A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Renal - Resumo

Pré-visualização | Página 2 de 5

da AA e, portanto, da TFG -> quando a TFG está alta, muito Na está sendo filtrado e o fluxo de sangue através dos túbulos está alto (o alto fluxo dificulta um pouco a reabsorção do Na). Dessa forma, há muito Na no fluido intratubular, e quando este passa pelo túbulo distal, a mácula densa (células modificadas do túbulo distal) que é sensível a Na percebe esse excesso. As células da mácula densa irão, então, secretar substâncias vasoconstrictoras na arteríola aferente e isso reduzirá o fluxo sanguíneo, reduzindo a pressão hidrostática no capilar e a TFG -> Exemplo de substância vasoconstrictora = adenosina e vasodilatadora = NO -> Ocorre o contrário caso a TFG esteja baixa; Aspectos ligados à autorregulação -> Está ausente quando a pressão arterial cai abaixo de 90 mmHg / Não é perfeita; o FSR e TFG se alteram, ligeiramente, nas variações da pressão arterial / Apesar da autorregulação, o FSR e TFG podem ser alterados por certos hormônios e por variações da atividade nervosa simpática
*Fatores e Hormônios que afetam a TFG e o FSR: Vasoconstrictores -> Nervos simpáticos, angiotensina II, endotelina; Vasodilatadores -> Prostaglandinas, óxido nítrico, bradicinina, ANP
 
