Ortopedia do cotovelo
14 pág.

Ortopedia do cotovelo


DisciplinaFisioterapia Ortopédica288 materiais1.807 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Cotovelo
Articulação do Cotovelo
A união entre o úmero e os ossos do antebraço constitui a articulação do cotovelo. É uma articulação sinovial do tipo gínglimo (dobradiça) e mista, uma vez que existem mais de dois ossos se articulando simultaneamente. É, portanto, dividida em três. Uma articulação entre a tróclea do úmero e incisura troclear da ulna (articulação umeroulnar), uma articulação entre o capítulo do úmero e a fóvea articular da cabeça do rádio (articulação radioumeral) e uma articulação entre a circunferência articular da cabeça do rádio e incisura radial da ulna (articulação radioulnar proximal). Todas essas articulações estão conectadas por uma cápsula articular bastante ampla e que se torna mais espessa nas laterais onde ganha características ligamentares que recebem o nome de ligamento colateral ulnar e ligamento colateral radial.
 
Radioumeral
É a articulação da fóvea da cabeça do radio com o capítulo do úmero. Permite os movimentos de rotação, flexão e extensão. É considerada uma articulação esferóide limitada.
Umeroulnar Faz-se entre a troclea do úmero e a incisura troclear da ulna e pela disposição anatômica das estruturas envolvidas, que se encaixam como uma dobradiça, é considera um gínglimo. Essa articulação serve exclusivamente para realizar os movimentos de flexão e extensão do antebraço sobre o braço.
 
