A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
ResumoProcesso-Civil-N2[1]

Pré-visualização | Página 1 de 3

EXECUÇÃO DE TÍTULO 
EXTRAJUDICIAL 
Forma Títulos Competência Defesa Retenção 
Não se aplica 
execução 
provisória, nem 
liquidação de 
sentença. 
Petição 
inicial + 
memória 
atualizada. 
Rol do Art. 
585, CPC. 
A 
propositur
a de ação 
relativa ao 
débito 
constante 
do título 
executivo 
não inibe 
o credor 
de 
promover 
execução. 
Art. 585, 
§1º. 
De acordo com as 
regras fixadas 
para o processo 
de conhecimento. 
A competência é 
relativa. 
O foro da praça 
de pagamento do 
título é 
competente, 
exceto se as 
partes 
convencionarem 
outro. 
Se o título não 
indica a praça, 
será o domicílio 
do réu. 
Art. 622 X 
766 – O art. 
766 
prevalece 
(mais novo), 
pode 
apresentar a 
defesa 
(embargos), 
sem garantir 
o juízo, no 
prazo de 15 
dias. 
Embargos por 
retenção, 
pelas 
benfeitorias 
feitas. Art. 
628, CPC. 
Não há 
sincretismo. 
Petição inicial -
> CITAÇÃO, 
etc. 
Tem que 
apresentar os 
valores 
(memória), 
corrigidos 
(atualizada). 
Indicação da 
espécie de 
execução. 
Nulidade 
Art. 618: 
Se carece de 
requisito da 
execução; 
Se não 
houver 
Citação; 
Se o credor 
cobra antes 
de cumprir 
(não há 
excesso, 
gera 
nulidade). 
Inércia no 
prazo de 10 
dias, a contar 
da citação = 
gera busca e 
apreensão / 
imissão na 
posse. 
Partes 
Exeqüente 
Credor. Art. 566, CPC. 
Legitimidade ativa ordinária. 
É o beneficiário do título 
extrajudicial. 
Ministério Público – 
legitimidade ativa 
extraordinária – como 
substituto processual. Eg: 
pelo interesse de incapazes. 
Executado 
Devedor. Aquele que não 
adimpliu a obrigação 
constante no título 
extrajudicial. 
Art. 612 ao 
620, CPC. 
 
 
EXECUÇÃO PARA ENTREGA DE COISA CERTA 
Art. 621 ao 628 
CPC. 
Satisfação da 
obrigação 
Depósito Satisfação do 
credor 
Terceiros Outras 
hipóteses 
Devedor será 
CITADO para: 
Satisfazer a 
obrigação ou 
garantir o juízo e 
apresentar embargos 
(737, CPC). 
Se o devedor 
entrega a 
coisa, 
extingue a 
execução, 
salvo se 
houver frutos 
ou 
ressarciment
os a serem 
pagos, caso 
em que 
prossegue. 
Ao invés 
de 
entregar, 
pode 
depositar, 
se quiser 
opor 
embargos. 
O 
exeqüente 
não pode 
retirar a 
coisa até o 
julgame-
nto dos 
embargos 
Se a coisa não é 
entregue ou 
depositada e não 
h.á efeito 
suspensivo nos 
embargos, o juiz 
expedirá o 
mandado de 
busca e 
apreensão 
(móveis) ou 
imissão na posse 
(imóveis). 
Alienação 
após a lide. 
Expede-se 
mandado 
contra o 
terceiro, 
adquirente, 
para 
primeiro 
depositar a 
coisa e 
depois ser 
ouvido. 
Se a coisa não 
foi entregue, 
pereceu, 
desapareceu 
ou não foi 
reclamada de 
terceiro = 
Credor tem 
direito a 
conversão em 
perdas e 
danos + valor 
da coisa. 
Juiz pode fixar, ao 
despachar a inicial, 
multa-diária 
(astreintes), com 
valor alterável se 
insuficiente ou 
excessiva. 
Art. 627, §§1º 
e 2º 
Se do título o 
valor da coisa 
ou se é 
impossível a 
avaliação, o 
credor 
procede a 
uma 
estimativa, 
sujeita ao 
arbitramento 
do judicial e 
que serão 
apurados em 
liquidação 
(valor da 
coisa e 
prejuízos). 
Liquidação 
prévia 
É obrigatória 
se houverem 
benfeitorias 
feitas pelo 
devedor ou 
por terceiro, 
que tinha a 
coisa consigo. 
Saldo 
Havendo 
saldo em 
favor do 
devedor, o 
credor deve 
depositá-lo 
quando pede 
a coisa. 
Havendo 
saldo em 
favor do 
credor, 
poderá cobrá-
-lo nos 
mesmos 
autos. 
Obs: Conversão em perdas e danos 
= execução por quantia certa. 
EXECUÇÃO PARA ENTREGA DE COISA INCERTA - ART. 629, CPC 
Escolha Forma 
Art. 244, CC. 
Se a coisa não está individualizada, o DEVEDOR a elegerá. 
À partir da individualização da coisa, segue a forma da execução de 
coisa certa. 
Se a escolha do devedor causa prejuízo, o CREDOR tem 48 horas para impugnar, 
a contar da intimação do ato. 
Havendo lide quanto à coisa incerta, o Juiz determinará e tornará a coisa certa. 
Se entrega a coisa = extingue a obrigação. 
Se deposita ao juízo = se exime de responsabilidade. 
Se não se manifesta = busca e apreensão / imissão na posse. 
 
