Fisiologia Renal
34 pág.

Fisiologia Renal


DisciplinaFisiologia I26.537 materiais222.634 seguidores
Pré-visualização11 páginas
k o coeficiente de permeabilidade hidráulica do capilar 
glomerular, e S é a área, ou superfície filtrante de todo o glomérulo. 
 
\uf0d8 Ritmo de Filtração Glomerular ou Filtração Glomerular Global: 
É a quantidade de plasma (20%) que entra no rim e alcança os capilares glomerulares 
que são filtrados, atingindo o Espaço de Bowman. 
 
\uf0d8 Filtrado Glomerular: 
O líquido produzido pelo glomérulo durante o processo de filtração glomerular. 
 
\uf0d8 Regulação Intrínseca ou (Autorregulação): 
São mecanismos de feedback intrínsecos dos rins , que mantem o fluxo sanguíneo 
renal e o Fluxo Sanguíneo Renal (FSR) e a Filtração Glomerular (FG) relativamente 
constantes, mesmo com alterações acentuadas da pressão sanguínea arterial. A 
principal função da \u2018autorregulação renal\u2019 é manter a FG relativamente constante e 
permitir o controle preciso da excreção renal de água e solutos. 
Possui duas teorias, a MIOGÊNICA e a de BALANÇO TÚBULO-
GLOMERULAR. 
\uf0fc Mecanismo Miogênico: envolve uma propriedade intrínseca 
do músculo liso arterial, por meio da qual o músculo 
contrai-se ou relaxa-se em resposta a um respectivo 
aumento ou queda da tensão da parede vascular. Baseia-se 
na Lei de Laplace. 
\uf0fc Balanço Túbulo-Glomerular (BTG): envolve um mecanismo 
de feedback. Quando aumenta o RFG (Ritmo de Filtração 
Glomerular) em um néfron, e consequentemente aumenta 
o fluxo de fluido pelo túbulo distal inicial, na região da 
Mácula Densa, o RFG nesse mesmo néfron é reduzido. O 
oposto acontece, embora em menor grau: quando cai o 
fluxo de fluido pela mácula densa, aumenta o RFG. 
 
\uf0d8 Regulação Extrínseca ou Hormonal: 
São hormônios e autacoides que podem influenciar a FG e o Fluxo Sanguíneo Renal. 
\uf0fc Norepinefrina, Epinefrina e Endotelina provocam constrição dos vasos 
sanguíneos renais e diminuem a FG. 
\uf0fc A Angiotensina II preferencialmente provoca constrição das arteríolas 
eferentes na maioria das condições fisiológicas. 
\uf0fc O Óxido Nítrico derivado do endotélio diminui a Resistência Vascular Renal e 
aumenta a FG. 
\uf0fc Prostaglandinas e Bradicininas tendem a aumentar a FG. 
 
 
FISIOLOGIA RENAL 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
\uf0e0PRESSÕES DE ULTRAFILTRAÇÃO 
O Ritmo de Filtração Glomerular (RFG) é governado pela mesma força propulsora que 
determina o movimento de fluido através da parede dos capilares sistêmicos, ou seja, o 
balanço entre as pressões Hidrostática e Oncótica 
transcapilares (as chamadas forças de Starling). Em um dado 
ponto do capilar glomerular essa relação pode ser expressa 
como: 
RFG = Kf (\u394P \u2013 \u394\u3c0) 
(coef.de ultrafiltração) x (gradiente de pressão hidrostática \u2013 
gradiente de pressão oncótica). 
 
\u394P= PCG - Pf 
\u394\u3c0= \u3c0CG \u2013 \u3c0t 
RFG= Kf [(PCG \u2013 Pt) \u2013 (\u3c0CG \u2013 \u3c0t)] 
 
 
RFG= Ritmo de Ultrafiltração Glomerular 
Kf = Coeficiente de Ultrafiltração (ou de 
Permeabilização) 
\u394P= Diferença de pressão hidrostática 
transcapilar 
PCG = Pressão Hidrostática no Capilar 
Glomerular (pressão sanguínea capilar) 
Pt = Pressão Hidrostática no espaço de 
Bowman (pressão do fluido filtrado) 
\u3c0CG = Pressão Oncótica no Capilar 
Glomerular (dada pelas proteínas no 
capilar) 
\u3c0t = Pressão oncótica no espaço de 
Bowman. 
 
