Contabilidade Geral   José Jayme Moraes Junior (2013)
749 pág.

Contabilidade Geral José Jayme Moraes Junior (2013)


DisciplinaConcursos125.910 materiais246.276 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ao Valor Recuperável (Teste de
Recuperabilidade)
12.4.3.5. Variação da Porcentagem de Participação
12.4.3.6. Exemplo de Aplicação do MEP
12.5. Ajustes Acumulados de Conversão
12.6. Ganhos ou Perdas de Capital
12.6.1. Alienação de Investimentos Avaliados pelo Método do Custo de
Aquisição
12.6.2. Alienação de Investimentos Avaliados pelo Método de Equivalência
Patrimonial
12.7. Importante para a Prova
Capítulo 13 \u2013 Análise das Demonstrações Contábeis
13.1. Introdução
13.2. Análise Vertical ou de Estrutura
13.3. Análise Horizontal ou de Evolução
13.4. Índice de Liquidez Corrente
13.5. Índice de Liquidez Imediata ou Instantânea
13.6. Índice de Liquidez Seca ou Liquidez Ácida
13.7. Índice de Liquidez Geral
13.8. Índice de Solvência ou Margem de Garantia
13.9. Capital Circulante Líquido ou Capital de Giro Líquido
13.10. Índice (ou Grau) de Endividamento
13.11. Imobilização do Patrimônio Líquido ou Capital Próprio
13.12. Imobilização de Capital de Longo Prazo ou de Recursos Não Correntes
13.13. Participação de Capitais de Terceiros
13.14. Garantia de Capital de Terceiros
13.15. Composição do Endividamento ou Composição das Exigibilidades ou
Composição da Dívida de Curto Prazo
13.16. Lucro Líquido por Ação do Capital Social
13.17. Valor Patrimonial da Ação
13.18. Prazo de Retorno Econômico da Ação ou Índice Preço/Lucro
13.19. Prazo de Retorno Financeiro da Ação
13.20. Indicadores de Dividendos
13.21. Prazo de Retorno (Payback Period ou Payback Simples)
13.22. Prazo de Retorno Descontado (Payback Descontado)
13.23. Rentabilidade do Ativo ou Retorno sobre o Ativo
13.24. Rentabilidade do Capital Próprio ou Retorno sobre o Patrimônio Líquido
13.25. Rentabilidade Financeira
13.26. Margem Bruta
13.27. Lucratividade sobre Vendas ou Margem Líquida
13.28. Margem Operacional
13.29. Giro do Ativo
13.30. Prazo Médio de Rotação dos Estoques
13.31. Prazo Médio de Recebimento das Vendas
13.32. Prazo Médio de Pagamento das Compras
13.33. Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro
13.34. Grau de Alavancagem Financeira
13.35. Necessidade de Capital de Giro ou Investimento Operacional em Giro ou
Necessidade de Investimento em Giro
13.36. Saldo de Disponível ou Saldo de Tesouraria
13.37. Necessidade Total de Financiamento Permanente
13.38. Efeito Tesoura
13.39. Equação de DuPont
13.40. Valor Econômico Adicionado \u2013 Lucro Residual (EVA)
13.41. EBITDA (Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization)
13.42. Índice de Cobertura de Juros
13.43. Grau de Alavancagem Operacional
13.44. Importante para a Prova
Capítulo 14 \u2013 Demonstrações Consolidadas
14.1. Introdução
14.2. Obrigatoriedade
14.3. Normas sobre Consolidação
14.4. Participação de Não Controladores
14.5. Exemplos de Consolidação
14.5.1. Exemplos Gerais
14.5.2. Lucros nos Estoques
14.5.3. Lucros nos Ativos Não Circulantes
14.5.3.1. Participações Permanentes Avaliadas pelo MEP
14.5.3.2. Participações Permanentes Avaliadas pelo Custo de Aquisição
14.5.3.3. Consolidação em Exercícios Posteriores ao da Alienação da
Participação Societária
14.5.3.4. Lucros nas Vendas de Ativos Imobilizados
14.6. Importante para a Prova
Capítulo 15 \u2013 Reorganização e Reestruturação de Empresas
15.1. Concentração e Extinção de Sociedades
15.1.1. Incorporação
15.1.2. Fusão
15.1.3. Cisão
15.1.4. Protocolo de Intenções
15.1.5. Justificação
15.1.6. Informações Gerais
15.1.7. Direitos dos Debenturistas
15.1.8. Direitos dos Credores na Incorporação ou Fusão
15.1.9. Direitos dos Credores na Cisão
15.1.10. Averbação da Sucessão
15.1.11. Aspectos Fiscais
15.1.12. Dissolução
15.1.13. Liquidação
15.1.13.1. Liquidação Judicial
15.1.13.2. Deveres do Liquidante
15.1.13.3. Poderes do Liquidante
15.1.13.4. Denominação da Companhia
15.1.13.5. Assembleia Geral
15.1.13.6. Pagamento do Passivo
15.1.13.7. Partilha do Ativo
15.1.13.8. Prestação de Contas
15.1.13.9. Responsabilidade na Liquidação
15.1.13.10. Direito de Credor Não Satisfeito
15.1.14. Extinção
15.2. Importante para a Prova
Bibliografia
Capítulo 1
Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade.
