GuiaBoasPraticas_CC
45 pág.

GuiaBoasPraticas_CC


DisciplinaSociedade, Tecnologia e Meio Ambiente7 materiais174 seguidores
Pré-visualização13 páginas
com a região e a atividade produtiva do local, identificando as áreas potencialmente 
contaminadas. Os resultados desse estudo possibilitam mais informação ao empreendedor 
quanto à qualidade da área pretendida. Estuda-se, atualmente, nesse estado, a possibilidade de 
inclusão, na matrícula do imóvel, da caracterização de áreas efetivamente contaminadas.
Análise da infraestrutura do entorno: analisar o estágio de desenvolvimento urbano da região, da 
proximidade de infraestruturas12 da acessibilidade quanto à malha de transportes públicos, acessos 
existentes, fontes de recursos, redes de abastecimento e serviços urbanos disponíveis, prevendo 
estratégias para ligações com o transporte público, passeios públicos confortáveis, não intervenção 
em áreas verdes e de lazer já constituídas. 
12 Nos casos de construção em área sem abastecimento de água ou coleta de esgoto, os órgãos 
públicos devem ser consultados para aprovação de projetos de captação de água e destinação 
de esgoto. 
Ações de melhoria social e valorização do entorno: são recomendadas, podendo tornar-se um 
atrativo de venda para o empreendimento. 
Avaliação das características físicas do terreno: avaliar topografia, natureza do solo, hidrologia, 
presença de mananciais e lençóis subterrâneos, bem como identificar áreas de fragilidade ambiental 
(Áreas de Proteção Permanente - APPs, áreas suscetíveis a assoreamento e alagamento para a escolha 
das linhas de drenagem, áreas de rios e encostas, áreas definidas como Reserva Legal ou Área Verde, 
Unidades de Conservação, entre outras). Estas características podem se alterar ao longo dos anos 
e geram restrições de uso e ocupação de solo, devendo ser verificadas antes da elaboração do 
projeto do empreendimento, já que dão subsídios ao melhor desempenho e performance ambiental 
do empreendimento. 
Planejamento
21Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
Avaliação de aspectos naturais: levantar dados sobre o clima e microclima local 
(temperaturas ao longo do ano, precipitações, ventos dominantes), os ecossistemas e 
função da vegetação local, bem como realizar levantamento de fauna e flora existentes para 
previsão de reposição de áreas verdes e de conhecimento das precauções de expulsão de 
espécies animais. A verificação da carta solar local, bem como orientação do terreno, ventos 
dominantes, índices pluviométricos e outros permitem identificar as melhores oportunidades 
para proporcionar conforto ambiental do empreendimento e de aproveitamento energético 
dos recursos naturais, como o posicionamento adequado de painéis solares e posicionamento 
de janelas para o efeito de ventilação e iluminação natural. 
Identificação de restrições legais e regulamentares: identificar todos os órgãos públicos 
que autorizam ou licenciam o empreendimento. Consultá-los quanto a restrições legais, 
exigências e possíveis empecilhos atrelados à área a ser escolhida. Analisar leis específicas, 
como plano diretor, lei de zoneamento local, lei de parcelamento do solo, bem como os 
códigos de obra e de postura locais. Verificar se existe, por exemplo, Comissão de Política 
Urbana e Meio Ambiente na Câmara Municipal para participar de audiências públicas 
que informam sobre projetos de leis relacionados ao Plano Diretor da Cidade e ao Uso 
do Solo (em cidades com mais de 100 mil habitantes, que tenham Secretaria Municipal 
do Meio Ambiente, há necessidade de aprovações de projetos por este órgão). Atender às 
diretrizes da Secretaria Municipal de Transportes em relação ao trânsito e acessibilidade do 
empreendimento, aprovando projetos de edificações em razão do acesso e restrições de vagas 
de estacionamento. Edificações devem seguir também orientações do município e investir 
em torno dos seus empreendimentos a fim de diminuir o impacto do trânsito. Vale consultar o 
órgão de engenharia de tráfego local e Departamento de Estradas de Rodagem do seu estado. 
