Fisiologia Gastrointestinal
17 pág.

Fisiologia Gastrointestinal


DisciplinaFisiologia I26.462 materiais221.158 seguidores
Pré-visualização4 páginas
\u2013 secretada pelas células \u3b2 
\uf0d8 Glucagon \u2013 secretado pelas células \u3b1 
\uf0d8 Somatostatina \u2013 secretada pelas células \u3b4 
\uf0d8 Polipeptídio Pancreático \u2013 secretado pelas células PP 
 
Estes hormônios regulam o metabolismo celular e afetam a secreção exócrina do pâncreas, 
por mecanismos ainda não completamente elucidados. 
A secreção exócrina tem função digestiva. Considera-se esta secreção em 2 componentes, que 
são secretados simultaneamente durante o processo digestivo, e são sintetizados por 
populações celulares distintas (dos ácinos e ductos): 
\uf0d8 Componente Protéico ou Enzimático (secreção Primária ou Acinar): possui cerca de 20 
precursores de enzimas digestivas, os zimogênios. É secretado pelas células acinares, 
tem pequeno volume e possui concentrações iônicas e tonicidade semelhante às 
plasmáticas. 
O principal estímulo para a secreção enzimática é a CCK (Colecistocinina), liberada da mucosa 
do intestino delgado, em reposta á produtos da hidrólise lipídica e protéica. 
 
\uf0d8 Componente Aquoso: sua composição eletrolítica é determinada pelas células 
epiteliais dos ductos. Este componente é o que fornece o volume da secreção de cerca 
de 1L por dia. É um fluido alcalino, com concentração de HCO\u2083\u207b superior à plasmática, 
que no duodeno neutraliza o quimo ácido proveniente do estômago. 
O principal estímulo para a secreção aquosa é a Secretina, liberada da musoca do intestino 
delgado pela chegada do quimo ácido proveniente do estômago. O HCO\u2083\u207b da secreção 
pancreática neutraliza o HCl e gera o ambiente alcalino para a ação das enzimas pancreáticas, 
que agem nessa faixa de pH. 
 
 
Os Ácinos Pancreáticos: representam 82% do peso do pâncreas 
Os Ductos: 4% 
Os Vasos Sanguíneos: 4% 
Os Espaços Intracelulares: 9,5% 
As Ilhotas de Langerhans: 2% 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fisiologia da Secreção Gastrointestinal 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
Inervação Pós-Ganglionar: 
\uf0d8 Fibras Vagais: alcançam o pâncreas através da região antral do estômago. Efetuam 
sinapses no interior do parênquima pancreático, de onde partem as fibras pós-
sinápticas colinérgicas para os ácinos, ductos e ilhotas. A inervação vagal colinérgica 
estimula a secreção principalmente de células acinares (secreção enzimática). 
\uf0d8 Fibras Simpáticas para o pâncreas partem dos gânglios celíaco e mesentérico superior 
e correm ao longo das artérias. São fibras noradrenérgicas que provocam 
vasoconstrição e diminuição secundária da secreção. 
 
Ou seja: 
-Colinérgicas (Parassimpática) 
-Noradrenérgicas (Simpática) 
 
O Sistema Parassimpático controla a secreção endócrina do pâncreas 
Fibras Vagais ---------------> \u2191secreção pancreática. 
 
 
Ácinos Pancreáticos 
Tem fundo cego e agrupam-se em lóbulos separados por tecido conjuntivo. Possuem entre 15 
e 100 células acinares piramidais, com os ápices voltados para a luz. Os precursores 
enzimáticos e as enzimas ativas encontram-se nos Grânulos de Zimogênio, localizados no 
bordo apical das células acinares, as quais têm o Reticulo Endoplasmático extensamente 
desenvolvido e núcleos basais (Liberação dos grânulos por exocitose, renovação das 
membranas por endocitose). As células dos ductos apresentam microvilosidades, com cerca de 
0,15 \u3bcm de diâmetro, formando a borda em escova. As membranas basolaterias destas células 
são bastante amplificadas, característica de células epiteliais transportadoras. 
 
 
 
Região Apical: Liberação dos grânulos por exocitose e renovação das membranas por 
endocitose. 
 