 
 
 
 
EXECUÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER 
Art. 632 a 638; 644 e 645 do CPC Perdas e Danos Obrigação fungível Obrigação Infungível Personalíssima 
Devedor é citado para realizar a 
obrigação no prazo que o juiz fixar, 
razoável, se não houver estipulação 
no título ou outro já determinado. 
O valor desta será 
apurado em 
liquidação. Depois 
segue para a 
execução para 
cobrança de 
quantia certa. 
Art. 634 – O credor 
pode requerer, se o 
fato puder ser 
realizado por 3º, que o 
juiz fixe, à custa do 
executado. 
Prestado o fato, o juiz 
ouvirá as partes no 
prazo de 10 dias se 
não houver impugna-
ção, caso em que 
decidirá primeiro a 
impugna-ção 
O juiz pode fixar multa-
diária contra o devedor. 
Para compelir o devedor 
e por ser mais barata e 
eficaz do que a 
conversão em perdas e 
danos ou determinação 
para terceiro fazer. 
A multa não se limita ao 
valor da obrigação. Pode 
alterar se for insuficiente 
ou exacerbada. Art. 644 
e 645, CPC. 
Se pactuado que o 
devedor faça 
pessoalmente, o 
credor pede que o 
fixe prazo. 
Havendo recusa ou 
mora, converte-se 
em perdas e danos. 
Se não realiza no prazo, o credor 
pode pedir, nos mesmo autos, que 
seja executada por 3º a custa do 
devedor ou a conversão em perdas e 
danos. 
Art. 612 ao 620, CPC. 
EXECUÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE NÃO FAZER 
Não devia ter feito (x ato), pois havia contrato, ou a lei, que obrigava a se abster. 
CPC não fixa prazo p/ desfazer. Credor pede ao Juiz para citar e fixar o prazo. 
Havendo recusa ou mora - credor pede que desfaça ou que terceiro desfaça à custa 
do credor. Se houver conversão em perdas e danos, quando impossível desfazer, 
será execução por quantia certa. 
Juiz pode usar medidas assecuratórias (busca e apreensão / imissão na posse), bem 
como fixar multa-diária (art. 645). 
 
 
EXECUÇÃO POR QUANTIA CERTA CONTRA 
DEVEDOR SOLVENTE 
Art. 646 ao 724, CPC Procedimento Citação e Intimação Arresto Penhora 
Solvente = tem 
patrimônio. Visa 
expropriar bens do 
devedor para 
satisfazer o credor. 
(591, CPC) 
Art. 652, CPC: 
Devedor é 
citado para, 
em 03 dias da 
ciência da 
citação, 
efetuar o 
pagamento. 
Em caso de 
pagamento 
integral 
extingue a 
execução e 
terá a verba 
honorária 
reduzida pela 
metade. 
CITAÇÃO: Somente por 
Oficial de justiça e 
Edital (art. 222). Caso 
não pague, o oficial 
procede à penhora e 
avaliação de bens, lavra 
o auto e intima na 
mesma oportunidade, o 
executado. 
INTIMAÇÃO: ao 
advogado do executado 
e, não tendo, será 
pessoalmente ao 
devedor. 
Se o Oficial não achar o 
devedor para intimar da 
penhora, o juiz pode 
dispensar a intimação ou 
determinar outra 
diligência. 
Não encontrado - Oficial 
faz o arresto dos bens 
que garantam a 
execução. Nos 10 dias 
seguintes procurará o 
devedor, se não 
encontra, certifica o fato. 
Credor tem 10 dias da 
intimação do arresto p/ 
pedir a citação por 
edital, que ao fim, terá 
03 dias p/ pagar ou se 
converte o arresto em 
penhora. (art. 653). 
Na execução é uma 
pré-penhora, é 
diferente do arresto 
como medida 
cautelar. 
O devedor não pode 
nomear bens à 
penhora, apenas 
pedir a substituição 
(art. 656, CPC). 
O credor pode, na 
inicial, indicar os 
bens, seguindo