Aviso de Incendio Michel Lowy
83 pág.

Aviso de Incendio Michel Lowy


DisciplinaCiência Política I31.208 materiais585.277 seguidores
Pré-visualização41 páginas
dimensao destrutiva - e ao mesmo tempo uma interrupcao messianica da his­
toria e urn "salto em direcao ao passado": possui 0 poder rnagico da abertura 
iSchliaselmacbii de urn aposento (Gemach) ate entao trancado (verschlossenes), 
de urn acontecimento ate entao esquecido. Encontramos, aqui, a unidade pro­
funda, Intima, messianica, entre a acao revolucionaria no presente e a inter­
vencao da memoria em urn momento determinado do passado!", A 
redescoberta, sob 0 impacto do impulso do movimento feminista dos anos 
1970, de textos esquecidos e "trancados" de Olympe de Gouges - autor de 
panfletos que denunciam a escravidao dos negros e da "Declaracao dos direi­
tos da mulher e da cidada' (1791), guilhotinada pelo Terror em 1793 - eurn 
Suhrkamp) de Frankfurt.Agradeco aosresponsaveis pelaedicaodosmanuscritosde 
Scholem, Karlfried Grunder, Friedrich Nlewohner e Herbert Kopp-Osterbrink a 
gentileza demeautorizarema publicacao de alguns extratosdesses escriros ineditos. 
128 Como observatao bern P. IVERNEL, "a luta de classes e 0 messianismo judaico, nas 
teses, longe de se neutralizarern, se ativarn ou sobretudo se reativamrnutuarnente, 
conduzema linha de fremeda guerracontra a chamadanecessidade historica" ("Pa­
riscapitaledu Front populaireou lavieposthumedu XIX'siecle" em Walter Benja­
min et Paris, cit., p. 271). 
136 
exernplo impressionante. A historiografla oficial da Revolucao Francesa esque­
cera, durante urn seculo e meio, essa figura traglca e subversiva. 
o conceito de sociedade sem classes - com toda sua carga messianica ­
ocupa nessa tese, mas tam bern em todo 0 documento, urn lugar central. Trata­
se de uma referencia politica e historica decisiva, que serve de objetivo para 0 
combate dos oprimidos e de criterio para julgar os sistemas de opressao do 
passado e do presente. Como diz uma das notas: "Sern uma analise, qualquer 
que seja sua forma, da sociedade sem classes, existe apenas uma falsificacao 
historica do passado. Dessa maneira, todo conceito do presente participa do 
conceito do JUlZO Final" (GS 1,3, p. 1245). 
137 
--
TESE XVIII 
"Os miseros cinquenta mil anos do homo sapiens': diz um bi6logo recente, 
"representam, em relacao a hist6ria da vida orgdnica sobre a terra, algo como 
dois segundos ao fim de um dia de vinte e quatro horas. Inscrita nessa escala, a 
hist6ria inteira da bumanidade ciuilizada perfaz um quinto do ultimo segundo 
da ultima hora. " 0 tempo-de-agora que, enquanto modelo do tempo messidnico, 
resume a hist6ria de toda a humanidade numa prodigiosa abreuiacdo, coincide, 
exatamente, com a figura que a bistoria da humanidade ocupa no universo. 
o [etztzeit, "tempo atual", ou "tempo-de-agora", desta vez e definido como 
"modele" ou prefiguracao do tempo messianico, da "lampada eterna", da ver­
dadeira historia universal. Para explicar 0 conceito de interrupcio messianica 
dos acontecimentos, Benjamin remere, em uma das notas, a Focillon, que fala­
va do "breve minuto de plena posse das forrnas" (GS 1,3, 1229). A monada 
messianica e urn breve minuto de plena posse da historia, que prefigura 
o todo, a totalidade salva, a hist6ria universal da humanidade libertada, 
em suma, a historia da salvacao (Heilsgeschichte) de que fala uma das noras 
(GSI, 3, p. 1234). 
Como se sabe, a monada - conceito de origem neoplatonico - segundo 
Leibniz e urn reflexo de todo 0 universo. Examinando esse conceito em 
Das Passagen-U7erk, Benjamin 0 define como "cristal da totalidade dos aeon­
tecimentos" 129. 
