06 Materiais de Aviacao ANAC
112 pág.

06 Materiais de Aviacao ANAC


DisciplinaCiências4.421 materiais272.373 seguidores
Pré-visualização50 páginas
como bor-
racha "Polysulfeto", tem uma grande resistência 
a deterioração; mas, ocupa um dos últimos luga-
res com relação a propriedades físicas. 
Em geral, não é seriamente afetada pelo 
petróleo, hidrocarbonetos, álcool, gasolina ou 
água. As borrachas tipo Thiokol têm uma baixa 
classificação nas propriedades físicas, como 
compressão, resistência à tensão, elasticidade e 
resistência à abrasão. Ela é usada em tubulações 
de óleo, revestimento de tanques para gasolina 
aromática de aviação, gaxetas e selos. 
 "Borrachas de Silicone" é um grupo de 
material plástico feito de Silicone, oxigênio, 
hidrogênio e carbono. 
Elas têm excelente estabilidade no calor 
e mantêm a flexibilidade em temperaturas muito 
baixas. Elas são adequadas para gaxetas, selos e 
outras aplicações em elevadas temperaturas, 
acima de 280ºC (600ºF), são alcançadas. 
As borrachas de Silicone são também re-
sistentes à temperaturas abaixo de -60ºC (-
150ºF). 
Em toda essa faixa de temperatura, a 
borracha de Silicone permanece extremamente 
flexível e usável sem endurecimento nem dete-
rioração. Ainda que esse material tenha boa re-
sistência aos óleos, ele reage desfavora-
velmente, tanto com a gasolina aromática, como 
com a não aromática. 
 Silastic, um dos mais conhecidos Silico-
nes, é usado para isolar equipamentos elétricos e 
eletrônicos. Em virtude das suas propriedades 
dielétricas, acima de uma extensa gama de tem-
peraturas, ele permanece flexível e livre de fis-
suras e rachaduras. Silastic é também usado 
para gaxetas e selos em alguns sistemas de óleo. 
 
AMORTECEDORES DE ELÁSTICO 
 
 São amortecedores feitos de borracha 
natural, em fios trançados, encaixados em uma 
capa de algodão tratado para resistir a oxidação 
e ao desgaste. 
 Grande tensão e alongamento são obti-
dos pelo trançado da camisa sobre o feixe de 
fios de borracha, no momento em que eles são 
esticados, aproximadamente, três vezes do seu 
comprimento original. 
 Existem dois tipos de elásticos 
para amortecedores: o tipo I, um elástico reto, e 
o tipo II, um anel contínuo conhecido como 
"Bungee". As vantagens do tipo II são: a facili-
dade e a rapidez da substituição e não ter que 
ser fixado durante a ação de amortecimento. Os 
elásticos para amortecedores são fornecidos em 
diâmetros padronizados de 1/4" a 13/16". 
 Três fios coloridos são trançados por 
dentro e por fora em toda a extensão do elástico. 
 Dois desses fios são da mesma cor e 
indicam o ano de fabricação; o terceiro fio, de 
cor diferente, indica o período do ano em que o 
elástico foi feito. 
O código cobre um período de cinco anos e, 
então, é repetido. 
 A Figura 6-55 apresenta o ano e o quarto 
de ano com suas respectivas cores. 
 
CÓDIGO DO ANO CÓDIGO DO MÊS 
ANO FIOS CORES MESES FIOS CORES 
1988-
1993 2 Azul 
Jan-Fev-
Mar 1 
verme-
lho 
1989-
1994 2 Amarelo 
Abr-Mai-
Jun 1 azul 
1990-
1995 2 Preto 
Jul-Ago-
Set 1 verde 
1991-
1996 2 Verde 
Out-Nov-
Dez 1 amarelo
1992-
1997 2 vermelho --- --- --- 
 
Figura 6-55 Código de cores dos elásticos para 
amortecedores. 
6-48 
 
 
VEDADORES 
 
 Vedadores (Seals) são usados para evitar 
a passagem de líquidos em determinados pon-
tos, como também, manter o ar e a poeira fora 
do sistema em que são usados. O crescente au-
mento do uso de mecanismos hidráulicos e 
pneumáticos, em sistemas de aeronaves, tem 
criado uma necessidade de gaxetas e juntas de 
vedação, de várias características e formatos, 
para satisfazer as muitas variações de operações, 
velocidades e temperaturas, para as quais eles 
estão sujeitos. Não existe um tipo ou um estilo 
de vedador que satisfaça a todas as instalações; 
e, as razões são as seguintes: 
1 - Pressão na qual o sistema opera; 
2 - O tipo de fluido usado no sistema; 
3 - O acabamento do metal e a folga en-
tre ele e as partes adjacentes; e 
4 - O tipo do movimento (rotação ou al-
ternado), se houver. 
 Os vedadores estão divididos em três 
classes principais: 1 - Gaxetas; 2 - Juntas de 
vedação; e 3 - Limpadores. 
 
