A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Lista Resolvida de 2010

Pré-visualização | Página 4 de 5

Apresente as similaridades e as diferenças.
A maior parte dos polímeros redutores de filtrado não apenas viscosificam a fase líquida, mas também adsorvem nos sólidos presentes, encapsulando-os (os polímeros preenchem espaços vazios entre as partículas, que são produzidas durante a perfuração (os próprios adensantes). Eis alguns exemplos:
-Amido: absorve água, inchando e formando estruturas altamente maleáveis com excelente impermeabilização. Diminui a água disponível e bloqueia a entrada dos poros. 
-Carboximetilcelulose (CMC):Atua viscosificando a fase liquida. Em alguns casos pode atuar encapsulando partículas solidas, reduzindo a permeabilidade do reboco. 
-Lignossulfonatos: Atuam defloculando as argilas, possibilitando a formação de um rebooco uniforme e impermeável. Como conseqüência, atuam como afinantes, uma vez que desfazem o gel formado pelas argilas. (a argila é que faz o controle do filtrado, mas sob a aça do polímero. 
QUESTÃO 41: Qual a diferença entre a viscosidade plástica e a viscosidade aparente em termos de determinação experimental em viscosímetro Fann 35A e como esta diferença se relaciona com o modelo reológico aplicado em cada caso?
VA=L600/2 e VP= L600-L300 Na viscosidade plástica e realizada apenas em um ponto considerando o fluido como newtoniano, já a VP e a taxa de inclinação da curva de tensãoXtaxa cisalhamento, considerando fluido de Bingham.
QUESTÃO 42: Por que é necessário cisalhar o fluido a 600 rpm por algum tempo antes da determinação da força gel? Por que a leitura de GI e GF corresponde ao valor máximo observado no ponteiro, ao invés do valor de estabilização, em 3rpm?
Cisalha-se o fluido a 600rpm para que todas as interações sejam rompidas e as partículas de argila se alinhem com o fluxo de agitação, desfazendo-se a rede e causando uma diminuição significativa na viscosidade.  
Porque assim que o viscosímetro é ligado, ainda existem forças de interação entre as partículas, de modo que a leitura do GI e GF significa a que tensão as mesmas foram destruídas
Atinge o Maximo e depois cai caracterizando o escoamento.
QUESTÃO 43: O ensaio da retorta de um determinado fluido resultou em 10% de sólidos e 90% de líquido, sendo que houve separação de fases na proveta. A fase inferior observada nesta correspondia a 40% do volume total de líquido. Este fluido, após alguns ciclos de utilização, foi novamente analisado na retorta, resultando em 20% de sólidos e 80% de líquido, havendo novamente separação de fases. Neste caso, a fase inferior correspondia a 50% do líquido. O que pode ter acontecido durante a circulação do fluido, que causaria esta mudança?
Ensaio da retorta: Corresponde a um ensaio de monitoramento do fluido, onde além de ser possível determinar o teor de sólidos incorporados ao fluido, determina-se também o teor de óleo na água. Isto é possível, porque o ensaio corresponde a uma destilação do fluido, o que resulta na separação do óleo e da água presente em fases distintas.
REVER
 
