Contabilidade Geral   José Jayme Moraes Junior (2013)
749 pág.

Contabilidade Geral José Jayme Moraes Junior (2013)


DisciplinaConcursos125.788 materiais244.413 seguidores
Pré-visualização50 páginas
respeito às provisões derivadas de apropriação pelo
regime de competência, que já são consideradas obrigações, ou seja, não existe grau de
incerteza relevante.
São exemplos desse \u201ctipo de provisão\u201d as \u201cprovisões\u201d do passivo, como a \u201cProvisão para
Décimo-Terceiro\u201d e \u201cProvisão para o Imposto de Renda\u201d, que, na verdade, são \u201cDécimo-
Terceiro a Pagar\u201d e \u201cImposto de Renda a Pagar\u201d, respectivamente.
As provisões são sempre contas de natureza CREDORA.
Já caiu em prova!
(Técnico de Contabilidade Junior-Transpetro-2011-Cesgranrio) Uma empresa produz componentes para
televisores LCD. Para conquistar o mercado, ela oferece aos seus clientes uma garantia de um ano para o
funcionamento dos componentes que vende. Devido a esse procedimento, ela deve registrar o valor provável a ser
gasto com essa garantia na conta:
a) Reserva para contingências.
b) Reserva para garantia.
c) Reserva para eventos subsequentes.
d) Provisão para contingências.
e) Provisão para garantias.
Portanto, se a empresa produz componentes para televisores LCD e oferece aos seus
clientes uma garantia de um ano para o funcionamento dos componentes que vende, ela
deve registrar o valor provável a ser gasto com essa garantia na conta provisão para
garantias, que será classificada no passivo circulante. A alternativa \u201ce\u201d é a correta.
4.1.2. Provisões do Ativo
As provisões do ativo figuram, no Balanço Patrimonial, como contas redutoras do Ativo e
são constituídas debitando-se uma conta de \u201cDespesa\u201d e creditando-se uma conta
patrimonial representante da respectiva provisão.
Caso a perda seja consumada, deve-se debitar a conta da respectiva provisão e creditar a
conta com base na qual ela foi constituída. Entretanto, se a perda não for consumada, o
saldo da provisão será revertido para uma conta de \u201cReceita\u201d (a reversão da provisão poderá
ser parcial ou total).
Constituição da Provisão:
Despesas com Provisão (Despesa)
a Provisão (Ativo \u2013 Retificadora)
Perda Consumada:
Provisão (Ativo \u2013 Retificadora)
a Conta com base na qual ela foi constituída (Ativo)
Reversão da Provisão:
Provisão (Ativo \u2013 Retificadora)
a Reversão da Provisão (Receita)
As provisões do Ativo mais utilizadas são:
\u2013 Provisão p/ Ajuste ao Valor de Mercado;
\u2013 Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa;
\u2013 Provisão p/ Perdas Prováveis na Realização de Investimentos.
4.1.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado
4.1.2.1.1. Instrumentos financeiros, Direitos, Títulos de Crédito e Estoques
Instrumento financeiro é qualquer contrato que origine um ativo financeiro para uma
entidade ou um passivo financeiro ou título patrimonial para outra entidade.
4.1.2.1.1.1. Instrumentos Financeiros Disponíveis para Venda ou Mantidos para
Negociação
Nesse caso, não será constituída uma provisão para ajuste ao valor de mercado, pois
haverá um ajuste diretamente em conta do patrimônio líquido ou em conta de resultado.
Vejamos!
De acordo com o inciso I do art. 183 da Lei no 6.404/1976, as aplicações em instrumentos
financeiros, inclusive derivativos, e em direitos e títulos de créditos, classificados no ativo
circulante ou no realizável a longo prazo, serão avaliadas:
a) pelo seu valor justo, quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou
disponíveis para venda; e
De acordo com a Resolução no 1.199/2009, do Conselho Federal de Contabilidade, que
aprovou o IT 02 \u2013 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação:
Valor justo é o montante pelo qual um ativo poderia ser trocado, ou um passivo
liquidado, entre partes independentes com conhecimento do negócio e interesse em
realizá-lo, em uma transação em que não há favorecidos.
Ainda de acordo com a Resolução no 1.199/2009:
\u2013 O ganho ou a perda relativo a ativo financeiro disponível para venda deve ser
reconhecido em conta específica no patrimônio líquido (ajustes de avaliação
patrimonial) até o ativo ser baixado, exceto no caso de ganhos e perdas decorrentes de
variação cambial e de perdas decorrentes de redução ao valor recuperável (impairment).
