Fisiologia Renal
34 pág.

Fisiologia Renal


DisciplinaFisiologia I26.462 materiais221.158 seguidores
Pré-visualização11 páginas
para o lúmen tubular. 
 
 
 
\uf0b7 Túbulo Distal e Ducto Colector 
Aproximadamente 10% de Na+ e 20% de água são reabsorvidos ao longo deste segmento; no 
entanto, é nesta parte do néfron que ocorre a regulação da reabsorção de Na+ e de água. 
 
O Túbulo Distal Inicial tem muitas características da alça de Henle ascendente 
espessa, e reabsorve sódio, cloreto, cálcio e magnésio, mas é praticamente 
impermeável à água e à uréia. Os Túbulos Distais Finais e os Túbulos Coletores 
Corticais são compostos de 2 tipos de células: as células principais e as células 
intercaladas. As células principais reabsorvem o sódio do lúmen e secretam 
íons potássio para o lúmen. As células intercaladas reabsorvem íons potássio e 
bicarbonato do lúmen e secretam íons hidrogênio no lúmen. CONTROLE \u201cADH\u201d 
 
 
Os Ductos Coletores medulares reabsorvem 
ativamente o sódio e secretam íons hidrogênio e 
são permeáveis à uréia, que é reabsorvida nestes 
segmentos tubulares. A reabsorção de água nos ductos coletores 
medulares é controlada pela concentração de hormônio e 
antidiurético. 
FISIOLOGIA RENAL 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Mecanismos de reabsorção de sódio 
 
 
 
 
Reabsorção de Água: 
Ocorre por osmose, quando os solutos são transportados para fora do túbulo, ou seja, para 
dentro da célula tubular tanto por transporte primário quanto secundário, a concentração 
dentro do túbulo tende a diminuir e a concentração dentro da célula tubular tende a 
aumentar, isto cria um diferencial do gradiente de concentração iônico que por sua vista 
provoca a osmose da água no sentido de maior concentração, ou seja, dentro da célula 
tubular. A água como é uma molécula pequena e muito solúvel através da membrana celular, 
ela passa livremente através da própria célula. 
 A alta permeabilidade à água correlaciona-se com a presença das aquaporinas (canais 
de água) presentes em ambas as membranas (apical e basolateral). A reabsorção transtubular 
de água é seguida pelo transporte de fluido do interstício para o sangue capilar, transporte 
este conduzido por forças de Starling. 
 Note-se que, ao contrário do que acontece na maioria dos capilares do corpo, no rim 
os capilares especializados na filtração e na reabsorção estão anatomicamente separados: 
capilares glomerulares filtram e os capilares peritubulares absorvem. A pressão oncótica dos 
capilares peritubulares também regula uma fracção de fluido absorvido ao longo do epitélio. 
 
Reabsorção de Sódio e Glicose: 
O Na+ é reabsorvido por intermédio de uma proteína, que ao mesmo tempo também 
transporta a glicose para dentro da célula. Quando tanto o sódio como a glicose ao mesmo 
tempo se ligam a essa proteína, a mesma muda a sua conformação o que permite a entrada de 
ambos para dentro da célula epitelial do túbulo proximal, para então serem reabsorvidos para 
o sangue. 
 Na membrana basolateral há o GLUT NA+ independente, mas o problema desse 
transportador é a sua saturação: quando a glicemia está acima de 180mg/ml, a glicose deixa 
de ser reabsorvida e passa a se apresentar cada vez mais, na urina. 
 
 
FISIOLOGIA RENAL 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
Reabsorção de Sódio e Aminoácidos: 
Se tem uma proteína transportadora de sódio e aminoácidos, este processo é o 
Transporte ativo secundário, pois ambos processos dependem das bombas de 
Na+/K+ ATPase que existem por toda a célula tubular. 
 A finalidade do processo de reabsorção de aminoácidos é a 
preservação máxima destes nutrientes essenciais. Para cada classe de 
aminoácido, existe um transportador específico. 
 
Reabsorção de Cloro: 
Quando o sódio é reabsorvido através da membrana celular para o capilar peritubular, ou seja, 
para fora do lúmen deixa o mesmo com uma carga negativa, o oposto ocorre com liquido 
intersticial que devido ao influxo de sódio fica com carga positiva, esta diferença de carga faz 
com que o cloro (Cl-) que devido a sua carga negativa e atraído pela carga positiva do sódio 
para fora do lúmen, através da via paracelular (através da junção aberta). 
 
