Novo CPC Comentado
604 pág.

Novo CPC Comentado


DisciplinaIntrodução ao Direito I88.331 materiais534.888 seguidores
Pré-visualização50 páginas
interesse na causa, presentes antes ou depois de 
iniciado o processo, aconselhar alguma das partes 
acerca do objeto da causa ou subministrar meios para 
atender às despesas do litígio;
III \u2013 interessado no julgamento da causa em 
favor de uma das partes.
Parágrafo único. Poderá o juiz declarar-se 
suspeito por motivo de foro íntimo, sem necessidade 
de declarar suas razões.
Art. 135. Reputa-se fundada a suspeição de 
parcialidade do juiz, quando:
I \u2013 amigo íntimo ou inimigo capital de 
qualquer das partes;
II \u2013 alguma das partes for credora ou devedora 
do juiz, de seu cônjuge ou de parentes destes, em 
linha reta ou na colateral até o terceiro grau;
III \u2013 herdeiro presuntivo, donatário ou 
empregador de alguma das partes;
IV \u2013 receber dádivas antes ou depois de 
iniciado o processo; aconselhar alguma das partes 
acerca do objeto da causa, ou subministrar meios 
para atender às despesas do litígio;
V \u2013 interessado no julgamento da causa em 
favor de uma das partes.
Parágrafo único. Poderá, ainda, o juiz 
declarar-se suspeito por foro íntimo.
Art. 126. A parte alegará, no prazo de quinze 
dias a contar do conhecimento do fato, impedimento 
ou suspeição em petição específica dirigida ao juiz da 
causa, indicando o fundamento da recusa, podendo 
instruí-la com documentos em que se fundar a 
alegação e com rol de testemunhas.
§ 1o Protocolada a petição, o processo 
ficará suspenso.
§ 2o Despachando a petição, se reconhecer o 
impedimento ou a suspeição, o juiz ordenará a remessa 
dos autos ao seu substituto legal; em caso contrário, 
determinará a atuação em apartado da petição e, dentro 
de dez dias, dará as suas razões, acompanhadas 
de documentos e de rol de testemunhas, se houver, 
ordenando a remessa dos autos ao tribunal.
§ 3o Verificando que a alegação de 
impedimento ou de suspeição é infundada, o tribunal 
determinará o seu arquivamento; caso contrário, 
tratando-se de impedimento ou de manifesta 
suspeição, condenará o juiz nas custas e remeterá os 
autos ao seu substituto legal.
§ 4o O tribunal pode declarar a nulidade dos 
atos do juiz, se praticados quando já presente o motivo 
de impedimento ou de suspeição.
92 Walter Tierling Neto
Art. 127. Quando dois ou mais juízes forem 
parentes, consanguíneos ou afins, em linha reta e 
colateral, até terceiro grau , o primeiro que conhecer da 
causa no tribunal impede que o outro atue no processo, 
caso em que o segundo se escusará, remetendo os 
autos ao seu substituto legal.
Art. 137. Aplicam-se os motivos de 
impedimento e suspeição aos juízes de todos os 
tribunais. O juiz que violar o dever de abstenção, ou 
não se declarar suspeito, poderá ser recusado por 
qualquer das partes (art. 304).
Art. 128. Aplicam-se também os motivos de 
impedimento e de suspeição:
I \u2013 ao membro do Ministério Público, quando 
atuar na condição de fiscal da ordem jurídica;
II \u2013 ao serventuário de justiça;
III \u2013 ao perito;
IV \u2013 ao intérprete;
V\u2013 ao mediador e ao conciliador judicial;
VI \u2013 aos demais sujeitos imparciais do processo.
IV - ao intérprete.
Art. 138. Aplicam-se também os motivos de 
impedimento e de suspeição:
I - ao órgão do Ministério Público, quando 
não for parte, e, sendo parte, nos casos previstos 
nos ns. I a IV do art. 135;
II - ao serventuário de justiça;
III - ao perito e assistentes técnicos;
III - ao perito; (Redação dada pela Lei nº 
8.455, de 24.8.1992)
§ 1o A parte interessada deverá argüir 
o impedimento ou a suspeição, em petição 
fundamentada e devidamente instruída, na primeira 
oportunidade em que Ihe couber falar nos autos; o 
juiz mandará processar o incidente em separado 
e sem suspensão da causa, ouvindo o argüido no 
prazo de 5 (cinco) dias, facultando a prova quando 
necessária e julgando o pedido.
