Direito Previdenciário
103 pág.

Direito Previdenciário


DisciplinaIntrodução ao Direito I88.333 materiais534.945 seguidores
Pré-visualização22 páginas
São equiparados aos filhos, os enteados e os tutelados que não possuem bens 
suficientes para o próprio sustento). 
De acordo com a Portaria nº 77, de 12 de março de 2008, o valor do salário-família 
será de R$ 24,23, por filho de até 14 anos incompletos ou inválido, para quem ganhar 
 
 
 61
até R$ 472,43. Para o trabalhador que receber de R$ 472,44 até 710,08, o valor do 
salário-família por filho de até 14 anos incompletos ou inválido, será de R$ R$ 17,07. 
Têm direito ao salário-família os trabalhadores empregados e os avulsos. Os 
empregados domésticos, contribuintes individuais, segurados especiais e facultativos 
não recebem salário-família. 
Para a concessão do salário-família, a Previdência Social não exige tempo mínimo de 
contribuição. 
Atenção: 
O benefício será encerrado quando o(a) filho(a) completar 14 anos. 
 
13.5 - Salário Maternidade 
 Cabe à empresa pagar o salário-maternidade devido à empregada gestante, 
efetivando-se a compensação, de acordo com o disposto no art. 248, da Constituição Federal, 
à época do recolhimento das contribuições incidentes sobre a folha de salários e demais 
rendimentos pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço. A 
empresa deverá conservar durante 10 (dez) anos os comprovantes dos pagamentos e os 
atestados correspondentes. 
As trabalhadoras que contribuem para a Previdência Social têm direito ao salário-
maternidade nos 120 dias em que ficam afastadas do emprego por causa do parto. O 
benefício foi estendido também para as mães adotivas e, a partir de 14.06.2007, para à 
segurada desempregada (empregada, trabalhadora avulsa e doméstica), cujas 
contribuições (contribuinte individual, facultativa) cessaram , e segurada especial, 
desde que mantida a qualidade de segurado. 
O salário-maternidade é concedido à segurada que adotar uma criança ou ganhar a 
guarda judicial para fins de adoção: 
 
 
 62
- se a criança tiver até um ano de idade, o salário-maternidade será de 120 dias; 
- se tiver de um ano a quatro anos de idade, o salário-maternidade será de 60 dias; 
- se tiver de quatro anos a oito anos de idade, o salário-maternidade será de 30 dias. 
Para concessão do salário-maternidade, não é exigido tempo mínimo de contribuição 
das trabalhadoras empregadas, empregadas domésticas e trabalhadoras avulsas, 
desde que comprovem filiação nesta condição na data do afastamento para fins de 
salário maternidade ou na data do parto. 
A contribuinte facultativa e a individual têm que ter pelo menos dez contribuições para 
receber o benefício. A segurada especial receberá o salário-maternidade se comprovar 
no mínimo dez meses de trabalho rural. Se o nascimento for prematuro, a carência 
será reduzida no mesmo total de meses em que o parto foi antecipado. 
Considera-se parto, o nascimento ocorrido a partir da 23ª semana de gestação, 
inclusive natimorto. 
Nos abortos espontâneos ou previstos em lei (estupro ou risco de vida para a mãe), 
será pago o salário-maternidade por duas semanas. 
A trabalhadora que exerce atividades ou tem empregos simultâneos tem direito a um 
salário-maternidade para cada emprego/atividade, desde que contribua para a 
Previdência nas duas funções. 
O salário-maternidade é devido a partir do oitavo mês de gestação (comprovado por 
atestado médico) ou da data do parto (comprovado pela certidão de nascimento). 
A partir de setembro de 2003, o pagamento do salário-maternidade das gestantes 
empregadas passará a ser feito diretamente pelas empresas, que serão ressarcidas 
pela Previdência Social. As mães adotivas, contribuintes individuais, facultativas e 
empregadas domésticas terão de pedir o benefício nas Agências da Previdência Social. 
 
 
 63
Em casos comprovados por atestado médico, o período de repouso poderá ser 
prorrogado por duas semanas antes do parto e ao final dos 120 dias de licença. 
 
