Eletricidade   CPMA.COMUNIDADES.NET
276 pág.

Eletricidade CPMA.COMUNIDADES.NET


DisciplinaEletricidade4.733 materiais23.233 seguidores
Pré-visualização50 páginas
(b) Encostam-se as cartolinas dos dois eletrosco´pios e nada acontece. (c)
Afastam-se os dois eletrosco´pios e as tirinhas continuam levantadas.
Experie\u2c6ncia 6.28
Carrega-se um eletrosco´pio negativamente como na Experie\u2c6ncia 6.2 e outro
positivamente como na Experie\u2c6ncia 6.8. Depois que as tirinhas estiverem levan-
tadas, os dois canudos atritados devem ser afastados. Agora encostam-se as duas
cartolinas uma na outra. Observa-se que as duas tirinhas se abaixam, Figura
6.30 (b)! Os eletrosco´pios podem ser afastados que as duas tirinhas permane-
cem abaixadas. Isto indica que os dois eletrosco´pios que estavam eletrizados
com cargas opostas foram descarregados pelo contato mu´tuo. Esta experie\u2c6ncia
165
e´ como se fosse o oposto das Experie\u2c6ncias 6.24 e 6.26. Isto e´, nestas u´ltimas
experie\u2c6ncias t´\u131nhamos dois corpos inicialmente neutros que ao \ufb01nal do processo
\ufb01caram eletrizados com cargas opostas. Ja´ na experie\u2c6ncia atual temos dois ele-
trosco´pios inicialmente eletrizados com cargas opostas, sendo que ao \ufb01nal do
processo eles \ufb01cam neutralizados.
(b)(a)
- - -
+
+ +
(c).
Figura 6.30: (a) Um eletrosco´pio positivo e outro negativo. (b) Ao se tocarem,
as tirinhas abaixam. (c) Apo´s a separac¸a\u2dco as tirinhas permanecem abaixadas,
indicando que os eletrosco´pios se descarregaram.
Experie\u2c6ncia 6.29
Carrega-se um u´nico eletrosco´pio negativamente como na Experie\u2c6ncia 6.2,
tal que \ufb01que bem eletrizado. Isto e´ indicado pela grande inclinac¸a\u2dco da tirinha
em relac¸a\u2dco a` vertical, Figura 6.31 (a). Em seguida toca-se a cartolina deste
eletrosco´pio carregado na cartolina de um outro eletrosco´pio que estava inicial-
mente descarregado. Observa-se que a tirinha do primeiro eletrosco´pio se abaixa
um pouco em relac¸a\u2dco a` inclinac¸a\u2dco inicial, mas continua levantada em relac¸a\u2dco
a` sua cartolina. Ja´ a tirinha do segundo eletrosco´pio passa a \ufb01car um pouco
levantada, Figura 6.31 (b). Apo´s a separac¸a\u2dco, as duas tirinhas permanecem le-
vantadas, Figura 6.31 (c). Isto indica que os dois eletrosco´pios esta\u2dco carregados.
Mas o primeiro eletrosco´pio \ufb01cou com menos carga no \ufb01nal do processo, do que a
carga que possu´\u131a no in´\u131cio. Esta quantidade de carga e´ indicado pela inclinac¸a\u2dco
da tirinha em relac¸a\u2dco a` vertical. Ou seja, um eletrosco´pio carregado perde um
pouco de sua carga ao transfer´\u131-la para um segundo eletrosco´pio inicialmente
descarregado.
Se eles forem afastados ao \ufb01nal do processo, as duas tirinhas va\u2dco permanecer
um pouco levantadas. Ao aproximar lentamente um canudo negativamente atri-
tado das duas tirinhas, pode-se perceber que as duas sera\u2dco repelidas pelo canudo,
indicando que os dois eletrosco´pios \ufb01caram negativamente carregados. Como a
inclinac¸a\u2dco do primeiro eletrosco´pio diminuiu em relac¸a\u2dco ao seu estado inicial,
enquanto que surgiu uma inclinac¸a\u2dco na tirinha do segundo eletrosco´pio, isto
sugere, pela Experie\u2c6ncia 6.9, que saiu carga negativa do primeiro eletrosco´pio,
sendo ela transferida para o segundo eletrosco´pio.
O mesmo efeito ocorre ao fazer o contato entre um eletrosco´pio positivamente
carregado e outro eletrosco´pio inicialmente descarregado.
Experie\u2c6ncia 6.30
166
(b)(a) (c).
Figura 6.31: (a) Um eletrosco´pio carregado e outro descarregado. (b) Con-
tato entre as cartolinas (c) Separac¸a\u2dco apo´s o contato. As duas tirinhas \ufb01cam
levantadas, mas com inclinac¸a\u2dco menor do que no caso (a).
Pode-se fazer uma variac¸a\u2dco das Experie\u2c6ncias 6.14 e 6.15. Mante\u2c6m-se os ele-
trosco´pios \ud43c e \ud43c\ud43c de costas um para o outro, separados de uns 15 cm, com as
tirinhas para o lado de fora. Eles devem estar inicialmente descarregados e na\u2dco
deve haver nenhuma ligac¸a\u2dco entre eles nesta experie\u2c6ncia. Apo´s esta preparac¸a\u2dco,
carrega-se apenas o eletrosco´pio \ud43c ao raspa´-lo com um canudo pla´stico previ-
amente eletrizado no cabelo, Experie\u2c6ncia 6.2. A tirinha deste eletrosco´pio vai
\ufb01car levantada e a do \ud43c\ud43c vai permanecer abaixada, Figura 6.32 (a). Em se-
guida, afasta-se o canudo eletrizado. Pega-se agora um segundo canudo, neutro,
que deve enta\u2dco ser apoiado sobre os dois eletrosco´pios. Depois que isto ocorre,
observa-se que a tirinha do eletrosco´pio \ud43c permanece levantada do mesmo jeito,
e a tirinha do \ud43c\ud43c permanece abaixada, Figura 6.32 (b).