\u2013 O ganho ou a perda relativo a ativo financeiro mantido para negociação (negociação
imediata) deve ser reconhecido em conta de resultado.
\u2013 No momento da baixa, o ganho ou a perda acumulado na conta específica do patrimônio
líquido deve ser transferido para o resultado do período como ajuste de reclassificação.
\u2013 Os dividendos de título patrimonial registrado como disponível para venda devem ser
reconhecidos no resultado no momento em que é estabelecido o direito da entidade de
recebê-los.
Ou seja, resumindo, temos o seguinte:
\u2013 Instrumentos Financeiros Disponíveis para Venda: ajustes na conta Ajustes de Avaliação
Patrimonial (ganho ou perda).
\u2013 Instrumentos Financeiros Mantidos para Negociação: ajustes em contas de resultado
(receita ou despesa).
Exemplo: Em 11/07/20XX, a empresa J4M2 S.A. adquire 1.000 ações preferenciais da
Companhia Vale do Rio Doce (VALE5) na bolsa de valores pelo valor de R$ 43,00. Suponha
que o preço das referidas ações em 31/12/20XX é de R$ 42,00 e que a empresa J4M2 S.A.
vendeu as ações em 31/01/20XX+1 por R$ 44,00. Efetue os lançamentos necessários.
Repare que as ações da Vale do Rio Doce, para a empresa J4M2, são instrumentos
destinados a negociação ou disponíveis para venda. Vamos considerar que, no momento da
compra, as ações ficaram disponíveis para venda.
Em 11/07/20XX:
Investimentos Temporários \u2013 Ações VALE5 (Ativo Circulante)
a Bancos (Ativo Circulante) 43.000
(1000 ações x R$ 43,00 = R$ 43.000,00)
Em 31/12/20XX
Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL)
a Investimentos Temporários \u2013 Ações VALE5 (Ativo Circulante) 1.000 (*)
(R$ 42.000,00 \u2013 R$ 43.000,00)
(*) ATENÇÃO !!! Neste caso, após as alterações da Lei das S.A., se o valor de mercado das
ações em 31/12/20XX fosse maior que o valor de aquisição, haveria lançamento a fazer.
Suponha que o valor de mercado em 31/12/20XX fosse R$ 45,00.
Lançamento:
Investimentos Temporários \u2013 Ações VALE5 (Ativo Circulante)
a Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) 2.000
Resultado em 20XX = Receitas \u2013 Despesas = 0
Em 31/01/20XX+1
Bancos (Ativo Circulante)
a Receitas \u2013 Renda Variável (Receitas) 44.000
Despesa \u2013 Custo de Aplicação de Renda Variável (Despesa)
a Investimentos Temporários \u2013 Ações VALE5 (Ativo Circulante) 42.000
Despesa \u2013 Ajuste de Reclassificação (Despesa)
a Ajustes de Avaliação Patrimonial (PL) 1.000
Resultado em 20X1 = Rec. \u2013 Desp. = 44.000 \u2013 1.000 \u2013 42.000 = 1.000
(*) Caso a empresa recebesse dividendos de R$ 2.000,00 em relação a essas ações, o
lançamento seria:
I \u2013 Distribuição dos dividendos pela Vale do Rio Doce:
Dividendos a Receber (Ativo Circulante)
a Receita de Dividendos (Receita) 2.000
II \u2013 Pagamento dos dividendos pela Vale do Rio Doce:
Bancos (Ativo Circulante)
a Dividendos a Receber (Ativo Circulante) 2.000
Já caiu em prova!
(Analista de Controle Externo-Contador-TCE/GO-2009-FCC) Suponha a aquisição, em 30/11/X8, de um ativo
financeiro no valor de R$ 1.000,00, classificado na data de aquisição em \u2018disponível para venda\u2019. Este título
remunera à taxa de 2% ao mês e o valor de mercado desse título 30 dias após a sua aquisição é de R$ 1.015,00. De
acordo com estas informações, em 30/12/X8, a empresa registrará,
a) na Demonstração de Resultados, receita financeira de R$ 15,00.
b) no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação patrimonial de R$ 15,00.
c) na Demonstração de Resultados, receita financeira de R$ 20,00 e no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação
patrimonial de R$ 5,00 (saldo devedor).
d) na Demonstração de Resultados, receita financeira de R$ 15,00 e no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação
patrimonial