13.6 - Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social \u2013 BPC-
LOAS ao idoso e à pessoa com deficiência 
O Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social \u2013 BPC-LOAS, é um 
benefício da assistência social, integrante do Sistema Único da Assistência Social \u2013 
SUAS, pago pelo Governo Federal, cuja a operacionalização do reconhecimento do 
direito é do Instituto Nacional do Seguro Social \u2013 INSS e assegurado por lei, que 
permite o acesso de idosos e pessoas com deficiência às condições mínimas de uma 
vida digna. 
QUEM TEM DIREITO AO BPC-LOAS: 
- Pessoa Idosa - IDOSO: deverá comprovar que possui 65 anos de idade ou mais, que 
não recebe nenhum benefício previdenciário, ou de outro regime de previdência e que 
a renda mensal familiar per capita seja inferior a ¼ do salário mínimo vigente. 
- Pessoa com Deficiência - PCD: deverá comprovar que a renda mensal do grupo 
familiar seja inferior a ¼ do salário mínimo, deverá também ser avaliado se a sua 
deficiência o incapacita para a vida independente e para o trabalho, e esta avaliação é 
realizada pelo serviço de perícia médica do INSS. 
Para cálculo da renda familiar é considerado o número de pessoas que vivem na 
mesma casa: assim entendido: o requerente, cônjuge, companheiro(a), o filho não 
emancipado de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido, pais, e irmãos não 
emancipados, menores de 21 anos e inválidos. O enteado e menor tutelado 
equiparam-se a filho mediante a comprovação de dependência econômica e desde 
que não possua bens suficientes para o próprio sustento e educação. 
 
 
 64
O benefício assistencial pode ser pago a mais de um membro da família desde que 
comprovadas todas a condições exigidas. Nesse caso, o valor do benefício concedido 
anteriormente será incluído no cálculo da renda familiar. 
O benefício deixará de ser pago quando houver superação das condições que deram 
origem a concessão do benefício ou pelo falecimento do beneficiário. O benefício 
assistencial é intransferível e, portanto, não gera pensão aos dependentes. 
 
14 - SÚMULAS PREVIDENCIÁRIAS 
14.1 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL 
SÚMULA 726 
Para efeito de aposentadoria especial de professores, não se computa o tempo de serviço 
prestado fora da sala de aula. 
 
SÚMULA 689 
O segurado pode ajuizar ação contra a instituição previdenciária perante o juízo 
federal do seu domicílio ou nas varas federais da capital do estado-membro. 
 
SÚMULA 688 
É legítima a incidência da contribuição previdenciária sobre o 13º salário. 
 
SÚMULA 687 
A revisão de que trata o art. 58 do ADCT não se aplica aos benefícios previdenciários 
concedidos após a promulgação da Constituição de 1988. 
 
 
 
 65
SÚMULA 613 
Os dependentes de trabalhador rural não têm direito a pensão previdenciária, se o 
óbito ocorreu anteriormente à vigência da Lei Complementar n. 11/71. 
 
SÚMULA 567 
A constituição, ao assegurar, no parágrafo 3º, do art. 102, a contagem integral do 
tempo de serviço publico federal, estadual ou municipal para os efeitos de 
aposentadoria e disponibilidade não proíbe a União, aos Estados e aos Municípios 
mandarem contar, mediante lei, para efeito diverso, tempo de serviço prestado a 
outra pessoa de direito publico interno. 
 
SÚMULA 565 
A multa fiscal moratória constitui pena administrativa, não se incluindo no crédito 
habilitado em falência. 
 
SÚMULA 546 
Cabe a restituição do tributo pago indevidamente, quando reconhecido por decisão, 
que o contribuinte \u201cde jure\u201d não recuperou do contribuinte \u201cde facto\u201d o \u201cquantum\u201d 
respectivo. 
 
SÚMULA 466 
Não é inconstitucional a inclusão de sócios e administradores de sociedades e titulares 
de firmas individuais como contribuintes obrigatórios da previdência social. 
 
 
 
 66
SÚMULA