GuiaBoasPraticas_CC
45 pág.

GuiaBoasPraticas_CC


DisciplinaSociedade, Tecnologia e Meio Ambiente7 materiais177 seguidores
Pré-visualização13 páginas
reutilizáveis, recicláveis, biodegradáveis ou que causem menor impacto ao ambiente. 
Analisar e ponderar a energia embutida nos materiais a selecionar. Escolher materiais com maior 
aproveitamento e maior vida útil. 
Dar preferência por materiais não frágeis e, se possível, desmontáveis. Escolher materiais 
e equipamentos de fácil acesso e manutenção. 
A política do Santander é de não utilizar materiais constituídos de amianto e de que os materiais 
atendam às normas técnicas de fabricação, geralmente da ABNT e do INMETRO. Escolher 
materiais de menor toxicidade ou de menor impacto ambiental sempre que possível21. Não utilizar 
sistemas de combate a incêndio à base de Halon22. Substituir equipamentos como boilers e geradores 
à base de combustíveis fósseis. 
Seleção de Materiais 
39Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
19 A Portaria IBAMA 37 N de 1992 apresenta a lista de espécies ameaçadas de extinção.
20 Um banco de dados e informações sobre as espécies arbóreas brasileiras pode ser 
consultado no site Árvores Brasil - www.arvoresbrasil.com.br.
21 Existem tintas que substituem, em sua composição, produtos químicos causadores de 
náuseas e irritações, como VOCs (compostos orgânicos voláteis), por componentes menos 
agressivos, como terra e minerais. Existem tintas sem verniz e à base de água e esmaltes 
sem verniz.
22 Gás utilizado para o combate a incêndios em ambientes fechados. Seu uso está limitado, 
por atacar a camada de ozônio da atmosfera, conforme indicado no Protocolo de Kyoto. 
Processos construtivos e aplicação em canteiro de obras 
Devem-se selecionar materiais e componentes considerando seu modo de transporte, de 
entrega, critérios de armazenagem e método de aplicação, volume e características do 
resíduo gerado. Adotar sistemas construtivos modulares e de montagem que evitem as perdas 
nos processos construtivos, visando um processo produtivo mais limpo23. Adotar sistemas 
construtivos de baixo consumo de água e energia.
Seleção de Materiais 
concepção
41Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
Os aspectos de saúde e bem-estar do usuário são determinantes para a sustentabilidade 
do empreendimento e para o conforto dos ocupantes. 
Saúde 
. Prever ventilação eficaz que garanta um bom nível de qualidade do ar. 
. Realizar estudos das taxas de renovação de ar para áreas condicionadas artificialmente. 
. Controlar fontes poluidoras provenientes de elementos, tais como revestimentos, 
isolamentos, colas, adesivos e solventes, pinturas, impermeabilizantes, evitando ter em sua 
composição elementos com compostos orgânicos voláteis (VOCs) ou partículas respiráveis. 
. Prever instalações prediais, redes de distribuição e armazenamento bem estruturadas 
e seguras quanto a riscos de vazamentos e contaminações. Atenção especial ao 
posicionamento das tomadas de ar externo para que não influem poluentes do exterior 
para o interior do edifício. 
. Conceber ambientes adequados em termos de condições de higiene e facilidades 
de limpeza. 
Conforto
. Criar projetos que conciliem as características bioclimáticas com relação às formas de 
ocupação do empreendimento, antes de definir posicionamento no lote, espessura das 
paredes, dimensão das aberturas ou materiais que serão empregados, contribuindo 
Saúde e Bem-Estar do Usuário 
concepção
para um bom nível de conforto higrotérmico (considerar, dependendo da região, oscilações entre 
inverno e verão). 
. Evitar ao máximo o uso de ar-condicionado. Prever dispositivos para controle da temperatura interna 
de ambientes. 
23 A construção pré-fabricada traz muitos benefícios ambientais. O conceito de \u201clean construction\u201d, 
ou \u201cconstrução enxuta\u201d, contribui para a redução de perdas. Módulos de montagem deixam 
o canteiro mais limpo e também podem trazer benefícios posteriores na desmontagem, 
se forem desconstrutíveis.
