Quadro comparativo CPC 1973 x CPC 2015
300 pág.

Quadro comparativo CPC 1973 x CPC 2015


DisciplinaDireito Processual Civil I43.148 materiais749.192 seguidores
Pré-visualização50 páginas
e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas 
para novocpc@medina.adv.br. 
10 
CPC/1973 CPC/2015 
Parágrafo único. Se Estado ou o Distrito Federal for o demandado, a ação poderá ser 
proposta no foro de domicílio do autor, no de ocorrência do ato ou fato que originou a 
demanda, no de situação da coisa ou na capital do respectivo ente federado. 
 
Parágrafo único. Correndo o processo perante outro juiz, serão os autos 
remetidos ao juiz competente da Capital do Estado ou Território, tanto que 
neles intervenha uma das entidades mencionadas neste artigo. 
 
Excetuam-se: 
I - o processo de insolvência; 
II - os casos previstos em lei. 
Art. 100. É competente o foro: Art. 53. É competente o foro: 
I - da residência da mulher, para a ação de separação dos cônjuges e a 
conversão desta em divórcio, e para a anulação de casamento; 
I \u2013 para a ação de divórcio, separação, anulação de casamento e reconhecimento ou 
dissolução de união estável: 
a) de domicílio do guardião de filho incapaz; 
b) do último domicílio do casal, caso não haja filho incapaz; 
c) de domicílio do réu, se nenhuma das partes residir no antigo domicílio do casal; 
 
II - do domicílio ou da residência do alimentando, para a ação em que se 
pedem alimentos; 
II \u2013 de domicílio ou residência do alimentando, para a ação em que se pedem alimentos; 
III - do domicílio do devedor, para a ação de anulação de títulos extraviados 
ou destruídos; 
 
IV - do lugar: III \u2013 do lugar: 
a) onde está a sede, para a ação em que for ré a pessoa jurídica; a) onde está a sede, para a ação em que for ré pessoa jurídica; 
b) onde se acha a agência ou sucursal, quanto às obrigações que ela 
contraiu; 
b) onde se acha agência ou sucursal, quanto às obrigações que a pessoa jurídica contraiu; 
c) onde exerce a sua atividade principal, para a ação em que for ré a 
sociedade, que carece de personalidade jurídica; 
c) onde exerce suas atividades, para a ação em que for ré sociedade ou associação sem 
personalidade jurídica; 
d) onde a obrigação deve ser satisfeita, para a ação em que se Ihe exigir o 
cumprimento; 
d) onde a obrigação deve ser satisfeita, para a ação em que se lhe exigir o cumprimento; 
 e) de residência do idoso, para a causa que verse sobre direito previsto no respectivo 
estatuto; 
 f) da sede da serventia notarial ou de registro, para a ação de reparação de dano por ato 
praticado em razão do ofício; 
V - do lugar do ato ou fato: IV \u2013 do lugar do ato ou fato para a ação: 
a) para a ação de reparação do dano; a) de reparação de dano; 
b) para a ação em que for réu o administrador ou gestor de negócios alheios. b) em que for réu administrador ou gestor de negócios alheios; 
Parágrafo único. Nas ações de reparação do dano sofrido em razão de 
delito ou acidente de veículos, será competente o foro do domicílio do autor 
ou do local do fato. 
V \u2013 de domicílio do autor ou do local do fato, para a ação de reparação de dano sofrido 
em razão de delito ou acidente de veículos, inclusive aeronaves. 
Art. 101. Revogado pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996: 
Seção IV Seção II 
Das Modificações da Competência Da Modificação da Competência 
 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 1.a versão (18.03.2015). É permitida a distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente 
trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas 
para novocpc@medina.adv.br. 
11 
CPC/1973 CPC/2015 
Art. 102. A competência, em razão do valor e do território, poderá modificar-
se pela conexão ou continência, observado o disposto nos artigos seguintes. 
Art. 54. A competência relativa poderá modificar-se pela conexão ou pela continência, 
observado o disposto nesta Seção. 
Art. 103. Reputam-se conexas duas ou mais ações, quando Ihes for comum 
o objeto ou a causa de pedir. 
Art. 55. Reputam-se conexas 2 (duas) ou mais ações quando lhes for comum o pedido ou a 
causa de pedir. 
 § 1º Os processos de ações conexas serão reunidos para decisão conjunta, salvo se um deles 
já houver sido sentenciado. 
 § 2º Aplica-se o disposto no caput: 
 I \u2013 à execução de título extrajudicial e à ação de conhecimento relativa ao mesmo ato 
jurídico; 
 II \u2013 às execuções fundadas no mesmo título executivo. 
 § 3º Serão reunidos para julgamento conjunto os processos que possam gerar risco de 
prolação de decisões conflitantes ou contraditórias caso decididos separadamente, 
mesmo sem conexão entre eles. 
Art. 104. Dá-se a continência entre duas ou mais ações sempre que há 
identidade quanto às partes e à causa de pedir, mas o objeto de uma, por 
ser mais amplo, abrange o das outras. 
Art. 56. Dá-se a continência entre 2 (duas) ou mais ações quando houver identidade quanto 
às partes e à causa de pedir, mas o pedido de uma, por ser mais amplo, abrange o das 
demais. 
Art. 105. Havendo conexão ou continência, o juiz, de ofício ou a 
requerimento de qualquer das partes, pode ordenar a reunião de ações 
propostas em separado, a fim de que sejam decididas simultaneamente. 
Art. 57. Quando houver continência e a ação continente tiver sido proposta anteriormente, 
no processo relativo à ação contida será proferida sentença sem resolução de mérito, caso 
contrário as ações serão necessariamente reunidas. 
Art. 106. Correndo em separado ações conexas perante juízes que têm a 
mesma competência territorial, considera-se prevento aquele que 
despachou em primeiro lugar. 
Art. 58. A reunião das ações propostas em separado far-se-á no juízo prevento, onde serão 
decididas simultaneamente. 
 Art. 59. O registro ou a distribuição da petição inicial torna prevento o juízo. 
Art. 107. Se o imóvel se achar situado em mais de um Estado ou comarca, 
determinar-se-á o foro pela prevenção, estendendo-se a competência 
sobre a totalidade do imóvel. 
Art. 60. Se o imóvel se achar situado em mais de um Estado, comarca, seção ou subseção 
judiciária, a competência territorial do juízo prevento estender-se-á sobre a totalidade do 
imóvel. 
Art. 108. A ação acessória será proposta perante o juiz competente para a 
ação principal. 
Art. 61. A ação acessória será proposta no juízo competente para a ação principal. 
Art. 109. O juiz da causa principal é também competente para a 
reconvenção, a ação declaratória incidente, as ações de garantia e outras 
que respeitam ao terceiro interveniente. 
 
Art. 110. Se o conhecimento da lide depender necessariamente da 
verificação da existência de fato delituoso, pode o juiz mandar sobrestar no 
andamento do processo até que se pronuncie a justiça criminal. 
 
Parágrafo único. Se a ação penal não for exercida dentro de 30 (trinta) dias, 
contados da intimação do despacho de sobrestamento, cessará o efeito 
deste, decidindo o juiz cível a questão prejudicial. 
 
Art. 111. A competência em razão da matéria e da hierarquia é inderrogável 
por convenção das partes; mas estas podem modificar a competência em 
razão do valor e do território, elegendo foro onde serão propostas as ações 
oriundas de direitos e obrigações. 
 
Art. 62. A competência determinada em razão da matéria, da pessoa ou da função é 
inderrogável por convenção