Contabilidade Geral   José Jayme Moraes Junior (2013)
749 pág.

Contabilidade Geral José Jayme Moraes Junior (2013)


DisciplinaConcursos125.788 materiais244.413 seguidores
Pré-visualização50 páginas
na alienação. Referida máquina
fora comprada por R$ 150.000,00, em primeiro de abril de 1998, e seu valor tem sido atualizado, trimestralmente,
por depreciação feita com base em vida útil estimada de 10 anos e saldo residual de 20% do custo. A operação,
devidamente contabilizada vai-nos mostrar que o preço de venda obtido na alienação foi de:
a) R$ 52.500,00;
b) R$ 63.000,00;
c) R$ 65.625,00;
d) R$ 86.400,00;
e) R$ 90.000,00.
Empresa: Milícias S.A.
Data: 20 de outubro de 2004
Venda de uma máquina de uso, auferindo um lucro da ordem de 20% sobre o preço
obtido na alienação.
Máquina: comprada por R$150.000,00, em 01/04/1998
Depreciação trimestral
Vida útil da Máquina (estimada) = 10 anos
Saldo residual = 20% do custo.
Preço da Venda = ?
I \u2013 Aquisição da Máquina (supondo que a aquisição foi à vista)
Máquina (ANC \u2013 Imobilizado)
a Caixa (Ativo Circulante) 150.000
II \u2013 Cálculo do período de utilização da Máquina até a venda
\u2013 Como nada foi dito, considera-se que a Máquina começou a ser utilizada na data de sua
aquisição: 01/04/1998.
\u2013 Período Total:
01/04/1998 a 31/12/1998 = 9 meses (começa exatamente no início do segundo trimestre)
1999 a 2003 = 5 anos
01/01/2004 a 20/10/2004 = 9 meses (o período a ser considerado será apenas até
30/09/2004, pois, como foi informado no enunciado, a depreciação é trimestral).
Período Total = 5 anos e 18 meses = 6 anos e 6 meses = 6,5 anos.
III \u2013 Cálculo da Depreciação Acumulada
Taxa de Depreciação = 1/Vida Útil da Máquina = 1/10 = 0,1
Base de Cálculo da Depreciação = Valor de Aquisição \u2013 Valor Residual 
 Base de Cálculo da Depreciação = 150.000 \u2013 20% x 150.000 
 Base de Cálculo da Depreciação = 80% x 150.000 
 Base de Cálculo da Depreciação = 120.000
Depreciação Acumulada = Taxa de Depreciação x Período Total x Base de Cálculo 
Depreciação Acumulada = 0,1 x 6,5 anos x 120.000 = 78.000
IV \u2013 Cálculo do valor contábil da Máquina em 20/10/2004
Valor Contábil = Valor de Aquisição \u2013 Depreciação Acumulada 
 Valor Contábil = 150.000 \u2013 78.000 
 Valor Contábil = 72.000
V \u2013 Cálculo do valor da alienação da Máquina
Lucro obtido na alienação = 20% x Valor da Alienação 
 Lucro obtido na alienação = 0,2 x Valor da Alienação (a)
Lucro obtido na alienação = Valor da Alienação \u2013 Valor Contábil 
 Lucro obtido na alienação = Valor da Alienação \u2013 72.000 (b)
(a) = (b) 0,2 x Valor da Alienação = Valor da Alienação \u2013 72.000 
 0,8 x Valor da Alienação = 72.000 Valor da Alienação = 72.000/0,8 
 Valor da Alienação = 90.000
A alternativa \u201ce\u201d é a correta.
4.2.3. Amortização
De acordo com o art. 183, § 2o, b, da Lei das S.A., a amortização corresponde à perda do
valor do capital aplicado na aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial e
quaisquer outros com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam
bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado.
Lançamento:
Despesas ou Encargos de Amortização (Despesa)
a Amortização Acumulada (Ativo Não Circulante \u2013 Intangível \u2013 Retificadora)
A taxa de amortização é função do número de exercícios sociais em que deverão ser
usufruídos os benefícios das despesas diferidas. Utiliza-se o método linear (método de
quotas constantes) para cálculo das taxas de amortização.
Nota: Fundo de Comércio: é o que uma empresa tem de valor acima do seu patrimônio
líquido avaliado a preço de mercado. Como sabemos, o Patrimônio Líquido de uma
empresa é a diferença entre seus Ativos e seus Passivos Exigíveis. Mas este Patrimônio
Líquido esta sempre expresso em \u201ctermos contábeis\u201d, ou seja, depende diretamente dos
valores contabilizados para cada Ativo e para cada Passivo. Representa, então, o \u201cgoodwill\u201d,
aquilo que um Patrimônio Liquido consegue ter de valor, se negociada a empresa como um
todo, acima do que seria obtido com a negociação de cada Ativo, individualmente, a preços
de mercado.\u201d
Exemplo: Suponha que o Patrimônio Líquido da Coca-Cola seja de dois bilhões de reais.