Geralmente, essas tecnologias trazem benefícios para a operação e os processos de manutenção (com 
relação à acessibilidade e facilidade de manutenção das peças). 
. Realizar estudos da homogeneidade na difusão do ar-condicionado. 
. Garantir a ventilação eficaz e o controle de fontes de odores. 
. Prever espaços externos de qualidade para os usuários do edifício. 
. Proporcionar acesso visual ao exterior. Segundo artigo publicado na Revista Exame (2/2007), a sede 
da empresa americana de biotecnologia Genzyme, localizada em Cambridge, nos Estados Unidos, 
investiu em extensas fachadas, de modo que a maioria dos usuários tivesse acesso à vista exterior. 
Essa medida surtiu um efeito muito positivo aos funcionários. A produtividade do pessoal que dá 
expediente na nova sede, inaugurada em 2004, aumentou 15%. A matéria complementa que o 
índice de ausências devido a doenças tornou-se 5% menor que o registrado nos demais edifícios 
da companhia.
43Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
Outras diretrizes podem elevar a qualidade do empreendimento, referentes às demais 
características de desempenho ainda não mencionadas: 
. Projeto arquitetônico que contemple flexibilidade, como possibilidades de expansão e 
modernização futura. Segundo o arquiteto Volker Hartkopf24, que acompanhou o projeto 
de um edifício em Ohio, nos Estados Unidos, concebido com essa preocupação, afirma que 
o edifício chega a economizar quase 1 milhão de dólares por ano em mudanças internas. 
. Acesso seguro e facilitado para as atividades de manutenção dos elementos construtivos 
e equipamentos, tais como previsão de shafts25, dispositivos seguros para uso de 
equipamentos que permitam a limpeza de fachadas, coberturas e reservatórios superiores, 
previsão de áreas técnicas e salas de controle. 
. Garantia de acessibilidade prevendo instalações dimensionadas para possibilitar 
o deslocamento de pessoas com necessidades especiais ou destinando unidades específicas 
para tal. 
. Disponibilizar as-builts26 e informações necessárias à confecção do manual do usuário, 
ressaltando as práticas de sustentabilidade adotadas e as responsabilidades dos gestores e 
futuros usuários. 
. Prever instalações e logística para a gestão dos resíduos de uso, possibilitando a implantação 
de sistemas de coleta de lixo eficientes e que permitam a triagem feita pelo próprio usuário. 
24 Entrevista concedida à Revista Exame, 11/4/2007, pelo arquiteto Volker Hartkopf, titular 
do curso de arquitetura da Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos.
Qualidade do Empreendimento 
concepção
25 Shafts: ver Glossário.
26 As-builts: ver Glossário. 
Recomendações para a operação e a manutenção do empreendimento
Na fase de concepção do empreendimento, já devem ter sido previstas ações referentes à ocupação 
relacionadas à forma como o próprio edifício pode reagir aos usuários. Estas ações contemplam 
redução no consumo de água e energia, bem como saúde e conforto dos ocupantes, além da previsão 
de espaços para realização de coleta seletiva. 
O empreendedor deve elaborar um manual de uso e operação do imóvel, também conhecido 
como manual do proprietário, englobando princípios e ações a serem implantadas pelos usuários, 
objetivando um melhor desempenho ambiental a que o empreendimento se propôs. 
A administração do edifício deve contar com uma gestão voltada à responsabilidade socioambiental, 
para dar continuidade às diretrizes de concepção e construção do empreendimento. 
Assim, o empreendedor cumpre seu papel, fomentando a efetiva sustentabilidade do uso e da 
ocupação do empreendimento, chegando até as ações de vendas e ao consumidor final. 
A avaliação da operação e manutenção do empreendimento pode se traduzir em índices de 
desempenho27 do edifício. 
Recomenda-se a realização, na fase de concepção, de simulações de desempenho ambientais dos 
projetos,