Guia de Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil
101 pág.

Guia de Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil


DisciplinaEcologia4.598 materiais43.219 seguidores
Pré-visualização34 páginas
(Melinis minutiflora) e o capim-jaraguá 
(Hyparrhenia rufa). 
Observações: Invasora em mais de 40 países. Há referências de 
que seja um problema em mais de 20 tipos de culturas. 
Referências: Instituto Hórus (2009). 
(*) Outros nomes aceitos para a espécie: Megathyrsus maximus e 
Panicum maximum. 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
Aa 
Ab 
Ac 
 
 63 
 
Pennisetum purpureum 
Capim-elefante Ad 
Distribuição natural: África tropical. 
Impactos: Forma densos povoamentos, especialmente em áreas 
úmidas, onde domina o espaço de espécies nativas. 
Observações: Invade áreas encharcadas, canais e outras áreas 
úmidas. É invasora em mais de 20 países. 
Referências: Instituto Hórus (2009) 
 
 
Melinis minutiflora 
Capim-gordura Ae 
 
Distribuição natural: África. 
Impactos: Cresce sobre a vegetação herbácea nativa, causando 
sombreamento e morte dessa vegetação e, assim, deslocando 
espécies nativas de flora e fauna. Também gera aumento da 
quantidade de incêndios no Cerrado, com eliminação tanto das 
plantas nativas quanto do banco de sementes preexistentes no 
solo. Em pesquisa realizada na Estação Ecológica do Jardim 
Botânico de Brasília, detectou-se que a invasão por esta espécie 
interfere no crescimento de espécies nativas, especialmente da 
Cecropia pachystachya. 
Observações: Invade preferencialmente áreas degradadas e 
ecossistemas abertos e ensolarados. É fortemente invasora em 
locais recém-queimados, pois rebrota vigorosamente após os 
incêndios. 
Referências: Instituto Hórus (2009). 
 
Digitaria eriantha 
Capim-pangola Af 
Distribuição natural: África do Sul. 
Impactos: Altamente agressiva, com relatos de problemas em 60 
países, infestando mais de 30 culturas de importância econômica. 
Espécie particularmente hábil no processo de competição, 
causando danos em culturas anuais e em viveiros. Também 
apresenta efeitos alelopáticos sobre várias plantas cultivadas. 
Observações: Invade áreas degradadas, áreas agrícolas e 
vegetação campestre. É invasora no México. 
Referências:Instituto Hórus (2009), Kissmann (1997). 
 
Coleostephus myconis 
Cravo-de-defunto Ag 
Distribuição natural: Região mediterrânea. 
Impactos: Cresce em alta densidade e, por dominância, desloca 
as espécies nativas. 
Observações: Tolerante a geadas, invade terrenos baldios, 
pastagens, hortas e beira de estradas. Prefere solos modificados, 
bem drenados e com boa incidência de luz. Invasora no Japão e na 
região da Galícia. 
Referências: Instituto Hórus (2009). 
 
Impatiens walleriana 
Maria-sem-vergonha, beijo Ah 
Distribuição natural: África (Tanzânia a Moçambique). 
Impactos: Domina completamente áreas sombreadas, 
especialmente em ambientes úmidos, deslocando plantas nativas 
de sub-bosque . 
Observações: A espécie domina o sub-bosque das florestas de 
araucárias (Araucaria angustifolia) em todos os 3 estados do Sul 
do Brasil. 
Referências: Instituto Hórus (2009), Reaser et al. (2005). 
 
 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
A
lv
es
ga
sp
ar
 
Ad 
Ae 
Ag 
Ah 
Ah 
Af 
 
64 
 
 
 
 
 
Furcraea foetida 
Pita, piteira Ai 
 
Distribuição natural: norte da América do Sul e América 
Central. 
Impactos: Avança sobre áreas rupestres, deslocando bromélias e 
vegetação rupestre. Quando em alta densidade, impede o 
deslocamento da fauna.. 
Observações: Invasora nos Estados Unidos (Havaí), nas Ilhas 
Fiji, nas Ilhas de Santa Helena e nas Ilhas Maurício. 
Referências: Instituto Hórus (2009). 
 