Contudo, caso a Coca-Cola fosse vendida, existiriam compradores interessados em pagar
cinco bilhões de reais. Ou seja, a diferença entre o valor negociado e o Patrimônio Líquido,
de três bilhões de reais, seria o \u201cgoodwill\u201d.
Nota: Os valores apresentados neste exemplo são fictícios.
Bens sujeitos à amortização:
\u2013 Patentes de invenção, fórmulas e processos de fabricação, direitos autorais, licenças,
autorizações ou concessões;
Nota: As marcas serão amortizadas por quem adquiriu o direito de uso. As patentes serão
amortizadas pelo prazo restante de proteção do direito de privilégio.
\u2013 Direitos sobre bens que, nos termos da lei ou contrato que regule a concessão de serviço
público, devem reverter ao poder concedente, ao fim do prazo de concessão, sem
indenização;
\u2013 Custo de aquisição, prorrogação ou modificação de contratos e direitos de qualquer
natureza, inclusive de exploração de fundo de comércio;
\u2013 Custo das construções ou benfeitorias em bens locados ou arrendados, ou em bens de
terceiros, quando não houver direito ao recebimento de seu valor em restituição.
Nota: As benfeitorias em bens de terceiros somente se sujeitam à amortização caso sejam
atendidas as seguintes condições cumulativas:
\u2013 o contrato de locação, arrendamento ou cessão seja celebrado por prazo determinado;
\u2013 não haja direito de indenização das benfeitorias edificadas por ocasião do término do
prazo contratual estabelecido.
Caso o contrato seja por prazo indeterminado, serão computados os encargos de
depreciação.
Nota: As benfeitorias em bens de terceiros são construções, restaurações, reformas em
bens de propriedade de terceiros, recebidos pela empresa a título de locação ou
empréstimo.
Nota: Caso haja direito a restituição do valor gasto com as benfeitorias em imóveis de
terceiros, elas devem ser registradas no ativo circulante ou no ativo não circulante realizável
a longo prazo.
Tempo utilizado no cálculo da amortização:
\u2013 estabelecido em lei que regule os direitos do bem incorpóreo;
\u2013 fixado no contrato por intermédio do qual foi adquirido o bem incorpóreo; e
\u2013 decorrente da natureza do bem, quando sua existência ou duração seja limitada.
Exemplo: A empresa J4M2 adquiriu uma patente de invenção em 01/10/2006 por R$
50.000,00, com duração de 10 anos.
Taxa de Amortização Anual = 1/10 anos = 10% ao ano
Amortização Anual = 10% x 50.000 = R$ 5.000,00
Já caiu em prova!
(TRT\u201318R\u2013Analista Judiciário-Área Contabilidade\u20132008\u2013FCC) A Cia. Maracanã efetuou uma benfeitoria em imóvel
alugado de terceiros, cujo valor será revertido ao proprietário do imóvel no final do contrato de locação. O valor
contábil da benfeitoria está assim demonstrado em seu balanço patrimonial levantado em 31-12-2007:
Custo da benfeitoria R$ 120.000,00
(\u2212) Amortização acumulada (R$ 66.000,00)
(=) Valor contábil R$ 54.000,00
Sabendo que o contrato de locação é de 10 anos, pode-se concluir que, em relação a 31-12-2007, o início da
amortização ocorreu há:
a) seis anos e quatro meses;
b) seis anos;
c) cinco anos e meio;
d) cinco anos e três meses;
e) quatro anos e meio.
Contrato de Locação = 10 anos
Taxa de Amortização = 1/10 anos = 10% ao ano
Amortização Acumulada = Taxa x Período x Base de Cálculo 
 66.000 = 10% x Período x 120.000 
 Período = 66.000/12.000 = 5,5 anos
A alternativa \u201cc\u201d é a correta.
4.2.4. Exaustão
De acordo com o art. 183, § 2o, c, da Lei das S.A., a exaustão corresponde à perda de
valor, decorrente de sua exploração, de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou
florestais, ou bens aplicados nessa exploração.
Lançamento:
Despesas ou Encargos de Exaustão (Despesa)
a Exaustão Acumulada (Ativo Não Circulante \u2013 Imobilizado \u2013 Retificadora)
Nota: De acordo com a Lei das S.A., os bens aplicados na exploração de recursos minerais
e florestais estão sujeitos à exaustão.
Nota: A Legislação