Praticas_Eletronica_1_2013
23 pág.

Praticas_Eletronica_1_2013


DisciplinaEletrônica I6.551 materiais31.745 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Universidade Federal de Lavras 
 
Departamento de Ciência da Computação 
 
 
 
 
 
 
 
GUIA DE AULAS PRÁTICAS DE 
ELETRÔNICA 1 
 
 
 
para o curso de Engenharia de Controle e Automação 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Prof. João Carlos Giacomin 
 
 
 
 
 
 
 
 2
 
SUMÁRIO 
 
1. Regras do Laboratório 
 
2. Equipamentos utilizados nas aulas práticas 
 
1a PÁTICA 
Resistores Voltímetros e Amperímetros 
 
2a PÁTICA 
Teorema de Thevenin 
 
3a PÁTICA 
Osciloscópio e gerador de funções 
 
4a PÁTICA 
Diodos e Diodo Zener 
 
5a PÁTICA 
Retificadores 
 
6a PÁTICA 
Ceifadores e Grampeadores 
 
7a PÁTICA 
MultSim \u2013 EWB 
 
8a PÁTICA 
Filtragem e regulação 
 
9a PÁTICA 
Polarização de transistor bipolar 
 
10a PÁTICA 
Transistor bipolar como amplificador 
 
11a PÁTICA 
FET e MOSFET 
 
12a PÁTICA 
SCR e Triac 
 
 
Anexos: 
1. Código de cores para resistores 
2. Catálogo do diodo 1N4007 
3. Catálogo do transistor BC547 
4. Tutorial de utilização do Multisim-EWB 
 
 3
1. REGRAS DO LABORATÓRIO 
 
Algumas normas deverão ser seguidas pelos usuários do Laboratório de Eletrônica do 
DCC-UFLA no desenvolvimento da aulas práticas, bem como na elaboração dos relatórios. 
Para melhorar o rendimento e o aproveitamento do laboratório, a experiência deve ser 
preparada individualmente antes de sua realização pelo grupo. A preparação individual será avaliada 
pelo professor e será um dos itens para definição da nota de conceito do aluno. 
O atraso máximo permitido aos alunos será de 20 minutos; após esta tolerância, o aluno 
poderá entrar na sala e fazer a prática, mas ficará com registro de falta na aula. 
A ausência do aluno no laboratório implica em nota zero na experiência correspondente. 
O número de alunos por grupo é de no máximo três e mínimo 2. 
O número máximo de grupos é 10, e o mínimo será N tal que (2*N+1) \u2265 Número de alunos 
em sala, isto quer dizer que se na sala estiverem menos de 21 alunos, todos os grupos deverão ser de 
2 alunos a menos de 1 grupo que terá 3 alunos caso o número de alunos seja ímpar. 
A experiência deve ser conduzida com cautela, atenção e organização. Cada grupo deve 
trazer o roteiro da experiência e as preparações individuais. O grupo deve zelar pela conservação dos 
materiais e dos equipamentos do laboratório. O manuseio adequado e consciente dos equipamentos 
pelo grupo será verificado e avaliado pelo professor. 
Após o término da experiência, cada grupo deve reorganizar a bancada utilizada, e os 
materiais e equipamentos de empréstimo deverão ser devolvidos ao professor. 
Deve ser entregue um relatório por grupo para cada experiência. 
Se o relatório entregue por um grupo for cópia do relatório de um outro grupo, ambos os 
relatórios serão descartados e a nota será zero. 
A entrega do relatório deve ser feita até a próxima experiência. A nota máxima do relatório 
será reduzida de 25% a cada semana, até atingir zero. Isto quer dizer que se o relatório não for entregue 
na aula seguinte à da prática, a nota máxima será 75%, se houver mais uma semana de atraso, a nota 
máxima será 50%, se houver um mês de atraso, a nota será zero. 
 
O relatório deverá conter : 
- Folha de identificação com o Número e título da experiência, data de realização da 
experiência, data da entrega do relatório, nome dos componentes do grupo; 
- Cálculos e outras informações solicitadas no guia de aula prática, como especificação e 
características de componentes ou elaboração de projetos; 
- Resultados da Experiência obtidos conforme PROCEDIMENTOS SOLICITADOS NO 
ROTEIRO, acrescidos de COMENTÁRIOS E OBSERVAÇÕES; 
- CONCLUSÕES (Síntese da experiência, principais resultados e conclusões, dificuldades e 
recomendações para melhoria da experiência). 
A Nota total das aulas práticas será a média das notas obtidas nos relatórios, 
somada à nota do trabalho prático (os pesos são definidos no início dos 
semestre pelo professor e pelos alunos): 
Nota = (Peso Relatórios)*(Média Relatórios) + (Peso Trabalho)*(Nota Trabalho) 
observação: Questões de laboratório serão incluídas na prova de Teoria. 
 
