etc.); 
\u2022 One Point Lesson (Curso de 1 tema); 
\u2022 Treinamento em técnicas gerenciais. 
11a. Etapa – Estrutura T.P.M. aplicado a 
construção de novas máquinas 
Desenvolvimento de máquinas fáceis de fabricar e de 
equipamentos fáceis de operar. 
12a. Etapa – Aprimoramento 
Aplicação plena de T.P.M. e elevação dos respectivos níveis. 
Manutenção autônoma 
Conceito e definições 
A manutenção autônoma, constitui um dos 5 pilares do T.P.M. 
 
Esta etapa é de suma importância pois é o ponto de partida da 
implementação efetiva do T.P.M. 
 
131
Atua com o enfoque no homem de operação, mudando sua 
visão sobre o trabalho, capacitando-o e habilitando-o para uma 
administração autônoma. 
 
Isso significa que o homem de operação tem o domínio sobre os 
equipamentos, conseguindo assim tanto prever \u201csinais de 
defeitos\u201d e \u201csinais de falhas\u201d quanto tomar as providências 
necessárias para evitar que esses fatores embrionários se 
desenvolvam e se transformem em problemas graves. 
 
Isto se resume pela frase: 
\u201cDa minha máquina cuido eu\u201d 
 
Os problemas operacionais persistem porque existe: 
\u2022 Subestimação da quantidade de perdas relativas ao 
equipamento; 
\u2022 Falta de habilidades técnicas; 
\u2022 Falta de respostas rápidas as anormalidades; 
\u2022 Falta de conhecimento do problema; 
\u2022 Falta de habilidade de encontrar anormalidades; 
\u2022 O ambiente oculta as anormalidades. 
 
Para adquirir a condição de resolver tais problemas o homem de 
operação deve possuir as seguintes capacidades básicas: 
1. Capacidade de fazer a distinção entre normalidade e 
anormalidade; 
2. Capacidade de manter o controle das condições normais; 
3. Capacidade de tornar providências rápidas e conrretas contra 
as anormalidades. 
 
 132
O domínio sobre os equipamentos exige também algumas 
habilidades: 
\u2022 Detectar os defeitos nos equipamentos, que caso não forem 
observados levará o mesmo a uma paralisação indesejada; 
\u2022 Compreender os mecanismos e as funções dos 
equipamentos, além de localizar as causas possíveis em 
caso de ocorrência de problemas; 
\u2022 Compreender a correlação entre equipamento e qualidade, 
bem como prever as deficiências de qualidade nos produtos 
e as respectivas causas; 
\u2022 Efetuar pequenos reparos e prevenir a deterioração (aperto 
dos parafusos e porcas, limpeza, lubrificação, check-list (5 
sentidos), etc.); 
\u2022 Executar as melhorias individuais nos temas relacionados as 
funções do homem de operação, de forma tanto 
independente quanto em cooperação com outros 
departamentos. 
Desenvolvimento da manutenção autônoma 
Para alterar os equipamentos/instalações é necessário modificar 
o próprio equipamento e a maneira de pensar das pessoas. 
 
O conceito é que a limpeza e a inspeção permitem encontrar as 
deficiências que devem ser restauradas ou melhoradas; esta 
restauração ou melhoramento apresentam resultados que 
propiciam a satisfação do objetivo alcançado. 
 
Os 8 passos da manutenção autônoma ensinam o operador a 
manter o seu equipamento de maneira independente ou 
autônoma. 
 
Por este motivo, para promover a manutenção autônoma, 
destacamos os \u201c4 objetivos de qualidade da fábrica\u201d. 
1. Eliminar a deterioração acelerada; 
2. Eliminar as quebras; 
3. Eliminar os defeitos; 
4. Operar com lucratividade. 
 
133
Objetivos 1 – Eliminar a deterioração acelerada 
Passos 1, 2 e 3 da manutenção autônoma 
1o Passo – Limpeza inicial 
Pelo fato de descobrir \u201cinconveniências\u201d (vazamentos, trincas, 
estragos, rachaduras, afrouxamentos, etc.) o procedimento de 
limpeza constitui importante etapa na evolução sobre o controle 
do equipamento. Portanto denomina-se que: 
 
“Limpeza é inspeção”.