Eletricidade   CPMA.COMUNIDADES.NET
276 pág.

Eletricidade CPMA.COMUNIDADES.NET


DisciplinaEletricidade4.720 materiais23.112 seguidores
Pré-visualização50 páginas
tempo. O que chamamos de momento linear era chamado por Newton de
quantidade de movimento do corpo, sendo proporcional ao produto de sua massa
por sua velocidade em relac¸a\u2dco ao espac¸o absoluto. Este livro fundamental de
Newton marca uma nova etapa na f´\u131sica, com ela atingindo um alto n´\u131vel de
precisa\u2dco e se estendendo a novos dom\u131´nios.
No Principia Newton apresenta as coliso\u2dces e as forc¸as de contato como exem-
plos de interac¸o\u2dces satisfazendo ao princ´\u131pio de ac¸a\u2dco e reac¸a\u2dco. Para interac¸o\u2dces
a` dista\u2c6ncia ele discute a gravidade e o magnetismo. Neste u´ltimo caso suas
palavras sa\u2dco as seguintes:25
24[New90, pa´g. 16].
25[New90, pa´g. 28].
59
Em atrac¸o\u2dces demonstro isso brevemente de acordo com o que segue.
Suponha que um obsta´culo e´ colocado de modo a evitar o encontro
de quaisquer dois corpos \ud434, \ud435, que se atraem. Enta\u2dco, se qualquer
dos corpos, tal como \ud434, e´ mais atra´\u131do na direc¸a\u2dco do outro corpo
\ud435 do que o outro corpo \ud435 o e´ na direc¸a\u2dco do primeiro corpo \ud434, o
obsta´culo sera´ mais fortemente empurrado pela pressa\u2dco do corpo \ud434
do que pela pressa\u2dco do corpo \ud435, e, portanto, na\u2dco permanecera´ em
equil´\u131brio; mas a pressa\u2dco mais intensa prevalecera´ e fara´ o sistema
dos dois corpos, juntamente com o obsta´culo, mover-se diretamente
para as partes onde se encontra; e em espac¸os livres, os fara´ ir para
a frente in in\ufb01nitum com um movimento continuamente acelerado,
o que e´ absurdo e contra´rio a` primeira Lei. Pois, pela primeira Lei,
o sistema deve continuar em seu estado de repouso, ou movimento
uniforme em linha reta; e assim conclui-se que os corpos devem pres-
sionar igualmente o obsta´culo, e ser igualmente atra´\u131dos um pelo
outro. Fiz a experie\u2c6ncia com magnetita e ferro. Se esses, colocados
separadamente em recipientes adequados, \ufb02utuam, um pro´ximo ao
outro, em a´gua parada, nenhum deles propelira´ o outro; mas, por
serem igualmente atra´\u131dos, sustentara\u2dco a pressa\u2dco um do outro, e
\ufb01nalmente repousara\u2dco em equil´\u131brio.
Na Questa\u2dco 8 de seu livro O´ptica, Newton descreve algumas experie\u2c6ncias
relacionadas com eletricidade:26
Questa\u2dco 8. Todos os corpos \ufb01xos na\u2dco emitem luz e brilham quando
sa\u2dco aquecidos ale´m de um certo grau? E essa emissa\u2dco na\u2dco e´ efetu-
ada pelos movimentos vibrato´rios de suas partes? E todos os cor-
pos que abundam em partes terrestres, e especialmente em partes
sulfu´reas, na\u2dco emitem luz ta\u2dco frequentemente quanto essas partes
sa\u2dco su\ufb01cientemente agitadas, seja essa agitac¸a\u2dco produzida por calor,
por fricc¸a\u2dco, percussa\u2dco, putrefac¸a\u2dco ou por qualquer movimento vital
ou outra causa qualquer? [...] Assim tambe´m um globo de vidro
com cerca de 8 ou 10 polegadas de dia\u2c6metro [20 a 25 cm], colocado
em uma armac¸a\u2dco onde se possa gira´-lo rapidamente ao redor de seu
eixo, brilhara´ ao girar nas partes onde e´ friccionado contra a palma
da ma\u2dco aplicada a ele. E se, ao mesmo tempo, um pedac¸o de pa-
pel branco ou de pano branco, ou a ponta do dedo, for mantido a`
dista\u2c6ncia de aproximadamente 1/4 de polegada ou 1/2 de polegada
[0,6 ou 1,2 cm] da parte do vidro onde ele esta´ em maior movimento,
o vapor ele´trico excitado pela fricc¸a\u2dco do vidro contra a ma\u2dco sera´ (ao
ser lanc¸ado com forc¸a contra o papel branco, o pano ou o dedo) agi-
tado de tal modo que emitira´ luz e tornara´ o papel branco, o pano
ou o dedo lu´cidos como um vaga-lume; e, arremessado para fora do
vidro, empurrara´ o dedo de forma sens´\u131vel. E as mesmas coisas te\u2c6m
sido veri\ufb01cadas friccionando-se um cilindro longo e largo de vidro
26[New96, pa´gs. 252-253].
60
ou a\u2c6mbar com um papel e prosseguindo-se a fricc¸a\u2dco ate´ o vidro se
aquecer.
