Telejornalismo da TV Digital
111 pág.

Telejornalismo da TV Digital


DisciplinaTeoria da Comunicação I1.595 materiais83.874 seguidores
Pré-visualização36 páginas
estreita entre os 
dois tipos. Ao propor a categorização, Lemos identifica 
que as mídias de função massiva14 são aquelas que têm 
\u201cfluxo centralizado de informação, com o controle editorial 
do pólo da emissão\u201d (LEMOS, 2007, p. 124); enquanto 
que, em contrapartida, as de função pós-massiva15 
são mais livres, visto que \u201cqualquer um pode produzir 
14 As mídias de função massiva seriam as ditas \u201cclássicas\u201d: jor-
nalismo impresso, revistas, rádio e TV.
15 Já as de função pós-massiva são as mídias digitais: Inter-
net e suas ferramentas (blogs, redes sociais, podcasts, video-
casts), bem como os telefones celulares.
informação, \u2018liberando\u2019 o pólo da emissão\u201d (LEMOS, 2007, 
p. 125). Aprofundando a questão, conforme nos ensina 
Lemos (2007, p. 124), \u201cas funções massivas são aquelas 
dirigidas para a massa, ou seja, para as pessoas que não 
se conhecem, que não estão juntas espacialmente e que 
assim têm pouca possibilidade de interagir\u201d. Já nas mídias 
pós-massivas, o produto \u201cinformação\u201d
é personalizável e, na maioria das vezes, insiste em fluxos 
comunicacionais bi-direcionais (todos-todos), diferente do fluxo 
unidirecional (um-todos) das mídias de função massiva. (...) 
Com novas ferramentas de função pós-massivas, [um autor] 
pode dominar, em tese, todo o processo criativo, criando sua 
comunidade de usuários, estabelecendo vínculos abertos entre 
eles, neutralizando a intermediação e interagindo diretamente 
com um mercado de nichos (LEMOS, 2007, p.125)
Recuperando essa discussão para aplicarmos ao nosso 
objeto, percebemos que está mais comum o cruzamento 
entre essas mídias classificadas por André Lemos, visto que 
os programas de TV assumem uma comunicação integrada 
com outras mídias pós-massivas, estimulando o uso de 
celulares e as ferramentas da Internet. Nos telejornais, as 
mensagens transcendem o período de veiculação e o que 
se encerrava com o tal \u201cboa noite\u201d, não acontece mais. 
As informações são lançadas nos portais \u2013 sejam com ou 
sem o mesmo conteúdo anteriormente exposto \u2013 e as 
entrevistas continuadas nos chats. 
Jay Bolter e Richard Grusin (1998) caracterizaram 
essa ação dialógica dos meios como remediação, na qual 
as mídias digitais forçam a renovação de mídias antigas 
C a p a S u m á r i o e L i v r e A u t o r R e f e r ê n c i a s
InteratIvIdade e perspectIvas no telejornalIsmo da tv dIgItal 45
coexistentes e vice-versa. Para os autores, nesse processo 
de remediação, os novos meios de comunicação aperfeiçoam 
os antecessores, influenciando os seus respectivos sistemas 
de produção, acrescentando novos recursos e aprimorando 
tanto linguagem quanto representação social.
Dessa maneira, devemos reconhecer que, na atual 
fase do telejornalismo, está ocorrendo o estabelecimento 
de uma segunda dinâmica, além da mudança nas formas 
de apresentação, favorecida pelo surgimento das novas 
tecnologias e seu estreitamento com as antigas, o que 
tem proporcionado a reorganização do espaço e das 
práticas sociais. Isso porque, como delineia Henry Jenkins 
(2008), uma nova cultura está imersa na sociedade 
contemporânea: a da convergência. 
Nesse sentido, sustentando-nos no pensamento 
articulado por Jenkins, a convergência não está apenas 
associada à distribuição de informação em múltiplos 
suportes distintos, pois, muito além desse propósito, 
esta traz consigo rupturas paradigmáticas. O processo de 
convergência ocorre no cérebro das pessoas, na busca 
por novas experiências, sensações e vinculações com 
variados conteúdos, o que significa atestar que se trata de 
uma \u201ctransformação cultural, à medida que consumidores 
são incentivados a procurar novas informações e fazer 
conexões em meio a conteúdos midiáticos dispersos 
(JENKINS, 2008, p.28)\u201d.
