Prova Objetiva G1 com gabarito
9 pág.

Prova Objetiva G1 com gabarito


DisciplinaSociedade e Contemporaneidade483 materiais3.231 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Prova Objetiva G1
\ufffd
1
A sociedade contemporânea se  caracteriza pela forte individualização, a procura pessoal por soluções aos problemas pessoais e pela privatização do público, onde o que deveria ser usufruído por todos, uma vez que todos fazem parte do processo de construção, é usufruído por um pequeno grupo que se vincula e controla diretamente os processos de produção e de poder. Neste sentido, podemos considerar como outra característica marcante da estrutura da sociedade contemporânea a \u201cdeserção social\u201d o que por sua vez se caracteriza por:
Peso: 1.0
    A mobilização inédita dos indivíduos e grupos, colocando-se como uma das principais características do que podemos chamar de \u201cneoindividualismo.
    A mobilização social massiva e espontânea fruto da presença inquestionável de ideologias claras que conseguem \u201cditar\u201d os caminhos para os indivíduos e grupos.
    Ideologias claras e evidentes que norteiam cada grupo social e a cada individuo diante dos desafios da contemporaneidade.
    A desmobilização e despolitização de indivíduos e grupos, colocando-se como um traço característico do \u201cneoindividualismo\u201d contemporâneo, fruto da ausência de uma ideologia clara que oriente os rumos de indivíduos e grupos.
    Todas as alternativas estão corretas
\ufffd
2
No contexto da sociedade de consumo, parece que os indivíduos e grupos se situam e ganham um espaço no mesmo adquirindo dado produto. Atualmente os grupos e indivíduos da sociedade contemporânea passam a se personificar através da aquisição de objetos e signos, e neste sentido eles consomem para se situar e se sentir pertencendo à coletividade, ao mundo e ao sistema cultural.  Considerando esta característica da sociedade atual, e especificamente no âmbito dos meios de comunicação de massa e das redes sociais, percebemos que:
I.               Existe um processo no qual se estabelecem padrões, se dirigem condutas e comportamentos que contribuem inclusive para gerar ações de consumo sem crítica e reflexão, favorecendo desta forma o desenvolvimento do lucro, atinente a uma economia de mercado.
II.            Repetem-se os mesmos padrões de conduta social, uma vez que os meios de comunicação de massa não alteraram os objetivos e signos para a promoção do consumo em massa.  Portanto, se mantém um mesmo grau de crítica e reflexão o que tem, em certa medida, freado e restringido a economia de mercado. 
III.           Na contemporaneidade, os grupos e indivíduos passam a se personificar através da aquisição de uma maior consciência crítica e participativa, deixando de lado o consumo exacerbado e sem sentido de qualquer tipo de objetos e signos que o mercado oferece, isso lhes ajuda diretamente a fazer parte da coletividade, ao mundo, ao sistema cultural.
IV.          Os meios de comunicação de massa e as redes sociais não possuem instrumentos, signos e objetos suficientes que permitam qualquer tipo de alteração da conduta social em indivíduos e coletividades. Os grupos e indivíduos se personificam através da solidariedade espontânea e da participação democrática no interior dos seus grupos culturais.
Esta(ão) correta(s) a(s) alternativa(s):
Peso: 1.0
    Somente a alternativa I está correta
    Somente a alternativa II está correta
    Somente a alternativa III está correta
    Somente a alternativa II e III está correta
    Somente a alternativa I e IV está correta
\ufffd
3
A expressão \u201csociedade pós-industrial\u201d uma vez que consideremos e reconheçamos os conflitos e contradições que o industrialismo estava apresentando por não conseguir responder as demandas e determinantes da sociedade capitalista em seu desenvolvimento no processo de suas relações de produção, diante disso, um grupo de estudiosos da sociologia trouxe novas concepções para que pudéssemos compreender e identificar melhor o que é \u201csociedade pós-industrial\u201d.  Baseado nestas afirmações, podemos dizer que algumas das principais características da sociedade pós-industrial foram:
 