Na Questa\u2dco 31 ele tambe´m menciona a eletricidade, neste caso enfatizando
as interac¸o\u2dces mu´tuas a` dista\u2c6ncia entre os corpos:27
Questa\u2dco 31. Na\u2dco te\u2c6m as pequenas part´\u131culas dos corpos certos po-
deres, virtudes ou forc¸as por meio dos quais elas agem a` dista\u2c6ncia na\u2dco
apenas sobre os raios de luz, re\ufb02etindo-os, refratando-os e in\ufb02ectindo-
os, mas tambe´m umas sobre as outras, produzindo grande parte dos
feno\u2c6menos da natureza? Pois sabe-se que os corpos agem uns sobre
os outros pelas ac¸o\u2dces da gravidade, do magnetismo e da eletricidade;
e esses exemplos mostram o teor e o curso da natureza, e na\u2dco tor-
nam improva´vel que possa haver mais poderes atrativos ale´m desses.
Porque a natureza e´ muito consonante e conforme a si mesma. Na\u2dco
examino aqui o modo como essas atrac¸o\u2dces podem ser efetuadas. O
que chamo de atrac¸a\u2dco pode-se dar por impulso ou por algum outro
meio que desconhec¸o. Uso esta palavra aqui apenas para expressar
qualquer forc¸a pela qual os corpos tendem um para o outro, seja qual
for a causa. Pois devemos aprender, pelo exame dos feno\u2c6menos da
natureza, quais corpos se atraem e quais sa\u2dco as leis e propriedades
da atrac¸a\u2dco, antes de investigar a causa pela qual a atrac¸a\u2dco se efetua.
As atrac¸o\u2dces da gravidade, do magnetismo e da eletricidade alcanc¸am
dista\u2c6ncias bem percept´\u131veis, e assim te\u2c6m sido observadas pelos olhos
comuns, podendo haver outras que alcanc¸am dista\u2c6ncias ta\u2dco peque-
nas que escaparam a` observac¸a\u2dco ate´ aqui; e talvez a atrac¸a\u2dco ele´trica
possa alcanc¸ar essas dista\u2c6ncias m\u131´nimas mesmo sem ser excitada
pela fricc¸a\u2dco.
Tambe´m no Principia ele mencionou as atrac¸o\u2dces ele´tricas. Citamos aqui
algumas partes. No Livro III, Proposic¸a\u2dco VII, Teorema VII:28
Proposic¸a\u2dco VII. Teorema VII
Que ha´ um poder da gravidade pertencente a todos os corpos, pro-
porcional a`s va´rias quantidades de mate´ria que eles conte\u2c6m.
[...]
Corola´rio I - Portanto, a forc¸a da gravidade em direc¸a\u2dco a qualquer
planeta inteiro surge de, e e´ composta de, forc¸as de gravidade em
direc¸a\u2dco a todas as suas partes. Atrac¸o\u2dces magne´ticas e ele´tricas nos
da\u2dco exemplos disto, pois toda atrac¸a\u2dco em direc¸a\u2dco ao todo surge das
atrac¸o\u2dces em direc¸a\u2dco a`s va´rias partes. [...]
No Esco´lio Geral ao \ufb01nal do livro ele volta a mencionar a eletricidade, mais
uma vez enfatizando as atrac¸o\u2dces ele´tricas mu´tuas entre os corpos:29
27[New96, pa´gs. 274-275].
28[New08, pa´gs. 203-204].
29[New08, pa´gs. 331].
61
E agora poder´\u131amos acrescentar alguma coisa concernente a um certo
esp´\u131rito muito sutil que penetra e \ufb01ca escondido em todos os corpos
grandes, por cuja forc¸a e ac¸a\u2dco as part´\u131culas dos corpos atraem-se
umas a`s outras quando se encontram a dista\u2c6ncias pro´ximas e se
unem se esta\u2dco cont´\u131guas; e os corpos ele´tricos operam a dista\u2c6ncias
maiores, tanto repelindo quanto atraindo os corpu´sculos vizinhos; e
a luz e´ emitida, re\ufb02etida, refratada, in\ufb02etida e aquece os corpos; e
toda sensac¸a\u2dco e´ excitada e os membros dos corpos animais movem-se
ao comando da vontade, propagada pelas vibrac¸o\u2dces deste esp´\u131rito ao
longo dos \ufb01lamentos so´lidos dos nervos, a partir dos o´rga\u2dcos sensoriais
externos ate´ o ce´rebro e do ce´rebro aos mu´sculos. Mas estas sa\u2dco
coisas que na\u2dco podem ser explicadas em poucas palavras. Tambe´m
na\u2dco dispomos de uma quantidade su\ufb01ciente de experie\u2c6ncias que e´
necessa´ria para determinar com precisa\u2dco e demonstrar mediante que
leis opera este esp´\u131rito ele´trico e ela´stico.
De tudo isto pode-se concluir que para Newton a eletricidade tinha um papel
fundamental nos principais feno\u2c6menos naturais.
62
Cap´\u131tulo 4
Atrac¸o\u2dces e Repulso\u2dces
Ele´tricas
4.1 Existe Repulsa\u2dco Ele´trica?
Ate´ o momento todas as experie\u2c6ncias descritas neste livro foram de atrac¸a\u2dco entre
corpos. Mas os feno\u2c6menos ele´tricos sa\u2dco caracterizados tambe´m pela repulsa\u2dco.
Experie\u2c6ncia 4.1
Uma forma bem pra´tica de se observar a repulsa\u2dco e´ com uma simples tira
de pla´stico com 10 ou 20 cm de comprimento por 2 cm de largura, por exemplo.
Ela \ufb01ca dependurada ao meio por um espeto de churrasco horizontal, la´pis, ou
dedo indicador, Figura 4.1 (a). Agora atritamos as duas partes da tira com
o mesmo material (passando cada uma delas entre os dedos,