Curso Básico de Astrologia vol. II   Marion D. March & Joan McEvers
275 pág.

Curso Básico de Astrologia vol. II Marion D. March & Joan McEvers


DisciplinaAstrologia646 materiais2.212 seguidores
Pré-visualização50 páginas
o indivíduo se torna consciente da força e da intensidade de 
Plutão, começa a se destacar na multidão como alguém com quem é possível se 
identificar, como foi o caso dos presidentes John F. Kennedy e Gerald Ford. 
Veja o mapa de Kennedy na página 86. 
 
Lição 6 
 
Destaques - Ausência de um 
Aspecto Específico, 
Configurações e Marca Final 
Ausência de Algum Aspecto Específico 
 
Um planeta sem quadraturas, oposições, conjunções, quincúncios, trígonos ou 
sextis é facilmente detectado no aspectário do seu horóscopo; na verdade, isso 
também é um destaque. A falta de um aspecto específico não é muito importante 
quando se trata de trígonos ou sextis, mas é definitivamente percebida pela 
pessoa quando não há quadraturas ou oposições. Sentimos que existe algo 
faltando no horóscopo. Nesse caso, a questão passa a ser: é possível colocar outra 
coisa no lugar do que falta? Podemos nos arranjar a despeito da falta? 
 
Ausência de Quadraturas. Se usarmos o significado básico de qualquer 
aspecto orientando-nos pela roda plana, veremos que, na realidade, a quadratura 
é Áries versus Câncer ou Capricórnio. Áries, signo de fogo, voltado para o "eu", 
faz quadratura com Câncer, um suave signo de água. Mas o que a água faz com o 
fogo? Apaga-o. Como se sente Áries quando alguém tenta eliminá-lo? Fica 
bravo, bravo o suficiente para tomar alguma providência. E o que acontece rio 
confronto entre Capricórnio, sossegado, pé-no-chão, mas ambicioso, e Áries, 
esquentado e cabeçudo? O que faz a terra com o fogo? Do mesmo jeito que a 
água, apaga-o, tentando abafá-lo. E Áries, mais uma vez, julgando-se o melhor e 
mais importante dos signos \u2014 afinal, é o número 1 do zodíaco \u2014 percebe que 
precisa lutar para não ser extinto. E por isso que a quadratura demonstra tanta 
tensão e desafio, e é por 
isso que precisamos de quadraturas para nos tomarmos algo, para lutarmos pela 
sobrevivência, ou mesmo para superarmos a forte influência de nossos pais, 
representados astrologicamente pela quarta e pela décima, as Casas de 
Câncer/Capricórnio. 
As pessoas que não têm quadraturas no mapa não percebem essa ausência; 
na verdade, sua vida pode ser tão difícil quanto a dos outros, mas elas dizem 
que tudo está perfeito, a vida é boa e é bom estar vivo. As tensões ou 
apreensões inatamente percebidas pelos outros parecem estar ausentes. Como 
não há quadraturas para pressioná-las a superar obstáculos, preferem ignorar 
todas as dificuldades e viver em paz com o status quo. A única dificuldade é 
que, quando surge um problema verdadeiro, elas não sabem como lidar com ele 
\u2014 ou fogem dele ou interiorizam os seus sentimentos. Não estão acostumadas 
a lutar ou encarar um problema de frente; a menos que o mapa apresente outros 
pontos fortes (conjunções e/ou oposições), é possível que não realizem muita 
coisa nesta vida. Alguns exemplos de pessoas famosas (ou infames) com falta 
de quadraturas são o tenente Calley, tristemente envolvido no episódio de 
MiLai \u2014 que não tinha nem quadraturas nem oposições \u2014, o aviador Charles 
Lindbergh (veja seu mapa abaixo), o poeta Ogden Nash, a rainha do glamour 
Marlene Dietrich e o empresário de ópera Rudolf Bing. 
 
