Cartilha de orientações do CRAS
72 pág.

Cartilha de orientações do CRAS


DisciplinaServiço Social25.114 materiais96.025 seguidores
Pré-visualização22 páginas
referenciadas
Até 2.500 famílias 
referenciadas
Superior
Nove ou mais profissionais:
\u2022 cinco ou mais de Nível Superior;
\u2022 quatro ou mais de Nível Médio. 
Devendo haver, pelo menos: dois 
Assistentes Sociais, um Psicólogo e 
um coordenador de nível superior 
estatutário.
Sete ou mais profissionais:
\u2022 quatro ou mais de Nível Superior;
\u2022 três ou mais de Nível Médio.
Devendo haver, pelo menos: um 
Assistente Social e um coordena-
dor de nível superior estatutário.
Cinco ou mais profissionais:
\u2022 três ou mais de Nível Superior; 
\u2022 dois ou mais de Nível Médio.
Devendo haver, pelo menos: um 
Assistente Social e um coordena-
dor de nível superior estatutário.
Suficiente
Oito ou mais profissionais:
\u2022 quatro ou mais de Nível Superior; 
\u2022 quatro ou mais de Nível Médio.
Devendo haver, pelo menos: 
dois Assistentes Sociais e um Psicó-
logo.
Seis ou mais profissionais:
\u2022 três ou mais de Nível Superio;
\u2022 três ou mais de Nível Médio.
Devendo haver, pelo menos: 
um Assistente Social.
Quatro ou mais profissionais:
\u2022 dois ou mais de Nível Superior; 
\u2022 dois ou mais de Nível Médio.
Devendo haver, pelo menos: 
um Assistente Social.
Regular
Seis ou mais profissionais:
\u2022 quatro ou mais de Nível Superior.
Cinco ou mais profissionais:
\u2022 três ou mais de Nível Superior.
Quatro ou mais profissionais:
\u2022 dois ou mais de Nível Superior.
Insuficiente
Menos de Seis profissionais 
ou menos de quatro profissionais 
com Nível Superior.
Menos de cinco profissionais ou 
menos de três profissionais com 
Nível Superior.
Menos de quatro profissionais 
ou menos de dois profissionais 
com Nível Superior.
Por fim, ressalta-se que esta publicação não resume todas as informações e parâmetros necessários 
ao desenho da principal unidade da proteção social básica do SUAS: o CRAS. Reconhece-se o avanço 
rumo à qualificação desse lócus, mas acredita-se que esse é realmente um trabalho contínuo. À me-
dida que se implementa, monitora e avalia o SUAS, novas normatizações serão necessárias, pois as 
políticas públicas necessitam de ininterrupto aperfeiçoamento para o cumprimento de seu objetivo 
maior: a concretização de direitos.
É a partir dessa premissa que se acredita que as Orientações Técnicas: Centro de Referência em Assis-
tência Social - CRAS é um instrumento fundamental para o aprimoramento continuado dos padrões 
de atendimento dos serviços socioassistenciais e, em consequência, da consolidação de uma rede 
de proteção de assistência social no país.
A publicação que abordará o Programa de Atenção Integral à Família \u2013 PAIF tratará de mais alguns 
parâmetros de implementação da política de assistência social, sobretudo no que se refere ao tra-
balho social com famílias.
CADERNO DO CRAS_30-9-2009.indd 66 5/10/2009 10:37:16
67
Referências Bibliográficas
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo. Saraiva, 2005.
_______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência 
Social (PNAS). Norma Operacional Básica (NOB/Suas). Brasília, 2005. 
_______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Norma Operacional Básica de 
Recursos Humanos do Sistema Único de Assistência Social (NOB-RH/Suas). Brasília, 2007. 
______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência 
Social (SNAS). Proteção Básica do Sistema Único de Assistência Social. Orientações para o acompa-
nhamento das famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família no âmbito do Suas. Brasília, 2006.
______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistên-
cia Social (SNAS). Proteção Básica do Sistema Único de Assistência Social. Orientações técnicas para 
o Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Brasília, 2006.
______. CapacitaSUAS Vol.3 (2008). Planos de Assistência Social: diretrizes para elaboração/Minis-
tério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Instituto de Estudos Especiais da Pontifícia 
Universidade Católica de São Paulo \u2013 1 ed \u2013 Brasília: MDS, 2008.
CASTRO. F. J. R. Características Espaciais Necessárias ao CRAS para Adequação às Prescrições Norma-
tivas no âmbito do SUAS e à Integração das Políticas do MDS. Brasília, 2007. MDS/UNESCO.
CASTRO. F. J. R. Proposta de Modelagem de Processo de Construção de CRAS. Brasília, 2007. MDS/
UNESCO.
CHIACHIO. N.B. Proposta de Manuais de Orientação para Estruturação de Sistemas Locais e Estadu-
ais de Assistência Social. Brasília, 2006. MDS/UNESCO.
MAGALHÃES. E.P. Elaboração de um Modelo de Análise da Gestão Local a partir de quatro dimen-
sões: descentralização, intersetorialidade, participação e informação com vistas das necessidades da 
articulação entre o PAIF e o PBF. Brasília, 2006. MDS/PNUD.
MAGALHÃES. E.P. Documento Técnico sobre Indicadores para Monitorar e Avaliar a Implantação dos 
CRAS e a Implementação do PAIF. Brasília, 2008. MDS/PNUD.
SANTOS. M. Metamorfose do Espaço Habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geogra-
fia. São Paulo. Hucitec, 1988.
Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas (CREPOP). Referência técnica para atu-
ação do(a) psicólogo(a) no CRAS/SUAS / Conselho Federal de Psicologia (CFP). - Brasília, CFP, 2007.
CADERNO DO CRAS_30-9-2009.indd 67 5/10/2009 10:37:16
CADERNO DO CRAS_30-9-2009.indd 68 5/10/2009 10:37:17
Luiz Inácio Lula da Silva - Presidente da República Federativa do Brasil
José Alencar Gomes da Silva - Vice-Presidente da República Federativa do Brasil
Patrus Ananias de Sousa - Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Arlete Avelar Sampaio - Secretária Executiva
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Sistema Único de Assistência Social
Proteção Social Básica
Brasília - 2009
www.mds.gov.br/suas/protecaosocialbasica
protecaosocialbasica@mds.gov.br
0800- 7072003
Orientações Técnicas
Centro de Referência de
Assistência Social - CRAS