Introducao a economia industrial

Introducao a economia industrial


DisciplinaEconomia Industrial342 materiais1.704 seguidores
Pré-visualização1 página
INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL
Cristina Lelis Leal Calegario
Professora do DAE
1
1
 INTRODUÇÃO
 Área do conhecimento que surgiu motivada principalmente pela busca de novos meios e métodos para estudar a dinâmica real dos diversos setores industriais e empreendida por diferentes autores insatisfeitos com a tradição microeconômica neoclássica.
2
2
 INTRODUÇÃO
Preocupa-se com a análise de mercados e indústrias. Está voltada para estrutura de mercado onde poucas firmas competem entre si (oligopólio);
Analisa em particular, a maneira que firmas competem umas com as outras;
Ênfase especial no estudo das estratégias das firmas: competição em preços, posicionamento de produto, propaganda e marketing, P&D, etc.
3
3
 INTRODUÇÃO 
 Atualmente podemos agregar os estudos em duas correntes principais:
Abordagem tradicional \u2013 surgiu com Mason (1939) e Bain (1949) e Scherer \u2013 modelo ECD
Abordagem alternativa \u2013 Shumpeteriana/
 Institucionalistas \u2013 a organização interna da empresa não resulta de um procedimento de minimização de custos, mas da constituição da capacidade de inovação e a de R. Coase e O. Williamson \u2013 explicou as diferentes formas de organização interna das corporações e suas implicações.
4
4
 INTRODUÇÃO 
 
 A proposição inicial deste modelo é linear: a ESTRUTURA de mercado (consiste nos elementos que determinam o grau de concorrência) determinaria a CONDUTA das empresas (estratégias adotadas), e estas influenciaria no DESEMPENHO do mercado (grau de bem-estar social). 
5
5
ESTRUTURA
DESEMPENHO
CONDUTA
 MODELO ECD
 INTRODUCAO À ORGANIZACAO INDUSTRIAL
Número de compradores e vendedores; 
diferenciação do produto; barreiras à
entrada e saída; estrutura de custo;
integração vertical; diversificação, etc.
Precificação; estratégia de produto e
propaganda; P&D; Expansão da capacidade;
estratégias institucionais, etc.
Eficiência produtiva e alocativa; desenvolvimento; pleno emprego; crescimento distributivo, etc.
P
O
L
Í
T
I
C
A
P
Ú
B
L
I
C
A
6
6
 LACUNAS NO MODELO ECD
Falta de importância atribuída às condutas das empresas no processo de concorrência; 
 Não aceitação da existência de causalidade menos rígidas, através de uma relação interativa entre as variáveis de E-C-D.
 Duas alternativas: estudos de caso e soluções matemáticas (teoria dos jogos \u2013 privilegiou a conduta das empresas e sua rivalidade, mas desconsiderando condições básicas da Oferta e Demanda e o grau de concentração) 
7
7
ESTRUTURA
DESEMPENHO
CONDUTA
 MODELO ECD COM MÚLTIPLAS 
 CAUSALIDADES
 INTRODUCAO À ORGANIZACAO INDUSTRIAL
8
8
 LACUNAS NO MODELO ECD
Incapacidade de lidar com a existência de diferenciais de lucratividade entre as empresas em uma mesma indústria.
 Mesmo que se aceite correlação positiva entre grau de concentração e lucros excessivos em uma indústria, não há porque imaginar que todas as empresas ali partilhem igualmente esses lucros entre si.
 Muitas dessas empresas são diversificadas \u2013 então a unidade analítica adequada para as análises passam a ser as grandes empresas e não mais os mercados (indústria).
9
9
 
 LACUNAS NO MODELO ECD
 Questão da endogeneidade \u2013 se cada empresa escolhe seu nível de produção e preços em função de suas curvas de custos, demanda e de expectativas em relação às rivais, então o preço de mercado e os produtos de todas as empresas são conjuntamente determinados numa mesma indústria.
 Isto implica que tanto o grau de concentração quanto os lucros sejam variáveis endogenamente determinadas e não possam guardar relações de causalidade predefinidas. Ambas dependem na verdade da variáveis exógenas (custo, demanda, etc) e não são elas que vão necessariamente inflenciar as outras variáveis.
10
10
 
 LACUNAS NO MODELO ECD
 Esta hipótese da endogeneidade foi ponto de partida para a corrente alternativa de análise da OI baseada na Teoria dos Jogos \u2013 onde se formula um comportamento de equilíbrio das empresas em que estas ajustam quantidades, preços, ou outras variáveis, de forma cooperativa ou não, resgatando assim os modelos da teoria dos oligopólios.
 Nesta teoria \u2013 as condições básicas e as condutas são variáveis exógenas, enquanto a estrutura e o desempenho são as endógenas, ou seja, dependem das anteriores.
11
11
 
 LACUNAS NO MODELO ECD
 Apesar de todas as críticas, o paradigma ECD é ainda um importante modelo de análise e tem servido como um importante guia para a ação política pois consegue provar que concentração industrial e barreiras à entrada devem ser objetos de preocupação das autoridades regulatórias.
12
12
 
 A ABORDAGEM ALTERNATIVA
 Iniciou-se com autores da corrente alternativa de análise denominados neo-schumpeterianos ou evolucionistas mas que também receberam contribuição dos institucionalistas.
 Têm como preocupação central a lógica do processo de inovação e seus impactos sobre a atividade econômica.
 Partem de tradições de pesquisa psicológicas, sociológicas e antropológicas sobre o comportamento humano para entender os hábitos e rotinas
13
13
 
 A ABORDAGEM ALTERNATIVA
 Os autores neo-schumpeterianos ou evolucionistas tem como preocupação :
 - existência de assimetrias técno-econômicas entre os agentes;
 - existência de variedade tecnológica;
 - existência de diversidade comportamental 
 entre os agentes.
 Enfrentam dificuldades em tratar a inovação, e a partir dela a concorrência, como um processo dependente do tempo, tanto lógico quanto cronológico.
14
14