QUESTÃO 44: Por que a alcalinidade do fluido de perfuração é importante?
A alcalinidade é importante porque minimiza os efeitos de corrosão, controla o excesso de cálcio no sistema e neutraliza possíveis contaminações com gases ácidos.
QUESTÃO 45: A determinação de Pf e Mf permite identificar e quantificar os íons OH-, HCO3- e CO32-. Neste ensaio, utiliza-se 1ml de fluido de perfuração, que é titulado contra solução de H2SO4 (ácido sulfúrico) em concentração de N/50 = 0,02 eqg/L. Se neste ensaio for verificado que 2Pf = Mf, significa que há no fluido somente CO32-, dos íons listados acima. Demonstre por que e determine uma expressão que relacione o valor de Pf com a concentração de carbonato no fluido em PPM (partes por milhão, ou grama por 1.000.000mL).
QUESTÃO 46: Em um determinado fluido, os valores de Pf e Mf foram, respectivamente 7mL e 12mL. Determine quais dos íons citados na questão anterior estão presentes e suas respectivas concentrações em PPM.
QUESTÃO 47: O sal cromato de potássio (K2CrO4) é indicador na determinação de cloretos em fluidos de perfuração por argentometria. No entanto, sabe-se que o íon cromato apresenta o seguinte equilíbrio em solução:
CrO42- + 2H+ Cr2O72- + H2O
E em relação à solubilidade, temos a seguinte ordem: AgCl << Ag(OH) << Ag2CrO4 <<<<<<<<<Ag2Cr2O7.
Com base nestes dados, explique por que o ensaio para determinação de cloretos não pode ser realizado em valores extremos de pH (muito altos ou muito baixos).
QUESTÃO 48: Quais as principais fontes de contaminação dos fluidos de perfuração?
São considerados contaminantes quaisquer componentes indesejáveis incorporados ao fluido que causam alterações negativas em suas propriedades. As principais fontes são: a formação perfurada, o suprimento de água e os materiais utilizados para a formulação manter as propriedades dos fluidos.
QUESTÃO 49: Por que a utilização de anti-espumantes pode prevenir problemas de filtração excessiva em fluidos de base aquosa contendo bentonita?
QUESTÃO 50: Em um determinado fluido de base aquosa, verificou-se após alguns ciclos de utilização um aumento no volume de filtrado e um aumento na dureza do fluido, sugerindo contaminação com anidrito ou cimento. Que parâmetro simples pode ser utilizado para distinguir qual o contaminante do fluido? Por quê?
Ph. O cimento diminui o pH e o anidrito o aumenta.
QUESTÃO 51: Por que é importante manter o pH do fluido alto quando há suspeita de contaminação com sulfeto?
Identificação de contaminação com gases ácidos: o excesso da reserva alcalina do fluido diminui. pH diminui. Leve redução no teor de cálcio (dureza). Odor do H2S no ensaio da retorta.
Tratamento: Adição de maior quantidade de hidróxido de cálcio. No caso de H2S, manter o pH alto, para promover a precipitação do sulfeto com o zinco.
QUESTÃO 52: Por que a separação de fases em uma emulsão é um processo termodinamicamente favorável?
As emulsões são sistemas coloidais de mistura de dois ou mais líquidos imiscíveis, ou seja, é um sistema heterogêneo, onde um esta disperso na forma de gotículas (fase dispersa) em uma fase denominada de dispersante ou continua.
Na emulsão a partir da homogeneização de dois componentes puros ocorre a rápida separação em duas fases devido a tensão superficial ou interfacial. A causa é devido às forças de coesão idênticas no interior do liquido e às forças atrativas diferentes na superfície do liquido. Como conseqüência, E(superfície) > E(interna), moléculas tendem a se deslocar para o interior, levando a uma superfície mínima de contato.
Quanto maior a tensão superficial de dois líquidos misturados menor será sua superfície de contato e, portanto, menor será a tendência de se misturarem.
QUESTÃO 53: A emulsão A contém 70% de óleo e 30% de água. A emulsão B contém 60% de água e 40% de óleo. Identifique a emulsão inversa e a emulsão direta.
Água dispersa em óleo é considerada uma emulsão inversa. Portanto, a emulsão A é inversa e a emulsão B é direta.  
QUESTÃO 54: Qual a importância do emulsificante nas emulsões e como funciona seu mecanismo de atuação?
Os emulsificantes são compostos naturais ou sintéticos, caracterizados estruturalmente pela presença de uma porção hidrofílica ou polar e de uma porção hidrofóbica ou apolar (compostos anfifílicos). Quanto maior a tensão superficial de dois liquidos misturados menor será sua superfície de contato e, portanto, menor será a tendencia de se misturarem. Ao se reduzir a tensão superficial, diminui-se a velocidade de separação de fases, fazendo com que diminua a ocorrência de estratificação da densidade do fluido. 
O mecanismo destes emulsificantes: 
-reduzem tensão interfacial (adsorção na interface)
-grupos lipofílicos e hidrofílicos voltados para casa fase
-aumento da superfície de contato entre as fases
-formação de um filme na interface água-óleo
-homogeneização do sistema
NOTA: balanço hidrofílico/lipofílico (HLB) : HLB > (10-12) emulsões tipo óleo em água; HLB< (3-5) emulsões