§ 2o Nos tribunais caberá ao relator 
processar e julgar o incidente.
Dos auxiliares da justiça (artigos 129 a 153)
Do serventuário e do oficial de justiça
É o artigo 129 quem responde pela relação de quais são os auxiliares da justiça, repetindo 
relação já contida no artigo 139 do atual ordenamento, e lhe acrescentando as figuras do chefe de 
secretaria judicial, do tradutor, do mediador e do conciliador. 
A previsão da necessária presença do oficial de justiça se mantém inalterada junto ao artigo 
130 do PL 8.046/2010, situação que se repete quando se enfrenta a previsão acerca dos deveres 
do escrivão, no artigo 131 do substitutivo.
A respeito do regramento próprio ao perito, inserido nos artigos 135/167, também grandes 
inovações não são realizadas, permanecendo adstrito o substitutivo a alterar redação do atual artigo 
146, conferindo-lhe o número 136, e determinando que o prazo para conclusão de perícia é aquele 
fixado pelo Juiz, e não o prazo legal, conforme já previsto pelo artigo 421 do Código de Processo 
Civil. Novamente, verificamos a intenção do legislador de conferir ao ordenamento processual uma 
maior unicidade, promovendo a reunião dos artigos relacionados a determinada matéria. A inovação 
faz-se presente na determinação de que o Juiz remeta ofício ao respectivo órgão de classe do expert, 
noticiando indevida conduta do auxiliar, quando este prestar informações inverídicas, por dolo ou 
culpa \u2013 art. 137 do PL 8.046/2010.
93Artigos 112 a 153 
PROJETO CÓDIGO VIGENTE
Art. 129. São auxiliares da Justiça, além de 
outros cujas atribuições são determinadas pelas 
normas de organização judiciária, o escrivão, o chefe 
de secretaria judicial, o oficial de justiça, o perito, o 
depositário, o administrador, o intérprete, o tradutor, o 
mediador e o conciliador judicial.
Art. 139. São auxiliares do juízo, além de 
outros, cujas atribuições são determinadas pelas 
normas de organização judiciária, o escrivão, o oficial 
de justiça, o perito, o depositário, o administrador e o 
intérprete.
Art. 130. Em cada juízo haverá um ou mais 
oficiais de justiça cujas atribuições serão determinadas 
pelas normas de organização judiciária.
Art. 140. Em cada juízo haverá um ou mais 
oficiais de justiça, cujas atribuições são determinadas 
pelas normas de organização judiciária.
Art. 131. Incumbe ao escrivão:
I \u2013 redigir, em forma legal, os ofícios, os 
mandados, as cartas precatórias e mais atos que 
pertencem ao seu ofício;
II \u2013 executar as ordens judiciais, promover 
citações e intimações, bem como praticar todos os 
demais atos que lhe forem atribuídos pelas normas 
de organização judiciária;
III \u2013 comparecer às audiências ou, não 
podendo fazê-lo, designar para substituí-lo 
escrevente juramentado;
IV \u2013 ter, sob sua guarda e responsabilidade, os 
autos, não permitindo que saiam do cartório, exceto:
a) quando tenham de subir à conclusão do juiz;
b) com vista aos procuradores, à Defensoria 
Pública, ao Ministério Público ou à Fazenda Pública;
c) quando devam ser remetidos ao contador 
ou ao partidor;
d) quando, modificando-se a competência, 
forem transferidos a outro juízo;
V \u2013 dar, independentemente de despacho, 
certidão de qualquer ato ou termo do processo, 
observadas as disposições referentes a segredo 
de justiça;
VI \u2013 praticar, de ofício, os atos meramente 
ordinatórios.
Art. 141. Incumbe ao escrivão:
I - redigir, em forma legal, os ofícios, 
mandados, cartas precatórias e mais atos que 
pertencem ao seu ofício;
II - executar as ordens judiciais, promovendo 
citações e intimações, bem como praticando todos os 
demais atos, que lhe forem atribuídos pelas normas 
de organização judiciária;
III - comparecer às audiências, ou, não 
podendo fazê-lo, designar para substituí-lo escrevente 
juramentado, de preferência datilógrafo ou taquígrafo;
IV - ter, sob sua guarda e responsabilidade, os 
autos, não permitindo que saiam de cartório, exceto:
a) quando tenham de subir à conclusão do juiz;
b) com vista aos procuradores, ao Ministério 
Público