Agave sisalana 
Sisal 
Distribuição natural: México (Península de Yucatán). 
Impactos: Expulsão de espécies nativas por ocupação do espaço 
e adensamento. 
Observações: Invade preferencialmente regiões costeiras. 
Invasora em ilhas e em arquipélagos no Oceano Pacífico (Havaí, 
Polinésia, Micronésia), na África do Sul e na Austrália. 
Referências: Instituto Hórus (2009). 
 
Cyperus rotundus 
Tiririca, alho-bravo Aj 
Distribuição natural: Provavelmente originária da Índia. 
Impactos: Os indivíduos desta espécie produzem toxinas que 
afetam a germinação, a brotação e o desenvolvimento de outras 
espécies. A espécie também pode ser hospedeira alternativa para 
fungos do gênero Fusarium e para diversas espécies de 
nematoides. 
Observações: Invade hortas, jardins, pomares e lavouras. 
Invasora em Samoa, na Austrália, na Nova Zelândia, em Niue, nas 
Ilhas Cook, nas Ilhas Galápagos, na Micronésia, em Fiji, na 
Polinésia Francesa, em Guam, no Havaí, em Kiribati, nas Ilhas 
Marshall, em Nauru, na Nova Caledônia, em Palau, nas Filipinas, 
em Samoa, em Tonga, no Camboja, no Chile, na China, na 
Colômbia, na Indonésia, no Japão, na Malásia, no México, em 
Brunei, no Peru, em Singapura, na Tailândia, no Vietnã e nas Ilhas 
Maurício. 
Referências: Instituto Hórus (2009). 
 
Tradescantia zebrina 
Trapoeraba-roxa, lambaril 
Distribuição natural: América Central e México. 
Impactos: Dificulta a regeneração natural de espécies nativas. 
Observações: Invade preferencialmente os sub-bosques de 
formações florestais em regeneração, alterando as condições para 
o estabelecimento de plântulas de espécies nativas. É invasora 
nos Estados Unidos (Havaí), no Equador (Arquipélago de 
Galápagos), em Fiji, nas Ilhas Cook e na França (Polinésia 
Francesa). 
Referências: Instituto Hórus (2009), Toledo Filho et al. (2008). 
 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
Ai 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
Aj 
 
 65 
 
TREPADEIRA 
 
Cryptostegia grandiflora 
Alamanda-roxa Ak 
Distribuição natural: Sudoeste de Madagascar. 
Impactos: Desenvolve-se sobre as copas de árvores nativas, 
impedindo a passagem de luz e levando-as à morte por 
sombreamento excessivo, pelo peso de sua cobertura e/ou por 
asfixia, quando os ramos se enrolam ao redor dos troncos. A 
redução da intensidade luminosa também limita ou até anula a 
regeneração natural. 
Observações: Invasora na Austrália, no leste da África, no Egito, no 
Marrocos, nas Ilhas Maurício, na Índia, no sudeste da Ásia, no 
México, nos Estados Unidos, na França (Nova Caledônia) e nas Ilhas 
Fiji. 
Referências: Instituto Hórus (2009) 
 
 
 
 
Ak 
F
o
re
st
 S
ta
rr
 a
n
d
 K
im
 S
ta
rr
 
 
66 
 7.3. 
 Maiores ameaças de plantas 
 
 
Nim \u2013 Azadirachta indica 
A espécie popularmente conhecida como nim 
é uma árvore nativa da Índia e do sudoeste 
asiático que foi introduzida no Brasil na década 
de 1980 pelo Instituto Agronômico do Paraná 
(Iapar) por meio de sementes originárias das 
Filipinas e, posteriormente, teve seu cultivo 
implantado nas regiões