Comportamento na aula 
Ao iniciar a aula, os alunos deverão retirar os materiais e equipamentos necessários à execução da 
prática. 
Ao terminar a aula, o aluno deverá deixar sua bancada em perfeita ordem, observando: 
Os bancos deverão ser colocados sob as mesas; 
As mesas deverão estar limpas, sem resíduos de borrachas, restos de papel, copos descartáveis, etc.; 
Os equipamentos deverão estar desligados e em ordem para o aluno que for utilizar a bancada em 
seguida. 
Os materiais e equipamentos de empréstimo deverão ser adequadamente devolvidos 
O manuseio adequado e consciente dos equipamentos pelo grupo será verificado e avaliado pelo 
professor. 
Defeitos constatados em componentes, cabos ou equipamentos deverão ser comunicados ao 
professor para que sejam tomadas providências no sentido de se efetuar a manutenção adequada. 
Não é permitido fumar, comer ou beber dentro do Laboratório Didático. 
 4
 
2. EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NAS AULAS PRÁTICAS 
 
 
Existem alguns equipamentos que serão constantemente utilizados no 
desenvolvimento das experiências práticas. A seguir eles serão apresentados na 
ordem de importância pelo uso. 
 
 
 
2.1. MATRIZ DE CONTATOS 
 
Também conhecida como Protoboard, é utilizada como base para se colocar e 
conectar os componentes da prática. Cada ponto de conexão possui uma ligação 
metálica, normalmente estas ligações são interconectadas em grupos de 5, apenas os 
pontos alinhados horizontalmente formam grupos maiores, de 40 interconexões. 
Normalmente estes são utilizados para alimentação do circuito, isto é, como terminais 
de +12V, +5V, \u201312V e 0V (terra). A matriz de contatos apresentada na figura, possui 
quatro terminais ligados a fontes de tensão, nas tensões citadas acima. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Grupo de 5 Grupo de 40 Fonte de tensão 
 5
2.2. MULTÍMETROS 
 
 
Os multímetros são equipamentos destinados a fazer várias medidas elétricas, 
principalmente medidas de Tensão, de Corrente e de Resistência. Alguns multímetros 
oferecem medições de capacitância, de indutância, de temperatura e outras. 
O laboratório de eletrônica do DCC-UFLA disponibiliza para os alunos dois 
tipos de multímetros, o Minipa ET2055 e o UNIT UT83, mostrados nas figuras abaixo. 
 
 
 
 
Para se fazer medições de tensão e resistências, deve-se conectar os cabos 
preto e vermelho nos terminais COM e V\u2126 (ou V\u2126F). Para se fazer medições de 
corrente elétrica, deve-se conectar os cabos em COM (preto) e mA (vermelho), mas 
para correntes acima de 1 A, deve-se colocar o cabo vermelho no terminal 10A. 
 
 
 6
2.3. GERADOR DE SINAIS 
 
Este é um equipamento utilizado para produzir sinais elétricos alternados de 
frequências e amplitudes variadas, sendo possível produzir três tipos de forma de 
onda: senoidal, triangular ou quadrada. O visor de display (2) indica a frequência 
gerada. 
 
 
CONTROLES E INDICADORES 
 
Abaixo são indicados os principais dispositivos utilizados na operação deste gerador de 
sinais. A especificação completa encontra-se em anexo. 
 
Chave de liga/desliga (1): Para ligar o instrumento coloque-a em \u201cON\u201d 
Display (2): Display a LED, indica as frequências da entrada interna ou externa dependendo 
da posição da chave. 
LED indicador de Hz kHz (5, 6): Indica quando a leitura está em Hz ou kHz. 
Dial de Frequência (7): Este potenciômetro variável seleciona uma frequência específica 
dentro de uma escala pré-selecionada. Esta escala está calibrada de 0.2 a 2.0. 
Controle DC Offset (11): O controle de offset determina