Apostila de Química Geral (2013 )
71 pág.

Apostila de Química Geral (2013 )


DisciplinaCiências4.418 materiais271.117 seguidores
Pré-visualização19 páginas
repetidas da mesma grandeza física, os valores observados (xi) diferem uns dos 
outros e se situam dentro de uma faixa de dispersão, centrada em torno de um valor médio de X ( ), obtido pela 
média aritmética das medidas: 
 
 
 
 
 
 
A dispersão de um experimento é avaliada através de seu desvio padrão (s): 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O desvio padrão é utilizado para comparar a precisão dos resultados. Quanto menor o desvio maior a 
precisão. 
Para uma única medida o desvio é igual ao erro do aparelho (\uf064), que é fornecido pelo fabricante, e na 
ausencia deste dado, convencionalmente, o desvio é igual a metade da sensibilidade (S) do aparelho (metade da 
menor divisão). 
 
 
 
 
 
 INSTITUTO DE ENGENHARIA e TECNOLOGIA - IET 
 
Química Geral 
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO 
HORIZONTE 
Ex: 
Capacidade da bureta de um laboratório: V = 50 mL 
 Graduação = 0,1 mL \u2192 (50,00 ± 0,05) 
 
ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS E NOTAÇÃO CIENTÍFICA 
 
Algarismos significativos são usados para exprimir a exatidão da medida. Os algarismos significativos são 
somente os dígitos permitidos pelo instrumento medidor. 
Em números menores do que 1, os zeros que aparecem entre a vírgula e o primeiro algarismo diferente de 
zero não são significativos; os zeros que aparecem depois dos algarismos diferentes de zero podem ser significativos 
dependo do aparelho utilizado para a realização da medida. 
Ex: (0,0039): dois algarismos significativos 
 (0,3900): cinco algarismos significativos 
 
Números com muito algarismos devem ser expressos preferencialmente em notação científica. Ex: 
1250000 cm-1 \uf0ba 1,25 x 106 cm-1 (sete algarismos significativos) 
1250 cm-1 \uf0ba 1,25 x 104 cm-1 (cinco algarismos significativos) 
 
MEDIDA DE VOLUME DE LÍQUIDOS 
 A capacidade de um aparelho de medida de volume é o volume máximo de líquido que pode ser medido de 
uma só vez. Geralmente a capacidade está gravada no aparelho. 
 Não use um aparelho de capacidade inferior ao valor da medida: medindo duas vezes erra-se mais. 
 Não use aparelho com capacidade muito superior ao valor da medida: prefira um aparelho com capacidade 
igual ou ligeiramente superior. 
 Os aparelhos denominados volumétricos (balão volumétrico e pipeta volumétrica) medem apenas o volume 
igual à capacidade do aparelho, porém com grande exatidão. São empregados principalmente em química analítica. 
O erro que afeta estes aparelhos deve ser determinado experimentalmente ou, o que é mais cômodo, consultando o 
catálogo do fabricante. 
Os aparelhos graduados (proveta, bureta e pipeta graduada) medem volumes iguais à capacidade do aparelho e 
frações da capacidade, de acordo com a escala. 
Os erros que afetam as medidas executadas nos aparelhos graduados podem ser calculados a partir da escala. 
Considera-se a metade da menor divisão da escala (desvio avaliado) como sendo o erro (máximo) que afeta as 
medidas executadas no aparelho. Para calcular o desvio avaliado (erro) de um aparelho graduado utilize a seqüência 
abaixo: 
1. Determine o valor da menor divisão do aparelho; 
2. Escolha um intervalo de volume do aparelho; 
3. Conte o número de divisões existentes no intervalo; 
4. Divida o volume escolhido pelo número de divisões; 
Obs: Muitos aparelhos já contém gravado o valor da menor divisão. 
5. Calcule o desvio avaliado, que será considerado como o erro; 
6. Divida a menor divisão por 2. 
 
