Telejornalismo da TV Digital
111 pág.

Telejornalismo da TV Digital


DisciplinaTeoria da Comunicação I1.577 materiais83.695 seguidores
Pré-visualização36 páginas
que o fluxo 
carregue diversos formatos de vídeo, de forma que o 
conteúdo possa ser transmitido em diferentes resoluções, 
ou seja, os televisores digitais proverão imagens em 
alta definição (HDTV), ou oferecerão ao telespectador a 
opção de assistir a até seis programas simultaneamente, 
em definição semelhante a padrão. O telespectador terá, 
ainda, a possibilidade de escolher entre diversos ângulos 
de câmera para assistir a um evento esportivo, por 
exemplo, serviço este já utilizado por algumas operadoras 
de TV a cabo.
e) Acessibilidade: o acesso aos programas será facilitado 
aos usuários nos mais diversos locais porque os sinais 
digitais provêem mobilidade através da TV digital portátil 
(a exemplo dos serviços a serem disponíveis por meio 
dos celulares, miniaparelhos de TV de bolso e antenas 
com conexão USB para computadores), assim como da TV 
móvel, que engloba os televisores instalados em veículos 
automotivos (figura 14).
figura 14 \u2013 Transmissão simultânea digital para distintos 
dispositivos
Fonte: TV Cabo Branco. Disponível em: 
<http://www.cabobranco.tv.br/digital/mobilidade.html>.
Acesso em 17 de julho de 2009.
f) Interatividade: a capacidade de poder intervir 
diretamente no conteúdo difundido pela televisão é o maior 
atrativo dessa tecnologia. A TV, que para a maioria da 
população é a única fonte de conhecimento, poderá deixar 
de ser uma mera ferramenta de informação para tornar-
se uma tecnologia que viabilize ou acelere o processo de 
inclusão social, cultural, educativo e econômico.
C a p a S u m á r i o e L i v r e A u t o r R e f e r ê n c i a s
InteratIvIdade e perspectIvas no telejornalIsmo da tv dIgItal 83
A TV analógica esgotou suas possibilidades de melhoramento 
tecnológico; não há como expandi-la ou melhorá-la para aten-
der às demandas que surgiram com a Era do Conhecimento. 
Para haver qualquer comunicação entre o transmissor e o te-
lespectador é necessário um outro meio de comunicação, seja 
telefone, Internet, ou como em muitos concursos que sor-
teiam prêmios, por carta. Com o passar do tempo, tornou-se 
imperativo unir essas ferramentas de comunicação à TV; tudo 
em nome da comodidade de quem transmite e de quem rece-
be a mensagem do outro lado da telinha. (BECKER e MONTEZ, 
2004, p. 35)
 A expectativa é que o uso de recursos interativos na 
televisão permita ao cidadão não só selecionar o ângulo 
que lhe pareça interessante em um jogo de futebol, mas 
também fazer compras, escolher uma programação, votar 
em pesquisas de opinião, participar de jogos de perguntas 
e respostas em tempo real, sem o uso do telefone, acessar 
notícias de jornais anteriores, obter mais informações 
sobre determinado assunto veiculado, e acessar a Internet. 
Outro serviço que a TV digital irá possibilitar, de interesse 
do governo, diz respeito ao estímulo à educação a distância. 
De acordo com o decreto que define as diretrizes para a 
implantação da TV digital no Brasil:
Art. 13. A União poderá explorar o serviço de radiodifusão de 
sons e imagens em tecnologia digital, observadas as normas 
de operação compartilhada a serem fixadas pelo Ministério das 
Comunicações, dentre outros, para transmissão de:
(...)