Buscar informações sobre a necessidade de realização de Avaliação de Impacto Ambiental 
(exemplo: RAP - Relatório Ambiental Preliminar; EIA/RIMA - Estudo de Impacto Ambiental e respectivo 
Relatório de Impacto ao Meio Ambiente; EAS - Estudo Ambiental Simplificado; EIV - Estudo de Impacto 
de Vizinhança), dependendo do tamanho, complexidade e localização do empreendimento. A busca 
por informações pode ter início junto às secretarias estaduais de meio ambiente. O contato das 
secretarias, você confere na lista a seguir. 
Acre . SEMA . Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Acre 
tel. (68) 3224-8786/ 3223-3447 . www.ac.gov.br
Alagoas . SEMARH . Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos
tel. (82) 3315-2680 . www.semarh.al.gov.br 
Amapá . SEMA . Secretaria Estadual de Meio Ambiente 
tel. (96) 3212-5381 . www.sema.ap.gov.br
Amazonas . IPAAM . Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas 
tel. (92) 2123-6700 / 6756 . www.ipaam.am.gov.br 
Bahia . SEMARH . Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos 
tel. (71) 3115-6288/3808 . www.meioambiente.ba.gov.br
Ceará . SOMA . Secretaria da Ouvidoria-Geral e do Meio Ambiente 
tel. (85) 3101-1234
Planejamento
23Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
Distrito Federal . SEDUMA . Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano
e Meio Ambiente . www.seduma.df.gov.br 
Espírito Santo . SEAMA . Secretaria de Estado de Meio Ambiente 
e Recursos Hídricos 
tel. (27) 3136-3484/ 3430/ 3502 . www.meioambiente.es.gov.br 
Goiás . SEMARH . Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos 
tel. (62) 3201-5150 . www.semarh.goias.gov.br 
Mato Grosso . SEMA . Secretaria de Estado do Meio Ambiente 
tel. (65) 3613-7200 . www.sema.mt.gov.br 
Mato Grosso do Sul . SEMAC . Secretaria de Estado do Meio Ambiente 
do Planejamento, da Ciência e Tecnologia 
tel. (67) 3318-4100 . www.semac.ms.gov.br 
Minas Gerais . SEMAD . Secretaria de Estado de Meio Ambiente 
e Desenvolvimento Sustentável 
tel. (31) 3228-7700 . www.semad.mg.gov.br 
Pará . SEMA . Secretaria de Estado do Meio Ambiente 
tel. (91) 3184-3365 . www.sema.pa.gov.br 
Paraíba . SEMARH . Secretaria de Estado do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos 
e da Ciência e Tecnologia
tel. (83) 3218-4371
Paraná . SEMA . Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos 
tel. (41) 3304-7700 . www.sema.pr.gov.br 
Pernambuco . SECTMA . Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente 
tel. (81) 3183-5560/5551 . www.sectma.pe.gov.br 
Piauí . SEMAR . Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí 
tel. (86) 3216-2038/2039/2040
Rio de Janeiro . SEA . Secretaria de Estado do Ambiente 
tel. (21) 2299-2402 . www.ambiente.rj.gov.br 
Rio Grande do Norte . IDEMA . Instituto de Defesa do Meio Ambiente 
tel. (84) 3232-5182/5227 . www.rn.gov.br 
Rio Grande do Sul . SEMA . Secretaria Estadual do Meio Ambiente 
tel. (51) 3288-8100 . www.sema.rs.gov.br 
Planejamento
25Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
Rondônia . SEDAM . Secretaria de Desenvolvimento Ambiental 
tel. (69) 3216-1045
Roraima . FEMACT . Fundação Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia 
tel. (95) 2121-9152/ 9191/ 9192
Santa Catarina . SDS . Secretaria de Estado do Desenvolvimento 
Econômico Sustentável 
tel. (48) 3029-9000 . www.sds.sc.gov.br 
São Paulo . SMA . Secretaria do Meio Ambiente 
tel. (11) 3133-3000 . www.ambiente.sp.gov. 
Sergipe . SEMARH . Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos 
tel. (79) 3179-7300/7301 . www.semarh.se.gov.br
Tocantins . NATURATINS . Instituto Natureza do Tocantins 
tel. (63) 3218-2600 . www.naturatins.to.gov.br 
Observação: para contato com os órgãos estaduais de meio ambiente, consulte a ABEMA 
. Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (www.abema.org.br).
Para contato com órgãos