 
 
Em virtude de a concentração de proteínas no ultrafiltrado glomerular ser 
extremamente baixa, o valor de \u3c0 é desprezível. Então, a força propulsora 
responsável pela ultrafiltração glomerular, ou seja, a PRESSÃO EFETIVA DE 
ULTRAFILTRAÇÃO é dada por: 
PEUF =PCG \u2013 (Pt + \u3c0CG) 
Também pode ser chamada: PUF e PEF 
 
 
 
 
 
 
 
 
\u2192Transporte de Inulina no Néfron 
A inulina é filtrada livremente através do glomérulo e não é reabsorvida, secretada ou 
metabolizada no néfron. 15% a 20% da inulina do plasma é absorvida. 
A filtração glomerular pode ser avaliada pela medida da depuração ou clearance da inulina. 
FISIOLOGIA RENAL 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
Esta medida é feita após infusão endovenosa contínua de inulina, envolvendo as seguintes 
etapas, conforme o exemplo abaixo em seres humanos: 
 
1) Medida do fluxo urinário (V) em ml/min: 1,0 ml/min 
2) Medida da concentração urinária de inulina (Uin): 60 mg/ml 
3) Cálculo da quantidade de inulina excretada por minuto: 
Uin x V = 60 mg/ml x 1,0 ml/min = 60 mg/min 
 
Uma vez que toda a inulina alcançou os rins por filtração e não foi secretada, reabsorvida ou 
metabolizada pelos túbulos renais e a concentração plasmática de inulina (Pin) medida foi de 
0,5 mg/ml, pode-se afirmar que 120ml de plasma foram filtrados por minuto para haver uma 
excreção urinária (Uin x V) de 60 mg/min, ou seja: 
60 mg/min ÷ 5 mg/ml = 60 mg/min x 1 ml/0,5 mg = 120 ml/min 
 
Desta forma, em 1 minuto, 120 ml de plasma e os solutos foram separados por ultrafiltração 
do sangue e das proteínas plasmáticas. Esta medida da filtração glomerular é o 
CLEARANCE DE INULINA, cuja fórmula é esta: 
Cin = Uin x V/Pin. 
 
\uf0d8 Circulação Renal e as Resistências das arteríolas Aferentes e Eferentes 
A) Se o fluxo é constante, a vasoconstrição em um determinado 
ponto causa, anteriormente, um aumento da pressão (P1) e 
posteriormente, uma queda (P2). 
 
B) A constrição da arteríola aferente reduz a PCG e consequentemente 
diminui o RFG. 
 
C) A constrição da arteríola eferente aumenta a PCG elevando o RFG. 
Porém, como a constrição de cada arteríola aumenta a resistência vascular 
renal, o FPR cai tanto em B como em C. A vasodilatação arteriolar tem 
efeitos opostos. 
 
\uf0d8 As camadas por onde o fluido passa durante a filtração: 
\uf0fc Endotélio fenestrado (endotélio capilar) 
\uf0fc Membrana basal 
\uf0fc Podócitos (camada de células epiteliais) 
Em seu conjunto estas três camadas formam uma barreira de filtração que faz a 
depuração renal, por exemplo, deixando passar H2O e solutos, mas permeável a 
proteínas. 
 
\uf0d8 As forças de Starling envolvidas na filtração glomerular e sua resultante, a PEUF: 
O Ritmo de Filtração Glomerular (RFG) é 
governado pela mesma força propulsora que 
determina o movimento de fluido através da 
parede dos capilares sistêmicos, ou seja, o 
balanço entre as pressões Hidrostática e 
Oncótica transcapilares (as chamadas forças 
de Starling). As forças de Starling e não o 
fluxo plasmático glomerular, é que são 
quantitativamente os mais importantes 
determinantes da ultrafiltração glomerular. 
FISIOLOGIA RENAL 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
\uf0d8 O Coeficiente de Ultrafiltração (Kf), que é a permeabilidade à área: 
Está relacionado com a permeabilidade efetiva da parede capilar (k) e com a superfície 
total disponível para a filtração (s), através da expressão: Kf = k x f. 
Ambos os parâmetros (k,s) provavelmente são responsáveis pelo elevado Kf dos dos 
capilares glomerulares. A área capilar glomerular total é estimada em 5.000 a 
15.000 cm2 por 100g de tecido renal, enquanto a área capilar sistêmica corresponde a 
7.000 cm2 por 100g de músculo esquelético. Adicionalmente, por unidade de área, os 
capilares glomerulares são cerca de 100 vezes mais permeáveis à água que os capilares 
musculares. 
 
\uf0d8 Explicar o papel das camadas na composição do ultrafiltrado: 
\uf0fc Endotélio fenestrado: as células endoteliais são ricas em cargas negativas fixas 
o que impede a passagem de proteínas plasmáticas, mas deixando passar H2O, 
sódio e pequenos solutos. 
\uf0fc Membrana basal: circunda todo o endotélio sendo constituída por uma rede 
de fibras colágenas e proteoglicanas, com amplos espaços pelo qual podem 
ser filtradas grandes quantidades de H2O e solutos, sendo uma barreira para 
proteínas. 
\uf0fc Podócitos: camada epitelial de células em forma de pés, sendo separadas por 
lacunas denominadas poros em fenda pelo qual passa o filtrado glomerular, 
aqui monócitos e macromoléculas são filtrados. 
 
\uf0e0Peptídeo Atrial Natriurético (ANP) 
Os miócitos atriais liberam o Peptídeo Atrial Natriurético, em resposta ao aumento