Formação da Urina pelos rins
Introdução: Após o filtrado glomerular entrar no túbulo renais, ele flui através das porções sucessivas dos túbulos (túbulo proximal, alça de Henle, túbulo distal e ducto coletor) antes de ser excretada como urina; Processamento tubular no néfron = reabsorção (do túbulo para o sangue) e excreção (no sangue no túbulo); quando a filtração é maior de a excreção = Reabsorção efetiva; quando a filtração é menor do que a excreção = Secreção efetiva; Excreção = filtração – reabsorção + secreção; Osmolaridade = soluto em 1L de solvente; Osmolalidade = soluto em 1kg de solvente
Mecanismos de transporte de solutos e água: Passivo (a favor do gradiente) = Difusão simples, difusão facilitada (canais, uniporte, transporte acoplado [antiporter e simportar]), arraste do solvente; Ativo (contra o gradiente / gasto de energia) = Transporte ativo primário, transporte ativo secundário (transporte acoplado [antiporter e simporter]), endocitose
Reabsorção e secreção de solutos e água ao longo do néfron: 
- Túbulo proximal: Reabsorção de aproximadamente 65% da carga de sódio, água, bicarbonato, potássio e cloreto e praticamente toda a glicose e os aminoácidos filtrados; Células com metabolismo elevado, grande número de mitocôndrias, borda em escova no lado luminal e um labirinto de canais intercelulares e basais (os dois últimos aumentam muito a superfície de absorção); A superfície celular possui inúmeras proteínas que transportam sódio pela membrana; Um parte do sódio reabsorvido entra na células juntamente com outras substâncias em um cotransporte; Outra parte do sódio entra na célula ao mesmo tempo em que esta secreta outras substâncias (como H) em um contratransporte; Bomba de Na/K ATPase = principal força de reabsorção de sódio, cloreto e água; primeira metade do túbulo proximal = Na reabsorvido com glicose, aa’s e outros solutos em co-transporte; segunda metade = menos glicose e aa’s / Na reabsorvido com Cl / possui concentração elevada de Cl (porque nas porção anteriores o Na passou com outras substâncias e deixou o Cl se concentrar) -> favorecimento da difusão de Cl através das junções intercelulares do lúmen do túbulo para o líquido intersticial renal; A concentração de Na diminui ao longo da túbulo proximal (reabsorção), mas a osmolaridade permanece constante porque a água acompanha o Na (túbulo muito permeável a água); a concentração dos solutos orgânicos (aa’s, glicose, bicarbonato) reduz bastante; a concentração de creatinina aumenta no túbulo; a força propulsora para a reabsorção de água é o gradiente osmótico transtubular, estabelecido pela reabsorção de soluto
- Alça de Henle: segmento descendente fino = 15% da água filtrada / transporte passivo / produção de fluido hiperosmótico / altamente permeável a água e à maioria dos solutos (ureia, sódio) ; segmentos ascendentes fino e espesso = reabsorve 25% do Na filtrado (mecanismo passivo) / são impermeável a água (permitem a diluição da urina); segmento ascendente espesso = difusão paracelular de Na, Mg, Ca, K (devido a carga relativamente positivo do lúmen em comparação com o interstício) / a bomba de Na/K mantém a [Na] pequena dentro na célula para que este íons passe passivamente para a célula / células com grande atividade metabólica -> solutos passam ativamente (Na, Cl e K); os ramos finos possuem membranas epiteliais finas sem bordas em escova, pouca mitocôndrias e baixa atividade metabólica; na alça ascendente espessa, a movimentação de sódio através da membrana luminal é mediada essencialmente por um co-transportador de 1-sódio, 2-cloreto, 1-potássio (utiliza a força de difusão passiva de Na para transportar K contra o gradiente); Ramo ascendente espesso = contratransporte de Na (entra) e H (sai / secreção); 
- Túbulo Distal: A primeira porção do túbulo distal forma parte com complexo justaglomerular (mácula densa -> feedback tubuloglomerular -> controle da TFG); reabsorve avidamente a maioria dos íons (incluindo Na, K, Cl); praticamente impermeável a água e ureia; chamado de segmento de diluição; reabsorção de 5% do cloreto de sódio filtrado; o co-transportar de cloreto de sódio o move do lúmen para a célula e a bomba Na/K retira Na para o interstício; O Cl sai de célula para o interstício por canais de Cl na membrana basolateral; túbulo distal final = possui células principais (reabsorvem Na e água do lúmen e secretam potássio para dentro do lúmen) e células intercaladas (reabsorvem K e secretam H); a reabsorção de Na e secreção de K é feita pela bomba de Na/K (mantém baixa a [Na] intercelular facilitando a difusão do lúmen pra célula) -> o K dentro na célula se difunde passivamente para o lúmen tubular; a permeabilidade desse segmento a água é controlada pelo ADH
- Ducto coletor: local final de processamento da urina; células cuboides com superfície lisa e poucas mitocôndrias; permeabilidade a água controlada por ADH (se há ADH absorve, se não, não absorve); permeável a ureia; secreta H contra o gradiente; células principais e intercaladas
Resumo do transporte de NaCl ao longo do néfron: Túbulo proximal -> 65% -> antiporte Na/H, simporte Na/solutos orgânicos e aa’s, antiporte 1Na/1H/2K paracelular; Alça de Henle -> 25% -> simporte 1Na/1K/2Cl; Túbulo distal -> 5% -> simporte NaCl (inicial), canais de Na (final); Ducto coletor -> 3% -> canais de Na
Resumo do transporte de água pelo néfron: Túbulo proximal -> 67% -> passivo; Alça de Henle -> 15% -> só ramo descendente fino -> passivo; Túbulo distal -> 0% -> água não é reabsorvida; Ducto coletor -> 8% - 17% -> passivo
Hormônios que regulam a reabsorção de água e NaCl no néfron: angiotensina II, aldosterona, dopamina, ADH ... 
 
Controle do volume de líquidos corporais e osmolalidade
Compartimentos hídricos: água corporal total = 60% -> LIC = 40% e LEC = 20% (¾ -> líquido intersticial / ¼ -> Plasma); Normalmente a osmolaridade do LIC e do LEC é a mesma; Fatores osmóticos regem as trocas de líquidos entre os compartimentos; Equilíbrio osmolar entre os compartimentos é gerado pelos potenciais elétricos e osmóticos gerados pela diferença na composição entre o LIC e o LEC; Osmolaridade plasmática (Posm): 287 mOsm/L de H2O
Balanço normal de água: vias de ganho = ingestão de água, fluido, no alimento, produzido metabolicamente do alimento; vias de perda = excreção de água, insensível, suor, fezes, urina; teoricamente a quantidade ganhada é a perdida
Introdução: Osmolaridade e o volume dos fluidos corporais são mantidos dentro de limites estreitos através da regulação da excreção de água e sódio -> rim; Osmolaridade é o nº de partículas de soluto em 1L de água (mOsm/L)
Regulação da osmolaridade dos fluidos corporais: Quando há excesso de água no corpo e a osmolaridade do líquido corporal fica reduzida, o rim pode excretar uma urina com osmolaridade muito baixa, de até