Uma proveta cuja menor divisão é 1 mL terá um desvio avaliado de 0,5 mL e este será o erro atribuído a 
todas as medidas efetuadas nela. Portanto, os valores das medidas nela efetuadas, deverão ter, obrigatoriamente, 1 
algarismo após a vírgula. 
O valor de uma medida pode ser afetado por erros do operador ou do aparelho de medida. Os erros do 
operador são minimizados se forem observados os cuidados abaixo: 
\uf0a7 Os aparelhos de medida requerem limpeza esmerada para evitar que parte do líquido a ser vertido fique 
aderida às paredes; 
\uf0a7 Devem ser lavados três vezes com pequenos volumes do líquido a ser medido, para evitar contaminação ou 
diluição; 
\uf0a7 Os aparelhos de medida não devem ser secados em estufa, para que não fiquem descalibrados; 
\uf0a7 Nas medidas de volume, considere o menisco inferior como referência. Se o líquido for fortemente colorido e 
isso não for possível, use o menisco superior; 
\uf0a7 Faça as medidas colocando a marca da graduação, o menisco e seus olhos na mesma linha, para evitar erro 
de paralaxe. 
 
 INSTITUTO DE ENGENHARIA e TECNOLOGIA - IET 
 
Química Geral 
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO 
HORIZONTE 
 
 
Menisco 
inferior para 
líquidos 
incolores 
 
 
 
 
Trabalho Prático \u2013 Parte 1: 
 
Objetivos: 
Conhecer a organização e o funcionamento do laboratório; conhecer as instalações do laboratório; conhecer 
os equipamentos e materiais do laboratório; conhecer as Normas Gerais de Segurança. 
 
Procedimento Experimental: 
 
1- Apresentação do laboratório 
O professor apresentará: 
a) As informações sobre o curso prático, a rotina das aulas, as normas do laboratório, etc. 
b) O laboratório (instalações, organização, sistemas: elétrico, hidráulico, de gás, de exaustão, de 
segurança). 
c) Informações sobre Segurança no Trabalho (normas gerais de segurança e sistema de segurança do 
laboratório). 
d) Os aparelhos, equipamentos e materiais do laboratório. 
 
2- Reconhecimento das instalações e equipamentos do laboratório pelos alunos 
Os alunos examinarão as instalações, os aparelhos e os materiais apresentados. 
a) Localize no laboratório: 
1. O armário dos alunos (onde devem ser guardados os objetos pessoais volumosos). 
2. O quadro de avisos (para divulgação de avisos, gabaritos, notas, etc.). 
3. O chuveiro e o lavador de olhos (equipamentos de segurança). 
4. A capela (para trabalhar com materiais voláteis). 
5. A saída de emergência. 
b) Examine e identifique os equipamentos e materiais colocados nas bancadas dos alunos. 
1. O bico de gás. 
2. O reservatório de água destilada. 
3. Os reagentes (adquiridos no comércio ou preparados no laboratório). 
4. Os refugos (materiais resultantes das experiências nas aulas, para posterior recuperação, inativação ou 
descarte). 
5. Aparelhos de medida de volume. 
6. Materiais para aquecimento. 
7. Bibliografia de química prática (catálogos, handbook, manuais). 
8. Materiais diversos. 
 c) Examine os equipamentos e os materiais apresentados na bancada lateral. 
1. Montagem para filtração simples 
2. Montagem para separação de líquidos imiscíveis. 
3. Material para secagem. 
4. Material para pesagem. 
5. Material de segurança. 
 
 
 
Erro de paralaxe 
 
 
 INSTITUTO DE ENGENHARIA e TECNOLOGIA - IET 
 
Química Geral 
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO 
HORIZONTE 
d) Faça um desenho das seguintes vidrarias 
PIPETA GRADUADA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PIPETA VOLUMÉTRICA 
BURETA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PROVETA 
 
Exercícios de fixação 
 
1. O que é um laboratório? 
 
 
 
 
 
 
2. O que é um laboratório de ensino? 
 
 
 
 
 
 
3. Por que os laboratórios têm que adotar normas se segurança? 
 
 
 
 
 
 
4. Quais são os procedimentos adotados o curso prático para promover a segurança nas aulas práticas? 
 
 
 
 
 
 
 
 INSTITUTO DE ENGENHARIA e TECNOLOGIA - IET 
 
Química Geral 
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO 
HORIZONTE