Encontramos aqui a ideia de "abreviacao" (Abbreviatur) , a enigmatica 
historischer Zeitraffer. Urna pista interessante a respeito disso e proposta par 
G. Agamben: 0 tempo rnessianico que "resume" (zusammenfassr) toda a histo­
ria da humanidade lembra literalmente 0 conceito cristae de anakephalaiosis, 
"recapirulacao", que aparece em uma das epistolas de Paulo, Ef 1, 10: "Todas 
as coisas se recapitulam no Messias" - de acardo com a traducao de Lutero, 
alle ding zusamen verfasset uiiirde in Christo130. 
o [etztzeit resume todos os momentos messianicos do passado, toda a tra­
129 W. BENJAMIN, Das Passagen-W'erk, cit., p. 575. 
130 G. AGAMBEN, Le temps qui reste, p. 224. 
138 
dicao dos oprirnidos econcentrada, como uma forca redentora, no momenta 
presente, 0 do historiador - ou 0 do revoluclonario!". 
Assim, a sublevacao spartakista de janeiro de 1919 assiste aconstituicao, 
em urn momento de perigo, de uma constelacao unica com 0 [etztzeit da su­
blevacao dos escravos. Mas essa monada, esse breve momento, e urn resumo de 
toda a historia da humanidade como hist6ria da luta dos oprimidos. Por outro 
lado, enquanto interrupcao messianica dos acontecimentos, enquanto breve 
instante de libertacao, esse ato de revolta prefigura a hist6ria universal da hu­
manidade salva. 
Poderiarnos tarnbern considerar a tese IX urn exemplo brilhante do imenso 
resumo da hist6ria da humanidade ate entao, urn cristal da totalidade dos 
acontecimentos catastroficos que constituem 0 fio condutor dessa historia, 
Mas, nessa imagem, a unica prefiguracao da redencao e negativa: a impossibi­
lidade do anjo da historia "despertar os mortos e juntar os destrocos", 
\31	 Ao conrrario de G. Agamben, nao penso que 0 [etztzeit remeta diretarnente it 
expressao ho nun kairos que designa 0 tempo messianico para Paulo no Novo Tes­
tamento - ainda mais porque 0 termo Jetztzeit nao aparece na rraducao de Lutero 
(in dieser Zeit). Algumas sugest6es de Agamben sao muito interessantes, mas ele 
tende a ser muito sistematico. Sua tentariva dedesignar Paulocomo 0 "reologo escondi­
do nas entrelinhas do texto" de Benjamin - 0 que garante a vit6ria do automate da 
tese I - parece-me pouco convincente (ibidem, p. 215). Se as referencias cristas 
estao longe de estar ausentes das teses- a comecar pela figurado Anricrisro - parece­
me diflcilmente contestavel que a teologia aqual Benjamin se refere seja acima de 
rudo judaica. 
139 
--
APENDICE A 
o Historicismo contenta-se em estabelecer um nexo causal entre os diversos 
momentos da historia. Mas nenhum fa to, por ser causa, jd e, so por isso, um fa to 
historico. Ele se tornou tal postumamente, graras a eventos que dele podem estar 
separados por milhares de anos. 0 historiador que parte disso cessa de passar a 
sequencia dos acontecimentos pelos seus dedos como as contas de um rosdrio. Ele 
apreende a constelacdo em que sua propria epoca entrou com uma determinada 
epoca anterior. Ele fundamenta, assim, um conceito de presente como tempo-de­
agora, no qual estdo incrustados estilhacos do tempo messidnico. 
Ea consrelacao entre uma situacao presente e urn acontecirnento do passa­
do que faz deste urn fato historico, Para dar urn exemplo estimado por Benja­
min, e no qual efetivamente "rnilenios" separam 0 historiador do acontecimento 
em questao, a descoberta por Engels, com base nos trabalhos de Morgan, da 
comunidade primitiva como realidade historica importante e inseparavel 
da luta moderna pela nova comunidade - a sociedade sem classes. 
Essa conduta rompe com 0 determinismo limitado dos historicistas e com 
sua visao linear/evolucionista do "curso dos acontecirnentos". Ela descobre 
uma ligacao privilegiada entre 0 passado e 0 presente, que nao e ada causalida­
de, nem a do "progresso" - para 0 qual a comunidade arcaica e apenas uma 
etapa "atrasada" sem interesse atual - mas urn "pacto secrete", em que "brilha 
a centelha da esperanca", 
Os "estilhacos (Splitter) do tempo messianico" sao os momentos de 
revolta, os breves instantes que salvam urn momenta do passado e, ao mesmo 
tempo, eferuam uma inrerrupcao efemera da continuidade historica, uma quebra 
no cerne do presenre'F. Enquanto redencoes fragmentadas, parcials, e1es 
prefigurarn e anunciam a possibilidade da salvacao universal!". 
132 Ver sobre essa questao a esclarecedora interpretacao de F. PROUST: a intervencio