Mapeamentos para a conservação e recuperação da biodiversidade na Mata Atlântica
220 pág.

Mapeamentos para a conservação e recuperação da biodiversidade na Mata Atlântica


DisciplinaBiologia da Conservação187 materiais1.283 seguidores
Pré-visualização50 páginas
(SE Brazil). Ecological Applications 10: 
1147-1161.
PACTO pela Restauração da Mata Atlântica., 
2009. Método utilizado para o mapeamento das 
áreas potenciais de restauração na Mata Atlântica. 
Disponível em http://www.pactomataatlantica.
org.br (acesso em 01/07/2011).
Paese, A., 2002. A utilização de modelos para a 
análise da paisagem na região nordeste do estado 
de São Paulo. Tese de doutorado, Centro de Ciên-
cias Biológicas e da Saúde, Universidade Federal 
de São Carlos.
Pardini, R.; Bueno, A.A.; Gardner, T.A.; Prado, 
P.I.; Metzger, J.P., 2010. Beyond the Fragmenta-
tion Threshold Hypothesis: Regime Shifts in Bio-
diversity Across Fragmented Landscapes. Plos 
One, v. 5, p. e13666.
Pardini, R.; Souza, S.M.; Braga-Neto, R.; Metzger, 
J.P., 2005. The role of forest structure, fragment 
size and corridors in maintaining small mammal 
abundance and diversity in an Atlantic forest 
landscape. Biological Conservation 124: 253-266.
Pascual-Hortal, L.; Saura, S., 2006. Comparison 
and development of new graph-based landscape 
connectivity indices: towards the priorization of 
habitat patches and corridors for conservation. 
Landscape Ecology, 21: 959-967.
Ribeiro, M.C.; Metzger, J.P.; Martensen, A.C.; 
Ponzoni, F.J.; Hirota, M.M., 2009. The Brazilian 
Atlantic Forest: How much is left and how is the 
remaining forest distributed? Implications for 
conservation. Biological Conservation 142: 1141-
1153.
Rodrigues, R.R.; Lima, R.A.F.; Gandolfi, S.; Nave, 
A.G., 2009. On the restoration of high diversity 
forests: 30 years of experience in the Brazilian 
Atlantic Forest. Biological Conservation 142: 
1242-1251.
Saura, S, Pascual-Hortal, L., 2007. A new habi-
tat availability index to integrate connectivity 
in landscape conservation planning: comparison 
with existing indices and application to a case 
study. Landscape and Urban Planning, 83: 91-103.
Saura, S.; Torné, J., 2009. Conefor Sensinode 2.2: 
A software package for quantifying the importan-
ce of habitat patches for landscape connectivity. 
Environmental Modelling & Software 24: 135-
139.
Silva, J.M.C.; Casteleti, C.H.M., 2005. Status of 
the biodiversity of the Atlantic Forest of Bra-
zil. In: Galindo-Leal, C, Câmara, IG. (eds), The 
Atlantic Forest of South America: Biodiversity 
Status, Threats, and Outlook. CABS and Island 
Press, Washington, pp. 43-59.
Stauffer D., 1985. Intorduction to percolation 
theory. Taylor & Francis, London, England.
Uezu, A.; Beyer, D.D.; Metzger, J.P., 2008. Can 
agroforest woodlots work as stepping stones for 
birds in the Atlantic Forest region? Biodiversity 
and Conservation 17 (8): 1907-1922.
Urban, D.; Keitt, T., 2001. Landscape connecti-
vity: a graph-theoretic perspective. Ecology, 82: 
1205-1218.
 63Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
 
2
1 1 1
.
L
n
i
n
j ij
ji
A
nl
aa
IIC
\u2211\u2211
= = +
=
 
2
1 1
*..
L
n
i
n
j
ijji
A
paa
PC
\u2211\u2211
= ==
Anexo 1: Índices baseados na teoria dos grafos com as respectivas fórmulas e interpretações
Nome do índice Sigla Classe Fórmula Descrição
Integral Index of IIC Binário Índice que varia de 0 a 1 e
Connectivity leva em consideração a 
 área, o número de 
 conexões e a importância 
 do fragmento para a 
 manutenção do grafo. 
 Quanto maior o valor do 
 índice, maior a 
 conectividade da paisagem
 n é o número de nós da 
 paisagem, ai e aj são os 
 atributos (área) dos nós 
 i e j, nlij é o número de 
 ligações no caminho 
 mais curto entre os nós 
 i e j e AL é o valor 
 máximo dos atributos 
 da paisagem (área da 
 paisagem) 
Probability of PC Probabilístico Índice varia de 0 a 1 
Connectivity e mede a probabilidade de 
 dois pontos selecionados 
 ao acaso na paisagem 
 caírem no interior de dois 
 fragmentos que estão 
 funcionalmente 
 conectados. Pode ser 
 considerada a versão 
 probabilística do IIC.
 n é o número de nós da Quanto maior o valor do 
 paisagem, ai e aj são os índice, mais conectada a 
 atributos (área) dos nós paisagem
 i e j, p*ij é o valor 
 máximo do produto das 
 probabilidades de todos 
 os caminhos possíveis 
 entre os nós i e j 
 64 Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Anexo 2: Resultados do índice MultivarIICflux detalhados para as biorregiões.
Figura 1: Resultado do índice MultivarIICflux para a biorregião Araucária e para as divisões 1 e 2 da 
biorregião Floresta de Interior.
 65Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 2: Resultado do índice MultivarIICflux para a biorregião São Francisco.
 66 Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 3: Resultado do índice MultivarIICflux para as biorregiões Bahia e Diamantina.
 67Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 4: Resultado do índice MultivarIICflux para as biorregiões Pernambuco e Brejos Nordestinos.
 68 Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 5: Resultado do índice MultivarIICflux para as divisões 3 e 4 da biorregião Florestas de Interior.
Figura 6: Resultado do índice MultivarIICflux para a biorregião Serra do Mar.
 69Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Anexo 3: Resultados do índice varIICconnector detalhados para as biorregiões
Figura 1: Resultado do índice varIICconnector para a biorregião Araucária e para as divisões 1 e 2 da 
biorregião Florestas de Interior.
 70 Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 2: Resultado do índice varIICconnector para a biorregião São Francisco.
 71Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 3: Resultado do índice varIICconnector para as biorregiões Bahia e Diamantina. 
 72 Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 4: Resultado do índice varIICconnector para as biorregiões Pernambuco e Brejos Nordestinos.
 73Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 5: Resultado do índice varIICconnector para as divisões 3 e 4 da biorregião Florestas de Interior.
Figura 6: Resultado do índice varIICconnector para a biorregião Serra do Mar.
 74 Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Anexo 4: Resultados do índice Gcon detalhados para as biorregiões
Figura 1: Resultado do índice Gcon para a biorregião Araucária e para as divisões 1 e 2 da biorregião 
Florestas de Interior.
 75Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 2: Resultado do índice Gcon para a biorregião São Francisco.
 76 Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 3: Resultado do índice Gcon para as biorregiões Bahia e Diamantina.
 77Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 4: Resultado do índice Gcon para as biorregiões Pernambuco e Brejos Nordestinos.
 78 Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira
Figura 5: Resultado do índice Gcon para as divisões 3 e 4 da biorregião Florestas de Interior.
Figura 6: Resultado do índice Gcon para a biorregião Serra do Mar.
 79Mapeamentos para a Conservação e Recuperação da Biodiversidade na Mata Atlântica Brasileira