Sob o panorama dessa convergência, detectamos 
dois novos cenários mediados pela relação entre 
telejornais e a rede de computadores: em um primeiro, 
observa-se a produção informativa especialmente para 
o espaço digital (as ditas ciberwebTVs). Já o segundo 
cenário faz menção ao fato do telejornal convencional 
se apropriar dos recursos e ferramentas do ciberespaço 
(estimulando uma participação efetiva do público) e/ou 
referenciar seu uso, migrando seus conteúdos para o 
novo espaço (o que chamamos de webTV). WebTV (ou 
televisão para a Internet) e ciberwebTV (ou simplesmente 
ciberTV) são classificações atribuídas por Neusa Amaral 
(2007), levando em consideração duas vertentes de 
conteúdos audiovisuais na rede: aqueles produzidos 
convencionalmente e transportados do sistema de televisão 
para o ciberespaço web e os projetados especialmente 
para o meio, respectivamente.
Muitos telejornais já se apoiam nessa estratégia, 
mas, adotando essa distinção em nossa pesquisa, 
podemos citar, como exemplo, os telejornais paraibanos 
da TV Cabo Branco, afiliada da Globo na Paraíba, já que, 
mais na frente, veremos que esta TV foi nossa parceira na 
produção de aplicativos interativos (capítulo 5). Poucos 
minutos após a edição veiculada na TV convencional, o 
internauta pode acessar gratuitamente, na íntegra, todas 
as informações do dia, bem como edições anteriores, 
conforme é esboçado na figura 4.
C a p a S u m á r i o e L i v r e A u t o r R e f e r ê n c i a s
InteratIvIdade e perspectIvas no telejornalIsmo da tv dIgItal 47
figura 4 \u2013 Página do JPB 1ª Edição, veiculado pela 
TV Cabo Branco
Fonte: TV Cabo Branco. Disponível em: 
<http://jpb1.cabobranco.tv.br/>. 
Acesso em 23 de maio de 2009.
Já no tocante à ciberTV podemos destacar a emissora 
paulista allTV16 (http://www.alltv.com.br), desenvolvida 
16 Após o sucesso na Internet, a allTV também passou a ser 
exclusivamente para a Internet. Com 24 horas de 
programação ao vivo, sendo metade destas voltadas 
para informações noticiosas, o canal introduziu uma 
nova geração de jornalismo17, priorizando a possibilidade 
de ampla intervenção do usuário, o qual pode participar 
com perguntas, sugestões, comentários, através de salas 
de bate-papo, em tempo real (figura 5). Nesse caso, o 
internauta obtém experiências distintas das que tem 
enquanto mero telespectador. A possibilidade de estar ao 
vivo, conversando com outros internautas e com os próprios 
apresentadores, como acontece no chat simultâneo da 
allTV, promove efeitos únicos: é a atenuação da distância 
entre jornalistas e telespectadores.
exibida pela TV a cabo, em São Paulo.
17 Quem iniciou investindo nesse novo sistema de difusão foram 
os responsáveis pela UOL, lançando em 1997 a TV UOL , com 
os primeiros conteúdos desenvolvidos na e para Internet. O 
portal Terra (Terra TV) também merece ênfase nesse sentido, 
uma vez que, na sua programação de também 24 horas, dispo-
nibiliza quatro horários para notícias ao vivo.
C a p a S u m á r i o e L i v r e A u t o r R e f e r ê n c i a s
InteratIvIdade e perspectIvas no telejornalIsmo da tv dIgItal 49
figura 5 \u2013 Sala de bate-papo da AllTV
Fonte: adaptada da AllTV (www.alltv.com.br). 
 Na TV convencional, \u201cparticipação\u201d também é a 
nomenclatura do momento. Remediados à nova fase da 
Internet (web 2.0)18, os telejornais têm buscado pôr em 
reflexão as polarizações entre emissora e telespectador. 
Até mesmo como tática de resistência, os telejornais da 
TV aberta e analógica romperam barreiras e estão se 
reestruturando inseridos em uma outra lógica de produção 
narrativa, disponibilizando, além da mera transposição, 
como citado: a) conteúdos complementares em sites, redes 
18 Nesta nova fase da web, o sistema se tornou totalmente 
descentralizado, colaborativo, de estrutura não-linear e fomen-
tador em potencial de produtores de conteúdos.
sociais, blogs, DVDs e ainda celular; e b) a colaboração do 
telespectador (indicação de seções de jornalismo cidadão 
ou colaborativo19), fazendo-nos entender que o produto 
\u201cinformação\u201d se tornou fruto de uma parceria