Reabsorção de Bicarbonato: 
Nas escovas das células epiteliais renais, tanto do lado interno quanto do lado externo existe a 
enzima anidrase carbônica. 
 -O sódio é reabsorvido junto com o a glicose ou aminoácidos, o restante do sódio é 
transportado do lúmen tubular para as células por mecanismos de contratransporte; 
 -Mecanismo de contratransporte: reabsorve sódio, enquanto secreta outras 
substancias para o lúmen tubular geralmente íons H+ ou seja, influxo de sódio e secreção de 
hidrogênio esta secreção propicia a formação de água e CO2 no lúmen. 
 
 
 
 
O CO2 é permeável à membrana celular, ocorrendo então o seu influxo para dentro da célula, 
dentro da célula o CO2 se combina com H2O. 
 
 
 
 
 
O íon H+ sai da célula através do contratransporte, com o influxo de sódio. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Reabsorção de Potássio: 
O K+ é o principal cátion intracelular e seu metabolismo é fundamental para a manutenção da 
vida. Quando o potássio é jogado na luz do túbulo, necessita ser reabsorvido de modo que a 
calemia mantenha valores regulares entre 3,0 e 5,5 mEq/L. 
 O K+ é reabsorvido em nível dos túbulos proximais e no ramo da alça de Henle (onde há 
o transportador triplo: que reabsorve Na+, K+ e Cl- e é secretado nos túbulos distais e coletores 
corticais. O responsável pelo controle da calemia é a Aldosterona. 
 
FISIOLOGIA RENAL 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
Recirculação da Uréia: 
Mecanismo pelo qual alta concentração de uréia é mantida na 
medula (1) à custa da sua difusão da luz do ducto coletor 
medular interno para a papila e reabsorção ao nível da porção 
fina ascendente da alça de Henle (etapas 1 a 7) e (2) à custa da 
sua retirada do interstício pelos vasa recta, sendo novamente 
filtrada e lançada na luz tubular. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
\uf0e0CLEARENCE RENAL 
O Clearence de uma substância indica o volume virtual de plasma que fica livre da substância, 
em determinada unidade de tempo. Assim, o \u201cClearence\u201d de uma substância é também 
denominado DEPURAÇÃO PLASMÁTICA DA SUBSTÂNCIA. O Clearence pode ser aplicado ao 
organismo inteiro, ou em apenas um órgão. 
Para o conhecimento do CLEARENCE RENAL de uma dada substância, basta medir a 
quantidade absoluta da substância excretada na urina por minuto e relacioná-la com sua 
concentração plasmática: 
 
Cx= 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
\u201cPor meio dessa metodologia, é possível se ter uma idéia dos mecanismos 
responsáveis pela excreção renal de determinada substância.\u201d 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Cx= depuração plasmática da substância X, em ml/min 
Ux= concentração urinária da substância X, em mg/ml 
V= fluxo urinário, em ml/min 
Px= concentração plasmática de substância X, em 
mg/ml 
FISIOLOGIA RENAL 
Resumo \u2013 Alberto Galdino LoL 
REGULAÇÃO DO VOLUME, DO VEC, FLUIDO EXTRACELULAR E 
TONICIDADE CORPORAL 
 
Uma das principais funções dos rins é a manutenção do volume e da tonicidade do FEC (Fluido 
Extracelular), apesar das variações diárias da ingestão de sal e água que ocorrem em um 
indivíduo normal. 
 Enquanto a regulação do volume é relacionada primeiramente com modificação no 
balanço de sódio, a regulação da tonicidade compreende essencialmente modificações no 
balanço de água. 
 É importante regular o volume do FEC para manter a pressão sanguínea, a qual é 
essencial para a adequada perfusão nos tecidos. E é importante regular a tonicidade do FEC, 
pois tanto a HIPOTONICIDADE como a HIPERTONICIDADE causam modificação no volume 
celular, o que compromete a função celular, especialmente no SNC. 
 
Os líquidos corporais estão distribuídos entre dois 
compartimentos: 
LEC \u2013 líquido extracelular 
LIC \u2013 líquido intracelular.