Rede de Computadores - Todas as Aulas 01 a 10
32 pág.

Rede de Computadores - Todas as Aulas 01 a 10


DisciplinaRedes de Computadores15.285 materiais229.414 seguidores
Pré-visualização25 páginas
do meio. Essa falta de 
compatibilidade acontece, por exemplo, quando os dados transmitidos través 
de uma rede de computadores são afetados pelo ruído induzido por motores 
elétricos ou outros equipamentos pela proximidade destes ou entre o 
cabeamento elétrico e o lógico. 
 
Norma ANSI/EIA/TIA-569-A 
A norma ANSI/EIA/TIA-569-A, que tem como objetivo padronizar projetos e 
práticas de instalação de dutos e espaços para edifícios comerciais, bem como 
os equipamentos que serão instalados, permite o compartilhamento entre a 
rede lógica e a rede elétrica. Segundo essa norma, se a eletricidade é um dos 
serviços que compartilham o mesmo duto ou canaleta com a rede de dados, 
os mesmos deverão ser particionados, observando-se as seguintes situações: 
A tensão de alimentação deve ser inferior a 480 v; 
As canaletas devem oferecer uma divisão física para a rede lógica e elétrica; 
 
A corrente nominal do cabeamento elétrico não deve ser superior a 20A. 
Ainda de acordo com a norma, par que sejam evitados os efeitos da 
interferência eletromagnética devem ser mantidas distâncias mínimas entre 
os trechos por onde haverá a passagem dos cabos da rede lógica e de energia, 
conforme a tabela seguinte: 
 
Fonte de interferência eletromagnética Distância mínima recomendada 
Motores ou transformadores elétricos 1,20m 
Conduítes e cabos elétricos 0,30m 
Lâmpadas fluorescentes 0,12m 
 
 
Conclusão 
Redes de computadores são propensas a problemas devido a sua 
susceptibilidade, ou seja, a falta de proteção para operar sem degradação na 
presença de um distúrbio eletromagnético. Por esse motivo recomenda-se 
observar os critérios de compatibilidade eletromagnética para a alocação dos 
espaços de ambas as redes (lógica e elétrica), principalmente nos percursos 
verticais, onde a faixa de valores de frequência de operação dos diversos 
sistemas de comunicação é bastante diversificada. Dessa forma, espera-se 
obter através de um projeto e instalação adequados, uma rede com 
imunidade suficiente para operar sem degradação na presença de distúrbios 
eletromagnéticos. 
 
É oportuno lembrar ainda que o custo dos materiais de infraestrutura de 
cabeamento em uma rede de computadores pode representar de 2% a 5% do 
custo de investimento da rede, mas também pode representar 75% dos 
problemas que surgirem durante sua vida útil, algo em torno dos 15 anos. 
Assim, a escolha de material de qualidade e um projeto bem feito são 
quesitos importantes na execução de um sistema de cabeamento. 
 
Protocolos Da Camada De Enlace 
Para uma compreensão mais abrangente dos protocolos da camada de 
enlace, os seguintes conceitos serão discutidos: 
 
Pacotes unicast 
\uf0a7 Apesar do termo ser menos conhecido, é o tipo mais comum. É o método de 
comunicação ponto a ponto, ou seja, uma origem para um destino. A 
transmissão unicast ocorre quando A envia a informação apenas para B. 
Neste tipo de comunicação, apenas B recebe a informação. 
Por exemplo: Quando você acessa uma página web, recebe um e-mail ou 
baixa um arquivo, a comunicação entre o seu PC e o servidor em questão 
está utilizando pacotes unicast. 
Multicast 
\uf0a7 Método de comunicação que suporta difusão para um conjunto definido de 
hosts. Muito semelhando ao conceito de broadcasting, porém mais 
eficiente, pois permite que um único pacote seja recebido por um grupo 
específico de estações sem atrapalhar os demais. 
Broadcast 
\uf0a7 Método de comunicação que suporta difusão para um conjunto de hosts. 
Este termo foi originalmente aplicado a transmissões de rádio e televisão, 
pois, as transmissões estão disponíveis a um público grande. 
\uf0a7 Como funciona? 
\uf0a7 Quando um aplicativo faz broadcast de dados, ele torna uma cópia dos 
dados disponível a todos os outros computadores da rede; ou quando um 
switch recebe um pacote com destino para esse endereço, ele envia esse 
pacote para todas as portas desse segmento. 
\uf0a7 É recomendável que o uso do broadcast seja limitado, para evitar 
congestionar a rede com tráfego inútil. 
 
