Quadro comparativo CPC 1973 x CPC 2015
300 pág.

Quadro comparativo CPC 1973 x CPC 2015


DisciplinaDireito Processual Civil I43.116 materiais748.588 seguidores
Pré-visualização50 páginas
que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas 
para novocpc@medina.adv.br. 
84 
CPC/1973 CPC/2015 
§ 1º O valor incontroverso deverá continuar sendo pago no tempo e modo 
contratados. 
 
§ 2o O devedor ou arrendatário não se exime da obrigação de pagamento 
dos tributos, multas e taxas incidentes sobre os bens vinculados e de outros 
encargos previstos em contrato, exceto se a obrigação de pagar não for 
de sua responsabilidade, conforme contrato, ou for objeto de suspensão 
em medida liminar, em medida cautelar ou antecipação dos efeitos da 
tutela. 
 
Seção II Seção II 
Do Pedido Do Pedido 
Art. 293. Os pedidos são interpretados restritivamente, compreendendo-se, 
entretanto, no principal os juros legais. 
Art. 322. O pedido deve ser certo. 
 § 1º Compreendem-se no principal os juros legais, a correção monetária e as verbas de 
sucumbência, inclusive os honorários advocatícios. 
 § 2º A interpretação do pedido considerará o conjunto da postulação e observará o 
princípio da boa-fé. 
Art. 290. Quando a obrigação consistir em prestações periódicas, considerar-
se-ão elas incluídas no pedido, independentemente de declaração 
expressa do autor; se o devedor, no curso do processo, deixar de pagá-las 
ou de consigná-las, a sentença as incluirá na condenação, enquanto durar 
a obrigação. 
Art. 323. Na ação que tiver por objeto cumprimento de obrigação em prestações sucessivas, 
essas serão consideradas incluídas no pedido, independentemente de declaração 
expressa do autor, e serão incluídas na condenação, enquanto durar a obrigação, se o 
devedor, no curso do processo, deixar de pagá-las ou de consigná-las. 
Art. 286. O pedido deve ser certo ou determinado. É lícito, porém, formular 
pedido genérico: 
Art. 324. O pedido deve ser determinado. 
 § 1º É lícito, porém, formular pedido genérico: 
I - nas ações universais, se não puder o autor individuar na petição os bens 
demandados; 
I \u2013 nas ações universais, se o autor não puder individuar os bens demandados; 
II - quando não for possível determinar, de modo definitivo, as conseqüências 
do ato ou do fato ilícito; 
II \u2013 quando não for possível determinar, desde logo, as consequências do ato ou do fato; 
III - quando a determinação do valor da condenação depender de ato que 
deva ser praticado pelo réu. 
III \u2013 quando a determinação do objeto ou do valor da condenação depender de ato que 
deva ser praticado pelo réu. 
 § 2º O disposto neste artigo aplica-se à reconvenção. 
Art. 287. Se o autor pedir que seja imposta ao réu a abstenção da prática de 
algum ato, tolerar alguma atividade, prestar ato ou entregar coisa, poderá 
requerer cominação de pena pecuniária para o caso de descumprimento 
da sentença ou da decisão antecipatória de tutela (arts. 461, § 4o, e 461-A). 
 