Princípios de Contabilidade
E aí? Está preparado para aprender Contabilidade Geral, Contabilidade Avançada e
Análise das Demonstrações Contábeis? Apesar de o título do livro ser somente
\u201cContabilidade Geral\u201d, você também verá de maneira simples e objetiva assuntos relativos à
Contabilidade Avançada e à Análise das Demonstrações Contábeis. Vamos começar o
estudo!
1.1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade e Princípios de Contabilidade
1.1.1. Conceito e Objetivo
De acordo com o I Congresso Brasileiro de Contabilistas, de 1924, Contabilidade é a
ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativas à
administração econômica.
Contabilidade é a ciência social que estuda e controla o patrimônio das entidades,
mediante o registro dos dados, com a finalidade de oferecer informações sobre sua
composição e suas variações. A contabilidade deve ser um instrumento gerencial de tomada
de decisão.
A Contabilidade também pode ser conceituada como sendo \u201ca ciência que estuda,
registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins
lucrativos ou não\u201d.
O objetivo da Contabilidade é assegurar o controle do patrimônio administrado e
fornecer informações sobre a composição e as variações patrimoniais, bem como sobre o
resultado das atividades econômicas desenvolvidas pela entidade para alcançar seus fins. A
principal finalidade da contabilidade é prover informações para auxiliar a tomada de
decisões.
As funções da contabilidade são as de coleta de dados, registro dos dados e elaboração de
relatórios, e as técnicas utilizadas no trabalho são a escrituração contábil, a elaboração das
demonstrações contábeis, a auditoria e a análise das demonstrações contábeis.
1.1.2. Objeto
O objeto da Contabilidade é o patrimônio, que corresponde ao conjunto de bens,
direitos e obrigações referentes à azienda. Por azienda, entende-se toda entidade
organizada passível de ter um patrimônio (bens, direitos e obrigações), ou seja, são pessoas
jurídicas com fins lucrativos, empresas informais, entidades sem fins lucrativos, empresas
públicas, pessoas físicas etc.
Os bens são itens avaliados em moeda capazes de satisfazer às necessidades das entidades,
sejam essas pessoas físicas ou jurídicas.
Os direitos são os valores a receber de terceiros, gerados por meio de operações da
entidade, e as obrigações representam as dívidas que a entidade contrata junto a terceiros.
Patrimônio: Objeto da contabilidade, formado por bens, direitos e obrigações.
1.1.3. Campo de Atuação
O campo de atuação da Contabilidade abrange todas as entidades econômico-
administrativas, inclusive as pessoas de direito público, como a União, os Estados, os
Municípios, as Autarquias, etc.
\u2013 Entidade econômico-administrativa: também conhecida como azienda (Patrimônio +
Gestão), são as entidades que possuem patrimônio líquido (pessoas físicas ou jurídicas),
com fins lucrativos ou não. São definidas como um patrimônio considerado juntamente
com a pessoa que possui poderes de administração e disponibilidade sobre este
patrimônio.
\u2013 Quanto aos fins a que se destinam as aziendas ou entidades econômico-administrativas
classificam-se em:
\u2013 Aziendas sociais: aquelas que não visam lucros. São exemplos de aziendas sociais as
associações beneficentes, esportivas, culturais, recreativas etc.;
\u2013 Aziendas econômico-sociais: são aquelas que, além das finalidades sociais, visam
também ao lucro, com o objetivo de prestar serviços, pecúlios e benefícios às pessoas
que contribuíram para sua formação. Exemplos: institutos de pensão, aposentadoria,
pecúlio e previdência; e
\u2013 Aziendas