Radioulnar Proximal
É a articulação entre a circunferência articular da cabeça do rádio com incisura radial da ulna. É uma sinovial tropóide, trocóide ou pivô. Ligamento anular: são feixes de tecido fibroso que envolvem a cabeça do rádio unindo-o a incisura radial da ulna como se fosse um anel, permitindo somente o movimento de rotação entre o rádio e a ulna. Os ligamentos do cotovelo são:
Ligamento colateral ulnar: é um feixe triangular que se origina do epicôndilo medial do úmero e caminha em direção ao olécrano.
Ligamento colateral radial: é menor e se origina do epicôndilo lateral do úmero se inserindo no ligamento anular do rádio.
Ligamento anular do rádio: É um forte feixe de fibras que envolve a cabeça do rádio, mantendo-a em contato com a incisura radial da ulna. Desta forma estabilizando a articulação e permitindo o movimento de deslizar do rádio em ralação a ulna. Movimento fundamental no processo de supinação e pronação da mão.
 Radioulnar Distal
È uma articulação sinovial trocóide que ocorre entre a cabeça da ulna e incisura ulnar do rádio. Permite somente o movimento de rotação. Os ligamentos são: Ligamento radioulnar ventral Ligamento radioulnar dorsal Ambos ligamentos são espessamentos da cápsula articular que se dirigem do rádio em direção a ulna transversal aos dois ossos.
Amplitude articular do cotovelo 
Flexão do cotovelo 
 Diminuição do ângulo entre o antebraço e o braço, com a aproximação da superfície anterior dos mesmos, partindo da posição anatômica. Os principais músculos envolvidos são o bíceps braquial, o braquiorradial e o braquial. O movimento teste ocorre no plano sagital. Ao realizar este teste, evitar a flexão do ombro e observar a posição do antebraço, se não estiver na posição anatômica. Amplitude articular: 0 - 145°. 
Extensão do cotovelo 
 Movimento que reduz uma flexão prévia. Trata-se, portanto, de uma extensão relativa, sendo sua amplitude igual à da flexão. O principal músculo responsável pela extensão do cotovelo é o tríceps. O movimento teste ocorre no plano sagital. Ao realizar este teste, evitar a flexão do ombro e observar a posição do antebraço, se não estiver na posição anatômica. Amplitude articular: 145°- 0/-5°. 
Supinação do cotovelo 
 Movimento de rotação lateral do punho em relação ao cotovelo. O teste ocorre no plano transverso. Deve-se manter o cotovelo próximo da parte lateral do tronco; evitar a flexão lateral do tronco para o mesmo lado da mensuração; evitar a adução e a rotação lateral da articulação do ombro. Amplitude articular: 0°- 90°. 
Pronação do cotovelo 
 Movimento de rotação medial do punho em relação ao cotovelo. Os músculos envolvidos são os pronadores, redondo e quadrado. Ao realizar este teste, manter o cotovelo próximo da parte lateral do tronco; evitar a abdução e a rotação do ombro e a flexão lateral do tronco para o lado oposto. Amplitude articular: 0° - 90°. 
Músculos do Cotovelo
Músculos Flexores
Bíceps
 Se origina em dois pontos diferentes: no tubérculo supra-glenoideo e no processo Coracóide e se insere na tuberosidade do rádio e, é inervado pelo nervo músculo-cutâneo.
Além de importante na flexão, quando o antebraço está pronado, é importante na supinação do antebraço
Braquial
 Se origina na metade distal da face anterior do úmero e se insere no processo coronóide, sendo inervado pelo nervo músculo-cutâneo.
É o principal flexor do cotovelo.
Braquioradial
 Se origina na coluna lateral do úmero e se insere no processo estilóide do rádio e, é inervado pelo nervo radial. Além da flexão, auxilia nos movimentos de pronação e supinação.
Músculos Extensores
Tríceps
 Duas das três cabeças se originam na porção posterior do úmero e a cabeça longa se origina no tubérculo infra-glenoideo. As três cabeças se unem formando um tendão único e esse músculo se insere no olecrano. O tríceps é inervado pelo nervo radial e é o principal extensor do cotovelo.
Anconeu
 Se origina no epicôndilo lateral do úmero e cápsula posterior do cotovelo e se insere na face lateral do olecrano e parede postero-lateral da ulna. O anconeu é inervado pelo nervo radial e auxilia o tríceps na extensão do cotovelo.
Músculos extensores do punho e Supinadores
Extensor radial longo do carpo
Músculos extensores e supinadores
 Se origina na coluna lateral do úmero, logo abaixo do braquioradial e se insere no dorso da base do 2o metacarpo. Esse músculo é inervado pelo nervo radial e, além de ser um flexor secundário do cotovelo, faz a extensão do punho com desvio radial.
Extensor radial curto do carpo
 Se origina no epicôndilo lateral e se insere no dorso da base do 3o metacarpo. É inervado pelo nervo interósseo posterior e, é um extensor do punho.
Extensor Comum dos dedos
 Se origina no epicôndilo lateral e se insere nas bases das falanges médias dos 2o ao 5o dedos e retinácula do extensores. É inervado pelo nervo interósseo posterior e atua na extensão das articulações metacarpo-falangeanas e interfalangeanas proximais.
Extensor Ulnar do Carpo
 Se Origina da borda lateral do úmero e posterior da ulna, além de origem comum com os extensores do antebraço e se insere no dorso da base do 5o metacarpo. Além da extensão do punho age no desvio ulnar do punho e, é inervado pelo nervo interósseo posterior.
Supinador
 Se Origina no epicôndilo lateral, no ligamento colateral lateral e na crista do supinador e se insere na face Antero-lateral do terço proximal do rádio. Esse músculo é inervado pelo nervo interósseo posterior e faz a supinação do antebraço.
Músculos Flexo-Pronadores
Pronador redondo
Músculos flexo-pronadores
 Se Origina de dois pontos: epicôndilo medial e processo coronóide e, insere na face lateral do rádio. Embora seja um fraco flexor do cotovelo é o principal pronador do antebraço e, é inervado pelo nervo mediano.
Flexor radial do Carpo
 Se origina no epicôndilo medial e se insere na face volar da base do 2o e 3o metacarpos. É inervado pelo nervo mediano e sua principal função é fletir o punho e desvio radial.
Flexor ulnar do Carpo
 Se origina no epicôndilo medial e face medial da ulna e se insere no pisiforme e hamato no carpo. É inervado pelo nervo ulnar e é um importante flexor do punho e age também no desvio ulnar do punho.
Teste do pivô (Pivot shift do cotovelo) 
Posição do paciente: decúbito dorsal, com flexão do cotovelo a 70º e punho supinado.
Descrição do teste: colocando o antebraço em supinação, o examinador com uma das mãos segurando firmemente o braço do paciente para evitar uma rotação externa e, a outra mão segurando o punho do paciente. O terapeuta realiza uma extensão e estresse em