I.       A centralização do sujeito produtivo. Retomando velhas formas de sociabilidade.
II.    A descentralização. A pulverização de centros que estabelece novas formas de sociabilidade a partir do predomínio da Internet e de novos dispositivos de comunicação móvel.
III.    A centralização de novos centros produtivos na qual se restabelecem as mesmas formas de convívio social se utilizando dos mesmos dispositivos de comunicação social.
IV.   Não existe mais a prevalência de um sujeito antagônico privilegiado.
Peso: 1.0
    Somente a alternativa I está correta.
    Somente a alternativa II está correta.
    Somente a Alternativa II e III está correta.
    Somente as Alternativas II e IV está correta.
    Nenhuma das Alternativas está correta correta.
\ufffd
4
No capítulo \u201cRedes Sociais na Era Digital\u201d, do livro texto da disciplina de Sociedade e Contemporaneidade, são apresentados argumentos acerca das formas de comunicação em tempos digitais através de ambientes virtuais em que \u201co espaço das funções de mediação social \u2013 antes exclusivamente exercidas por instituições, organizações e leis \u2013 está sendo invadido pelas novas relações de mediação simbólica, geradas a partir do sistema de comunicações em redes digitais, que influenciam o comportamento, a percepção do mundo e as relações sociais de novo tipo que emergem e se impõem na mesma proporção em que cresce o acesso da população mundial aos novos meios de comunicação-relação rede\u201d (p. 29). Nesse sentido, sobre a chamada era digital é possível afirmar que:
Peso: 1.0
    essa nova realidade, que acontece em escala exclusivamente local, tem possibilitado aos indivíduos formas de interações através de redes digitais;
    são mediações que se caracterizam pelo ritmo desacelerado ao produzirem as relações sociais;
    demarca um certo predomínio das funções analógicas sobre as funções digitais;
    a comunicação on-line em tempo real comprime o tempo-espaço, alterando a percepção que as pessoas têm da realidade.
    sistema de comunicação e transportes inviabilizou o acesso à informação e a mobilidade de grupos sociais.
\ufffd
5
O pensador Stuart Hall \u2013 teórico cultural jamaicano que tem debruçando-se sobre temáticas que envolvem preconceito racial, mídia, identidades, globalização e estudos culturais \u2013 na obra \u201cA centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo\u201d (1997) afirma que \u201ca mídia encurta a velocidade com que as imagens viajam, as distâncias para reunir bens, a taxa de realização de lucros (reduzindo o \u201ctempo de turn-over do capital\u201d), e até mesmo os intervalos entre os tempos de abertura das diferentes Bolsas de Valores ao redor do mundo \u2014 espaços de minutos em que milhões de dólares podem ser ganhos ou perdidos. Para o autor a globalização:
Peso: 1.0
    corresponde ao processo de modernização das cidades;
    esta relacionada estritamente as mudanças ocorridas no campo da cultura;
    envolve a constituição da sociedade da informação e da comunicação especialmente no rompimento de fronteiras entre países;
    restringe-se a compreensão das relações entre o simbólico e o status social;
    proporciona uma nova forma de lidar com os trabalhadores/operários centrais nesta nova sociedade industrial.
\ufffd
6
O sociólogo polonês Zygmunt Bauman professor emérito de sociologia da Universidade de Leeds, na Inglaterra, é um dos pensadores que atualmente têm produzido obras refletindo sobre os tempos contemporâneos \u2013 em sua obra \u201cVida para Consumo: a transformação das pessoas em mercadorias\u201d (2008) propôs-se a analisar como a sociedade de produtores da modernidade foi gradualmente se transformando em uma sociedade de consumidores. Nessa nova organização social, os indivíduos se tornam ao mesmo tempo promotores de mercadorias e também as próprias mercadorias que promovem, e todos habitam o espaço social que costumamos descrever como \u201co mercado\u201d. O mercado é, então, uma instância