Gaxetas (packings) 
 
 São feitas de borracha sintética ou natu-
ral e são usadas, geralmente, como "vedadores 
dinâmicos"; isto é, em unidades que contenham 
partes móveis, como cilindros de atuação, bom-
bas, válvulas seletoras etc. As gaxetas são feitas 
no formato de anéis com a seção em "O" (O-
rings), em "V" (V-rings) e em "U" (U-rings), 
sendo cada um designado para uma específica 
finalidade (ver Figura 6-56). 
 
Figura 6-56 Anéis de vedação. 
Gaxetas de seção circular (O-Rings.) 
 
 Também chamados de anéis de vedação, 
são usados para evitar, tanto os vazamentos in-
ternos, como os externos. Esse tipo de gaxeta 
veda, efetivamente, em ambas as direções, e é o 
tipo usado com mais freqüência. Em instalações 
sujeitas a pressões acima de 1.500 p.s.i., anéis 
auxiliares são usados com os de seção circular, 
para evitar deformações. 
 Quando um anel de vedação de 
seção circular estiver sujeito a pressão, em am-
bos os lados, como em um cilindro de atuação, 
dois anéis auxiliares (backup rings) devem ser 
usados (um de cada lado do anel de vedação). 
Quando a pressão for exercida apenas 
em um dos lados, usa-se simplesmente um anel 
auxiliar. Neste caso, o anel auxiliar deve ser 
colocado sempre na parte do anel de vedação 
que sofre a pressão. 
 Os materiais usados para a fabricação 
dos anéis de vedação devem ser compostos para 
as diversas condições de operação, temperaturas 
e tipos de fluidos. Uma gaxeta designada espe-
cificamente como um selo estacionário (estáti-
co), provavelmente, não desempenhará bem a 
sua função se for instalada em uma parte móvel 
como a de um pistão hidráulico. 
Muitos anéis de vedação são semelhan-
tes na aparência e na consistência; mas suas 
características podem ser muito diferentes. Um 
anel de vedação será inútil se não for compatí-
vel com o fluido do sistema e a temperatura de 
operação. 
 Os avanços nos modelos de aeronaves 
tornam necessárias novas composições, na fa-
bricação de anéis de vedação, para acompanhar 
as mudanças das condições de operação. 
 Os anéis de vedação para sistemas hi-
dráulicos eram originalmente controlados sob 
números de especificação; AN (6227, 6230 e 
6290) para uso com o fluido MIL-H-5606, em 
temperaturas que variam de -17ºC (-65ºF) a 
+64ºC (+160ºF). 
Quando os novos modelos elevaram a 
temperatura de operação para +120ºC (275ºF) 
mais compostos foram desenvolvidos e aperfei-
çoados. 
 Recentemente um composto foi desen-
volvido oferecendo melhorias no desempenho, 
em baixas temperaturas, sem sacrificar o desem-
penho em altas temperaturas, considerando as 
outras séries obsoletas. 
6-49 
 
 
Esse material superior foi adotado na sé-
rie MS 28775. Esta série é agora o padrão para 
os sistemas que utilizam o MIL-H-5606, onde a 
temperatura pode variar de -17ºC (-65ºF) a 
+120ºC (275ºF). 
 Os fabricantes adotam códigos de cores 
em alguns anéis de vedação, embora não seja 
um confiável ou completo meio de identifica-
ção. 
 O sistema de código de cores não identi-
fica os tamanhos, mas somente o fluido ou o 
vapor compatível e, em alguns casos, o fabri-
cante. 
 O código de cores dos anéis de vedação 
que são compatíveis com o óleo MIL-H-5606 
sempre terão a cor azul, mas poderão também 
conter a cor vermelha ou outras cores. 
 Gaxetas e juntas de vedação são adequa-
das para uso com o óleo Skydrol. 
Elas sempre serão codificadas com um 
traço verde, mas poderá também ter um ponto 
azul, cinza, vermelho, verde ou amarelo como 
parte do código de cores. 
 O código dos anéis que são compatíveis 
com fluidos hidrocarbonetos sempre conterá o 
vermelho e nunca o azul. Um risco colorido em 
torno da circunferência indica que o anel de 
vedação é uma gaxeta com função de junta