 
Fisiologia da Secreção Gastrointestinal 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
Secretagogos Pancreáticos 
\uf0b7 CCK (Colecistocinina) 
\uf0b7 Carbacol - agonista parassimpático (limita os efeitos colinérgicos). 
\uf0b7 GRP 
\uf0b7 VIP \u2013 induz o aumento da secreção pancreática 
\uf0b7 CGRP 
ps: SECRETAGOGO+VIP = Potencializa 
 
Vias de tradução de sinal envolvidas no controle da Secreção Pancreática 
Os receptores para CCK e para a Acetilcolina são acoplados às proteínas tetramétricas do tipo 
G\u3b1q, que via IP\u2083, elevam a concentração citosólica de Ca\u207a\u207a, ativando as PKC, o DAG e a Cálcio-
Calmodulina (CaM) e elevando a secreção enzimática. 
Os outros receptores das células acinares também têm papeis importantes, estimulando a 
secreção e provavelmente, regulando os processos de síntese protéica. Os receptores para 
VIP e Secretina são acoplados à proteínas G e tem como segundos mensageiros o AMPc e a 
PKA; suas ações podem potencializar a da CCK. 
[CCK e Secretina são liberada no duodeno de forma endócrina (pelo sangue), e vai no pâncreas 
estimular a secreção de solução aquosa e de enzimas.] 
Regulação da Secreção Pancreática 
Três estímulos básicos são importantes na secreção pancreática: 
\uf0b7 Acetilcolina - liberada pelas terminações do nervo vago parassimpático. 
\uf0b7 Colecistocinina \u2013 secretada pela mucosa duodenal e do jejuno superior quando o 
alimento entra no intestino delgado. 
\uf0b7 Secretina \u2013 também secretada pelas mucosas duodenal e jejunal quando alimentos 
muito ácidos entram no intestino delgado 
 
Fisiologia da Secreção Gastrointestinal 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
A Acetilcolina e CCK estimulam as células acinares do pâncreas, levando a produção de 
grandes quantidades de enzimas pancreáticas, mas quantidades relativamente pequenas de 
agua e eletrólitos. A Secretina, em contrapartida, estimula a secreção de grandes volumes de 
solução aquosa de bicarbonato de sódio pelo epitélio do ducto pancreático. 
A secreção pancreática também ocorre em 3 fases: 
\uf0b7 Fase cefálica: desde o ato de pensar no alimento até o ápice quando se coloca o 
alimento na boca. O sistema parassimpático é ativado através da inervação vagal que 
estimula a liberação de acetilcolina (neurotransmissor) o que provoca a secreção 
enzimática. Aproximadamente 20% da secreção total. 
\uf0b7 Fase gástrica: ocorre quando o hormônio gastrina é secretado na mucosa antral o que 
estimula a secreção pancreática enzimática. 5 a 10% do total. 
\uf0b7 Fase intestinal: secreções pancreáticas efetivas, tanto enzimáticas quanto hidreláticas. 
70 a 75% da secreção total. 
 
Enzimas Pancreáticas 
Cerca de 5 a 15g de proteína são lançados pelo pâncreas no duodeno. As células acinares 
secretam cerca de 20 proteínas distintas, a maioria delas com atividade enzimática. Muitas são 
secretadas como pró-enzimas e algumas como enzimas ativas: 
\uf0b7 Tripsina 
\uf0b7 Quimiotripsina 
\uf0b7 Elastases 
\uf0b7 Carboxipeptidases 
\uf0b7 Ribonucleases 
\uf0b7 Desoxirribonucleases 
\uf0b7 \u3b1-Amilase 
\uf0b7 Lipase (Triacilglicerol-hidrolase) 
\uf0b7 Colesterol-esterase 
\uf0b7 Fosfolipase-A2 
\uf0b7 Colipase 
Fisiologia da Secreção Gastrointestinal 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
 \u2193-------------------------------------------\u2196 
Enteropeptidase---------------->Tripsinogênio------------------>Tripsina-----\u2191 
 \u2193 
 Quimiotripsinogênio --------------------\u2190 
 \u2193 
 Quimiotripsina 
 
Secreção Pancreática Aquosa 
Estimulada pela secretina, ou seja, pelo baixo pH. 
 
O acido carbônico formado (H2CO3) tem uma dissociação imediata em H2O e CO2, sendo que 
o CO2 é absorvido pelo sangue e é eliminado através dos pulmões, o que sobra no duodeno é 
uma solução neutra de NaCl. 
O quimo ácido no duodeno vai ocasionar a secreção de Secretina (solução aquosa alcalina), 
para baixar o pH. 
 
Funções Digestivas do Fígado (Sintese e secreção da Bile)