(a) (b)
Figura 6.32: (a) Carrega-se apenas o eletrosco´pio \ud43c. (b) Coloca-se um canudo
neutro ligando os dois eletrosco´pios, observando que nada se altera.
Experie\u2c6ncia 6.31
Repete-se a Experie\u2c6ncia 6.30 carregando apenas um dos eletrosco´pios, sendo
que inicialmente na\u2dco ha´ ligac¸a\u2dco alguma entre os dois eletrosco´pios, Figura 6.33
(a).
So´ que agora os dois eletrosco´pios na\u2dco mais va\u2dco ser ligados por um canudo
neutro. Em vez disto, corta-se um canudo neutro pela metade tal que \ufb01que com
uns 10 cm de comprimento, sendo ele atravessado por um espeto de madeira ou
167
(a) (b)
Figura 6.33: (a) Carrega-se apenas o eletrosco´pio \ud43c. (b) Coloca-se um espeto
recoberto por um canudo ligando os dois eletrosco´pios, tomando-se o cuidado
para tocar apenas no canudo que o envolve. Observa-se que a tirinha do \ud43c
abaixa um pouco e a tirinha do \ud43c\ud43c se levanta um pouco.
por um \ufb01o de cobre desencapado tendo uns 20 cm de comprimento. As bordas
do espeto ou do \ufb01o devem sair para fora das duas extremidades do canudo.
Depois disto, sem tocar mais no espeto ou no \ufb01o, segura-se o canudo pelo centro
e apoia-se o sistema sobre as cartolinas dos dois eletrosco´pios, Figura 6.33 (b).
Isto deve ser feito tal que apenas o espeto ou o \ufb01o \ufb01quem apoiados sobre as
cartolinas. Quando ocorre este contato, o que se observa e´ que a tirinha do
eletrosco´pio \ud43c abaixa um pouco, com a tirinha do eletrosco´pio \ud43c\ud43c levantando
um pouco. No \ufb01nal as duas tirinhas va\u2dco \ufb01car igualmente levantadas, sendo que
elas \ufb01cam menos levantadas do que a tirinha do eletrosco´pio \ud43c na Figura 6.33
(a).
Deve-se prestar atenc¸a\u2dco especial em dois aspectos nesta experie\u2c6ncia. O pri-
meiro e´ o de na\u2dco tocar com as ma\u2dcos nas cartolinas dos eletrosco´pios, nem no
espeto ou no \ufb01o dentro do canudo. O segundo cuidado e´ que, por precauc¸a\u2dco,
deve-se envolver o espeto ou o \ufb01o meta´lico com dois ou tre\u2c6s canudos. O motivo
para isto e´ que nem sempre os canudos sa\u2dco perfeitamente isolantes. Logo, pode
ocorrer uma descarga parcial ou total pela ma\u2dco ao apoiar o espeto sobre os dois
eletrosco´pios, sendo que a carga do eletrosco´pio passaria pela ma\u2dco atravessando
a espessura do canudo pla´stico, sendo descarregada para a Terra. Quando se co-
locam dois ou tre\u2c6s canudos ao redor do espeto, garante-se um isolamento maior
do canudo.
Na Experie\u2c6ncia 6.30 na\u2dco houve transfere\u2c6ncia de carga ele´trica entre o ele-
trosco´pio \ud43c e o \ud43c\ud43c ligados por um canudo pla´stico. Ja´ na Experie\u2c6ncia 6.31
observa-se que quando o eletrosco´pio \ud43c perde um pouco de carga, o eletrosco´pio
\ud43c\ud43c ganha um pouco de carga.
Estas experie\u2c6ncias ilustram de forma qualitativa a conservac¸a\u2dco de carga
ele´trica. Quando dois corpos condutores de mesmo formato e tamanho esta\u2dco
igualmente carregados com cargas de mesmo sinal, eles na\u2dco se descarregam ao
entrarem em contato. Por outro lado, caso as cargas sejam de sinais opostos e
de mesma intensidade, os dois condutores va\u2dco se descarregar simultaneamente
168
apo´s o toque, \ufb01cando neutros eletricamente. Caso apenas um deles esteja inici-
almente carregado, enta\u2dco com o toque entre eles vai ocorrer uma transfere\u2c6ncia
parcial de carga do corpo eletrizado para o corpo neutro. Ao \ufb01nal do processo
os dois corpos va\u2dco \ufb01car eletrizados com carga de mesmo sinal.
6.10 Gray e a Conservac¸a\u2dco da Carga Ele´trica
Talvez o primeiro a fazer uma experie\u2c6ncia mostrando qualitativamente a con-
servac¸a\u2dco de cargas tenha sido Gray em 1735.8 Ele dependurou um garoto por
\ufb01os de seda tal que o garoto \ufb01casse deitado no ar, suspenso por estes isolantes.
Ao lado do garoto \ufb01cava um homem em pe´ sobre um suporte isolante feito de