Art. 288. O pedido será alternativo, quando, pela natureza da obrigação, o 
devedor puder cumprir a prestação de mais de um modo. 
Art. 325. O pedido será alternativo quando, pela natureza da obrigação, o devedor puder 
cumprir a prestação de mais de um modo. 
Parágrafo único. Quando, pela lei ou pelo contrato, a escolha couber ao 
devedor, o juiz Ihe assegurará o direito de cumprir a prestação de um ou de 
outro modo, ainda que o autor não tenha formulado pedido alternativo. 
Parágrafo único. Quando, pela lei ou pelo contrato, a escolha couber ao devedor, o juiz lhe 
assegurará o direito de cumprir a prestação de um ou de outro modo, ainda que o autor 
não tenha formulado pedido alternativo. 
Art. 289. É lícito formular mais de um pedido em ordem sucessiva, a fim de 
que o juiz conheça do posterior, em não podendo acolher o anterior. 
Art. 326. É lícito formular mais de um pedido em ordem subsidiária, a fim de que o juiz 
conheça do posterior, quando não acolher o anterior. 
 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 1.a versão (18.03.2015). É permitida a distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente 
trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas 
para novocpc@medina.adv.br. 
85 
CPC/1973 CPC/2015 
 Parágrafo único. É lícito formular mais de um pedido, alternativamente, para que o juiz 
acolha um deles. 
Art. 292. É permitida a cumulação, num único processo, contra o mesmo réu, 
de vários pedidos, ainda que entre eles não haja conexão. 
Art. 327. É lícita a cumulação, em um único processo, contra o mesmo réu, de vários pedidos, 
ainda que entre eles não haja conexão. 
§ 1o São requisitos de admissibilidade da cumulação: § 1º São requisitos de admissibilidade da cumulação que: 
I - que os pedidos sejam compatíveis entre si; I \u2013 os pedidos sejam compatíveis entre si; 
II - que seja competente para conhecer deles o mesmo juízo; II \u2013 seja competente para conhecer deles o mesmo juízo; 
III - que seja adequado para todos os pedidos o tipo de procedimento. III \u2013 seja adequado para todos os pedidos o tipo de procedimento. 
§ 2o Quando, para cada pedido, corresponder tipo diverso de 
procedimento, admitir-se-á a cumulação, se o autor empregar o 
procedimento ordinário. 
§ 2º Quando, para cada pedido, corresponder tipo diverso de procedimento, será admitida 
a cumulação se o autor empregar o procedimento comum, sem prejuízo do emprego das 
técnicas processuais diferenciadas previstas nos procedimentos especiais a que se sujeitam 
um ou mais pedidos cumulados, que não forem incompatíveis com as disposições sobre o 
procedimento comum. 
 § 3º O inciso I do § 1º não se aplica às cumulações de pedidos de que trata o art. 326. 
Art. 291. Na obrigação indivisível com pluralidade de credores, aquele que 
não participou do processo receberá a sua parte, deduzidas as despesas na 
proporção de seu crédito. 
Art. 328. Na obrigação indivisível com pluralidade de credores, aquele que não participou 
do processo receberá sua parte, deduzidas as despesas na proporção de seu crédito. 
Art. 294. Antes da citação, o autor poderá aditar o pedido, correndo à sua 
conta as custas acrescidas em razão dessa iniciativa. 
Art. 329. O autor poderá: 
 I \u2013 até a citação, aditar ou alterar o pedido ou a causa de pedir, independentemente de 
consentimento do réu; 
 II \u2013 até o saneamento do processo, aditar ou alterar o pedido e a causa de pedir, com 
consentimento do réu, assegurado o contraditório mediante a possibilidade de 
manifestação deste no prazo mínimo de 15 (quinze) dias, facultado o requerimento de 
prova suplementar. 
 Parágrafo único. Aplica-se o disposto neste artigo à reconvenção e à respectiva causa de 
pedir. 
Seção III Seção III 
Do Indeferimento da Petição Inicial Do Indeferimento da Petição Inicial 
Art. 295. A petição inicial será indeferida: Art. 330. A petição inicial será indeferida quando: 
I - quando for inepta; I \u2013 for inepta; 
II - quando a parte for manifestamente ilegítima; II \u2013 a parte for manifestamente ilegítima; 
III - quando o autor carecer de interesse processual; III \u2013 o autor carecer de interesse processual; 
IV - quando o juiz verificar, desde logo, a decadência ou a prescrição (art. 
219, § 5o); 
 
V - quando o tipo de procedimento, escolhido pelo autor, não corresponder 
à natureza da causa, ou ao