Ausência de Oposições. Voltando à roda plana, vemos agora Áries, pioneiro 
e voltado para o eu, tentando dizer ao mundo que não precisa de ninguém, até 
que um dia percebe que seu fogo não arde sem ser alimentado pelo ar de Libra. 
Pode ser que ele venha com a força toda, enfurecendo Libra a ponto de 
provocar uma chuva de raios, mas acaba percebendo que homem nenhum é uma 
ilha; no fim das contas, Áries é representado por Marte e Libra por Vênus, e não 
há nada mais divertido do que juntar Marte e Vênus. Assim, as oposições nos 
ensinam a adquirir consciência dos outros e, dessa forma, a adquirir consciência 
também de nossas próprias necessidades. Áries precisa do ar de Libra, porém 
Libra precisa do calor de Áries. Áries precisa de Libra para acrescentar 
elegância e estilo à sua natureza um pouco agressiva. Libra precisa de Áries 
para deixar de adiar as coisas; juntos, um tira proveito da polaridade do outro. 
Quando não há oposições, a necessidade de adquirir essa consciência e de se 
relacionar com os outros não é inata, e precisa ser aprendida através do difícil 
caminho da experiência. Mas como essas pessoas não percebem que têm 
dificuldade em se relacionar, acham honestamente que têm uma excelente 
compreensão 
 
dos outros e dos seus parceiros conjugais ou de negócios. De repente, quando se 
defrontam com o fato de que alguma coisa vai mal, realmente não sabem do que 
o parceiro está falando. Como muitas vezes saem magoadas, é possível que 
fujam de relacionamentos íntimos, porque "não dá certo mesmo". Como sempre, 
é preciso procurar fatores compensatórios, tais como fortes quadraturas, que 
forcem essas pessoas a olharem de frente a si mesmas e as suas deficiências. A 
atriz Fanny Brice, tão bem retratada por Barbra Streisand (nenhuma oposição; 
veja seu mapa na página 89) em Funny Girl e Funny Lady, é um bom exemplo. 
Outros exemplos são os atores Montgomery Clift e Dustin Hoffman, a escritora e 
conferencista Helen Keller, a atéia Madelyn Murray O'Hare, o assistente da Casa 
Branca Hamilton Jordan e o ditador Benito-Mussolini. 
 
Ausência de Conjunções. Há muitos mapas sem conjunções. Qualquer mapa 
muito espalhado pode não ter conjunções. Esse tipo de mapa pode indicar alguém 
muito versátil; uma porta se fecha, mas outra se abre. A conjunção representa o 
impulso e a ação inerentes a dois planetas colocados em Áries na primeira Casa. 
Quando esta configuração está ausente, é possível que a pessoa disperse as 
energias ou se torne muito diversificada. Entretanto, uma boa quadratura pode 
compensar essa ausência. As atrizes Nina Foch e Mia Farrow, o pianista Ignace 
Paderewski e o ator Clint Eastwood, cujo mapa está na página 90, servem como 
exemplos. 
Ausência de Quincunces. No mapa plano, o quincúncio se relaciona com Áries 
versus Virgem, ou Áries versus Escorpião. Áries é ativo, cardeal e de fogo; 
Virgem é passivo, mutável e de terra; Escorpião é passivo, fixo e de 
 
água. Tudo é diferente \u2014 esses signos não têm nada em comum, e portanto é 
particularmente difícil para eles se relacionarem e entenderem as necessidades e 
desejos do outro. Áries, mais uma vez, fica na defensiva, pois a terra e a água 
ameaçam seu fogo. Porém, o aspecto não é angular, e assim a ameaça é mais 
psicológica (a casa de Escorpião é a oitava) ou mental (a Casa de Virgem é a 
sexta). Nossas palavras-chave favoritas para os quincúncios são "ajustes", 
quando do uso positivo, e "acordos", quando do uso negativo. As pessoas sem 
quincúncios no mapa nem sabem o que significa se ajustar às necessidades ou 
desejos dos outros. De vez em quando podem sentir remorso ou desconforto, 
como se soubessem que se espera algo delas, mas não sabem exatamente o que, 
porque basicamente só pensam em seus próprios sentimentos. Alguns bons 
exemplos são o artista francês Maurice Chevalier, o vidente Edgar Cayce, os 
atores Montgomery Clift e Orson Welles, o escritor Jess Steam e o diretor Alfred 
Hitchcock. O mapa de Orson Welles está na página 91. 
 
Ausência de Trígonos ou Sextis. É raro encontrar um mapa que não tenha nem 
trígonos nem sextis. Muitos mapas não têm um dos dois; nesse caso, um 
compensa o outro. Os assim chamados aspectos desfavoráveis nos dão o estímulo 
necessário para as realizações, enquanto os trígonos proporcionam facilidade e 
fluidez e os sextis propiciam as oportunidades para um boa utilização dos 
aspectos desfavoráveis. Os sextis e trígonos servem como bons canais de vazão 
para as tensões manifestadas pelos aspectos mais desfavoráveis. Assim, quando 
um dos dois está faltando, pode ser que o indivíduo tenha que se esforçar um 
pouco mais para se realizar; porém, a menos que os dois estejam