Barreiras á entrada
12 pág.

Barreiras á entrada


DisciplinaEconomia Industrial342 materiais1.695 seguidores
Pré-visualização1 página
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
Cristina Lelis Leal Calegario
Professora do DAE
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
Concorrência é vista como um processo dinâmico \u2013 livre entrada e saída de capitais da indústria \u2013 com tendência à igualação da taxa de lucro;
Nessa visão, uma indústria somente poderia apresentar lucratividade superior à média por um certo período de tempo; 
Com a noção de concorrência potencial e a existência de barreiras, importantes implicações podem ser feitas sobre as escolhas de preços e quantidades realizadas pelas empresas.
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
 Elementos básicos envolvidos em um problemas de entrada:
Empresas estabelecidas \u2013 já atuam na indústria, coordenam entre si para impedir entrada;
Empresas entrantes \u2013 a primeira a entrar é aquela que reúne os melhores requisitos competitivos;
Incentivo à entrada \u2013 obter lucros extraordinários por um certo período de tempo ;
Entrada \u2013 adição líquida de capacidade produtiva da indústria por uma nova empresa. Descarta-se a expansão de firmas e as F&A (não adiciona capacidade)
Saída \u2013 encerramento de atividades. Descarta-se a venda de ativos a terceiros (somente transferência)
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
Definições de barreiras à entrada:
Bain \u2013 qualquer condição estrutural que permita que empresas já estabelecidas numa indústria possam praticar preços superiores sem atrair novos capitais \u2013 isso significa que é possível obter lucros extraordinários no longo prazo;
Stigler \u2013 existem barreiras se há custos incorridos pelas empresas entrantes que não foram desembolsados pelas empresas estabelecidas quando iniciaram a operação. Essa assimetria de custos impede que as entrantes obtenham mesma lucratividade (Custos irrecuperáveis);
Gilbert \u2013 existem barreiras se há um diferencial econômico entre empresas estabelecidas e entrantes simplesmente porque as primeiras já existem e as outras ainda não \u2013 \u201cvantagem da primeira empresa a se mover\u201d envolve a teoria oligopolista;
Weizsacker \u2013 deve-se considerar não somente diferenciais de custos para existir barreiras, mas também existência de distorções na alocação de recurso do ponto de vista social.
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
Modelo Conceitual do Preço Limite
Consideraremos:
Indústria em equilíbrio temporário \u2013 empresas estabelecidas atuam em conjunto prevenindo entradas;
Longo prazo será uma sequência de dois curtos prazos (pré-entrada e pós-entrada)
Uma empresa entrará somente se puder obter lucro positivo imediatamente após entrada (falha no caso de empresa diversificadas);
A prevenção de entradas se dá com: fixação de preço no nível competitivo (não há incentivo, mas também não há lucros positivos para as estabelecidas); Fixação de preço de máximo lucro no primeiro período (obtendo lucros máximos) e após as entrada, preços competitivos (segundo período).
Opção intermediária \u2013 estabelecer preço no qual é possível obter lucros positivos (não máximos), mas que não incentive entrada \u2013 preço limite
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
 Fontes de Barreiras:
Existência de vantagens absolutas de custos a favor das empresas estabelecidas;
Existência de preferências dos consumidores pelos produtos das empresas estabelecidas;
Existência de estrutura de custos com significativas economias de escala;
Existência de elevados requerimentos de capital inicial.
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
 Existência de vantagens absolutas de custos a favor das empresas estabelecidas: 
Melhores condições de acesso a fatores de produção \u2013 tecnologia e recursos humanos e naturais;
Acumulação de economias dinâmicas de aprendizado acumulado;
Imperfeições nos mercados de fatores \u2013 acesso a matérias-primas. Empresas existentes já exploram as melhores reservas - melhor relação custo-qualidade e RH mais qualificado (menor custo de treinamento);
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
Acesso ao capital é facilitado a empresas já constituídas por oferecerem menores riscos. (taxas de juros menores
 e maior prazo), além de encargos financeiros maiores.
Obs:. - restrita a alguns setores como indústria extrativas de primeiro processamento (metalurgia, agroindústria, etc);
 - vantagens de custos podem ser modificadas por estratégias de empresas;
 - a entrante pode ser inovadora.
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
 Existência de preferências dos consumidores pelos produtos das empresas estabelecidas:
Presença de diferenciação de produtos
Lealdade dos consumidores força as empresas entrantes vender a preços mais baixos ou incorrer em gastos superiores de publicidade para deslocar preferências consolidadas
Vantagens da primeira empresa a se mover são maiores nas industrias de bens duráveis (produtos de maior valor \u2013 dificulta o aprendizado do consumidor que não quer arriscar. Falhas quando a entrante é subisidiária de marca conhecida.
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
 Existência de estrutura de custos com significativas economias de escala:
Entrada provocará um excesso de oferta na indústria implicando em queda de preço pós-entrada;
Barreira será tanto maior quanto for a queda no preço que por sua vez será tanto maior quanto menor a elasticidade preço da demanda no mercado
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
 Existência de elevados requerimentos de capital inicial:
São investimentos que tendem a ser formados, em grande parte, por custos irrecuperáveis que irão dificultar a saída de empresas caso necessário (barreiras à saída) 
*
BARREIRAS ESTRUTURAIS À ENTRADA
 Barreiras à Saida:
 Decorrem da existência de custos que as empresas necessitam para encerrar a produção:
Custos de rescisão de contratos em vigor;
Cusos de oportunidade referentes a investimentos realizados e ainda não totalmente amortizados e que não tenham valor de revenda
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*
*