II - Canal de Educação: para transmissão destinada ao 
desenvolvimento e aprimoramento, entre outros, do ensino à 
distância de alunos e capacitação de professores;42
42 Parte do Decreto, assinado pelo Presidente Luiz Inácio Lula 
Componentes da TV digital
Um sistema básico de TVD (figura 15) é constituído 
por uma estação transmissora, um meio físico sobre o 
qual o sinal é emitido, que pode ser o ar ou meios físicos 
guiados (cabo coaxial, fibra óptica etc.) e um receptor 
responsável por receber o sinal transmitido, decodificá-lo 
e exibi-lo. É necessário que sejam estabelecidos padrões 
que normatizem todo o processo de captura, compressão, 
modulação e transmissão dos sinais de vídeo, além de todas 
as interfaces físicas entre os equipamentos envolvidos 
no processo - o conjunto desses padrões compõem as 
definições de um sistema de TV digital.
figura 15 \u2013 Componentes de um sistema 
de televisão digital interativa
Fonte: BECKER e MONTEZ (2004, p.106)
da Silva, em 29 de julho de 2006. Disponível em: <http://
www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u109008.shtml>. 
Acesso em: 06 de janeiro de 2009.
C a p a S u m á r i o e L i v r e A u t o r R e f e r ê n c i a s
InteratIvIdade e perspectIvas no telejornalIsmo da tv dIgItal 85
O receptor de TV digital é o dispositivo responsá-
vel por receber, interpretar e exibir o conteúdo do fluxo 
de transporte recebido das emissoras. Esse receptor, que 
na sua forma desacoplada é conhecido como set-top box, 
pode ser visto como um computador adaptado para as ne-
cessidades do ambiente televisivo, possuindo, por exem-
plo, processador, memória, sistema operacional. 
As tecnologias utilizadas pela TV digital viabilizam 
que um mesmo canal físico (por via terrestre, satélite, 
cabo ou por redes IP) transmita múltiplos fluxos de áu-
dio e vídeo simultaneamente. Isso permite que o usuário, 
provido de uma aplicação modelada com esse intuito, pos-
sa interferir diretamente no que deseja consumir daquele 
determinado canal. Os atuais modelos de concepção de 
programas para TV (inclusive os telejornais) não levam 
essa característica em consideração ao utilizar metodolo-
gias lineares para a elaboração e descrição da pauta e/ou 
do script audiovisual.
Em razão do canal de retorno, a personalização do 
conteúdo é uma tendência também fortalecida. Os primei-
ros sistemas de TV digital não conseguiram romper o para-
digma mono-usuário de interação, centrando a entrada de 
informação das aplicações interativas através do controle 
remoto. O Sistema Brasileiro de TV Digital, através de sua 
especificação de middleware43 chamada Ginga, incorpora 
43 O middleware é o software que oferece a estrutura para ha-
ver a interatividade. No Brasil, foi desenvolvido potencialmente 
pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) 
e pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
uma importante biblioteca de funcionalidades (API44) que 
torna possível o desenvolvimento de aplicações que pode-
rão ter múltiplas entradas e saídas, aumentando o escopo 
das aplicações para além do modelo tradicional \u201ctelevisão e 
controle remoto\u201d. As aplicações poderão capturar dados (de 
qualquer porte, comandos de controle remoto, áudio, vídeo, 
etc) dos múltiplos dispositivos (celulares, computadores de 
mão, laptops, etc) disponíveis em uma rede doméstica bem 
como utilizar recursos dos mesmos, como suas telas. 
O middleware
Para o provimento de serviços interativos, o sistema 
de TVD conta em sua arquitetura com uma camada 
denominada middleware, que é um software sobre o qual 
as aplicações interativas são executadas. Ele é capaz de 
abstrair a complexidade do sistema operacional adotado, 
dos protocolos de comunicação envolvidos e também do 
hardware. Ou seja, é o que torna os aplicativos funcionais 
independentemente da plataforma de um fabricante de 
receptor digital onde sejam executados.
No contexto de TV digital, o middleware controla as 
principais facilidades disponíveis no receptor, tais como 
grade de programação, menus de opção e a possibilidade 
44 API é a sigla para Application Programming Interface, que 
em português significa Interface de Programação de Aplicati-
vos. Trata-se, em linhas gerais, de conjunto de bibliotecas de 
programação que possibilita a elaboração e utilização de apli-
cativos.
C a p a S u m á r i o e L i v r e A u t o r R e f e r ê n c i a s
InteratIvIdade e perspectIvas no telejornalIsmo da tv dIgItal 87
de execução de aplicações, fazendo com que a TV digital 
possua caráter interativo. Do ponto de vista do software, 
pode-se dizer que ao defini-lo, também se determina 
o sistema de