\uf0a7 Para tornar o uso do broadcasting mais eficiente, a maioria das tecnologias 
de LAN estende o esquema de endereçamento. Além de designar um 
endereço para cada computador, os projetistas de rede definem um 
endereço especial reservado, conhecido como endereço de broadcasting. 
Em uma rede Ethernet, se usa-se o endereço MAC ff:ff:ff:ff:ff:ff para indicar 
que o pacote é de broadcast. 
Domínio de colisão e domínio de broadcast 
\uf0a7 Este termo refere-se a um único sistema Ethernet full duplex, cujos 
elementos (cabos, repetidores, interfaces de estação e outras partes do 
hardware) fazem parte do mesmo domínio de temporização de sinal. Em 
um domínio de colisão único, se dois ou mais dispositivos transmitem ao 
mesmo tempo, ocorre uma colisão. Um domínio de colisão pode 
compreender vários segmentos, desde que sejam vinculados com 
repetidores. 
\uf0a7 As pontes e switches segmentam os domínios de colisão em partes 
menores, melhorando o desempenho da rede. 
Segmentação de rede 
\uf0a7 Segundo Comer, uma limitação de distância em LANs surge porque o sinal 
elétrico se torna mais fraco ao viajar ao longo de um fio. Para superar tal 
limitação, algumas tecnologias de LAN permitem que dois cabos sejam 
juntados através de um dispositivos conhecido como repetidor. 
\uf0a7 Dispositivo analógico que continuamente monitora sinais elétricos em cada 
cabo. Quando ele percebe um sinal em um cabo, o repetidor transmite uma 
cópia ampliada no outro cabo. 
\uf0a7 Quando ele percebe um sinal em um cabo, o repetidor transmite uma cópia 
ampliada no outro cabo. No desenho acima, um repetidor conecta dois 
cabos de Ethernet conhecidos como segmento. Os repetidores não 
entendem o formato de quadro, nem possuem endereços físicos, apenas 
enviam cópais de sinais elétricos de um segmento para outro sem esperar 
por um quadro completo. 
\uf0a7 Além de propagar cópias de transmissão válidas, de um segmento para 
outro, um repetidor propaga uma cópia de outros sinais elétricos. Caso 
ocorra uma colisão ou uma interferência elétrica em um segmento, os 
repetidores fazem com que o problema seja propagado em todos os outros 
segmentos. 
\uf0a7 Diferentemente dos repetidores, e conforme já estudado na aula3, uma 
bridge manipula quadros completos. Ela \u201cescuta\u201d o tráfego em cada 
segmento, usando o modo promíscuo. Quando recebe um quadro de um 
segmento, verifica se o quadro chegou intacto e então encaminha uma 
cópia do quadro para o outro segmento, se necessário. Com a utilização de 
uma bridge dois segmentos de LAN se comportam como se fosse uma LAN 
única. 
\uf0a7 Tipo de configuração de recepção na qual todos os pacotes que trafegam 
pelo segmento de rede ao qual o receptor está conectado são recebidos 
pelo mesmo, não recebendo apenas os pacotes endereçados ao próprio. 
(fonte: Wikipedia) 
 
Endereçamento na Camada de Enlace 
É um agrupamento de vários domínios de colisão. Os dispositivos da camada 
02 (enlace) encaminham para todas as interfaces um pacote de broadcast. 
Desta forma ,vários segmentos interligados através de dispositivos da camada 
de enlace fazem parte do mesmo domínio de broadcast. Para segmentar um 
domínio de broadcast, é necessário um dispositivo da camada 03 (rede), ou 
seja, um roteador. 
 
Como os protocolos da camada de enlace têm uma atuação muito ampla, 
muitas vezes encontra-se o termo \u201ctecnologia\u201c para se referenciar a tais 
protocolos. Existe uma gama relativamente grande de tecnologias 
(protocolos) e nesta aula, as seguintes tecnologias serão abordadas: 
 
 
Token Ring 
Também conhecido como o padrão IEE802.5. Segundo Kurose, em uma rede 
local com tecnologia token ring, os N nós da LAN estão conectados em um 
anel por enlaces diretos. A topologia do anel define a ordem de passagem de 
permissão. Este tipo de rede utilizam um quadro ou \u201ctoken\u201d (um pequeno 
pacote com informações específicas)