GuiaBoasPraticas_CC
45 pág.

GuiaBoasPraticas_CC


DisciplinaSociedade, Tecnologia e Meio Ambiente7 materiais174 seguidores
Pré-visualização13 páginas
na medida de sua culpabilidade\u201d. 
. Antes do início da obra, comunicar sobre o que ocorrerá no local, os horários 
de funcionamento do canteiro, períodos e locais de entrada e saída de caminhões. 
. Comunicar a política socioambiental da empresa à comunidade e aos possíveis interessados. 
A comunicação pode ser feita por meio de placas, sites, panfletos, tapumes e outros meios. 
Comunicação com a Comunidade do Entorno do Empreendimento
construção
55Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
O relacionamento com funcionários é extremamente importante, destacando-se aqui 
a premissa da preocupação social, tanto em relação aos funcionários da obra, quanto aos 
funcionários de seus fornecedores. 
Os funcionários devem ser capacitados para atuarem de acordo com a concepção do 
empreendimento. A realização de treinamentos, bem como a atualização dos assuntos 
tratados, é extremamente importante.
Sempre registre seus treinamentos com os assuntos abordados e quais os funcionários que 
participaram. Esta capacitação pode ser feita de forma criativa. Já existem casos de obras 
que capacitam seus funcionários com aulas de alfabetização, oficina e ateliê de arte, onde 
eles trabalham os excedentes do próprio canteiro enquanto debatem temas como saúde, 
segurança do trabalhador, meio ambiente e cidadania. 
Veja que outras medidas devem ser tomadas no relacionamento com funcionários:
. Atender integralmente à legislação trabalhista31.
. Elaborar o PCMSO . Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional da obra, 
deixando-o sempre disponível no canteiro. 
. Elaborar PCMAT . Programa de Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria 
da Construção, deixando-o sempre disponível no canteiro. O PCMAT é definido 
pela Norma Regulamentadora 18 (NR 18) e pode ser baixado, gratuitamente, do site: 
www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_18.asp
Relacionamento com Funcionários 
construção
Essa norma traz os conceitos gerais de como deve ser gerida a segurança do trabalhador no ambiente 
de trabalho da construção. É muito importante que o empregador a consulte antes do início da obra 
e cumpra todas as obrigações nela contida.
. Constituir CIPA . Comissão Interna de Prevenção de Acidentes quando o número 
de funcionários na obra exigir. Quando o número de trabalhadores for menor que o mínimo 
necessário para a constituição da CIPA, um funcionário deve receber treinamento específico 
e deve ser o responsável pelas atribuições da Comissão. O dimensionamento e critérios 
para constituição da CIPA são definidos pela Norma Regulamentadora 4 (NR 4) do 
Ministério do Trabalho e Emprego. A norma pode ser baixada, gratuitamente, do site: 
www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_05.pdf 
. Fornecer os E.P.I.´s . Equipamentos de Proteção Individual, a todos os empregados. A empresa deve 
fornecer, treinar o tornar obrigatório o uso dos E.P.I.´s. Cada atividade tem seu E.P.I. específico. Essa 
identificação deve constar do PCMAT. 
31 Ver Bibliografia. 
57Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
. Manter alojamento limpo, com instalação sanitária, vestiário, cozinha e refeitório adequados 
ao número de funcionários. 
. Elaborar Plano de Emergência da Obra com telefones úteis e instruções de atendimento às 
emergências, bem como realizar simulados de atendimento.
. Atender às normas de higiene, saúde e segurança do trabalhador. 
. Disseminar a política socioambiental da empresa, por meio de ações de educação ambiental 
e capacitação de funcionários, identificando meios de comunicação interna. 
. Prover treinamento adequado e frequente. 
. Avaliar a disponibilidade de trabalhadores locais. 
. Deixar registrado e evidenciado, no canteiro de obra, o cumprimento das exigências 
acima destacadas.
Relacionamento com Funcionários 
construção
59Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
Com relação a este item, deve-se: 
. Criar mecanismos de homologação de fornecedores e parceiros, verificando o atendimento 
à legislação e às boas práticas socioambientais, com a finalidade de minimizar riscos, além 
dos incômodos à vizinhança e, especialmente, em razão da corresponsabilidade por crimes 
ambientais, criando multiplicadores e segurança nos relacionamentos32. 
. Adotar procedimentos para seleção e avaliação de fornecedores que considerem, além 
das características específicas de seus produtos e serviços, os seguintes aspectos: adequação 
dos meios de transporte e descarga utilizados, procedência, distâncias de transporte 
fábrica-canteiro. 
. Certificar-se da procedência dos materiais, dando preferência àqueles que apresentam selos 
ou que possam garantir a qualidade da produção e do uso. 
. Priorizar a contratação de serviços locais. 
32 De acordo com o art. 2º da Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal no 9.605/98), \u201cquem, de 
qualquer forma, concorre para a prática de crimes previstos na Lei, incide nas penas a estes 
cominadas, na medida de sua culpabilidade\u201d.
Relacionamento com Fornecedores e Parceiros
construção
61Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
Informações sobre legislação, normas técnicas, tecnologias, instituições de ensino, órgãos 
públicos, associações e sindicatos de classe, institutos de pesquisa, entre outros pontos 
abordados neste guia, podem ser encontrados nos endereços a seguir.
Verifique em seu estado ou município quais órgãos são referências para seu projeto. 
Características regionais e locais devem ser levadas em consideração. 
ABRAFATI . Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas . www.abrafati.com
ABRAVA . Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação 
e Aquecimento . www.abrava.com.br 
ABNT . Associação Brasileira de Normas Técnicas . Órgão responsável pela normalização 
técnica no Brasil. Fornece a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro sobre 
todos os assuntos relacionados a esse guia . www.abnt.org.br
Anamaco . Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção: 
informações sobre materiais usados na construção civil. Portal da Construção Civil com 
informações gerais sobre o setor. Dicas aos consumidores do cimento . www.anamaco.com.br 
ANTAC . Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído . Estudos sobre 
avaliação pós-ocupação, conforto, energia, durabilidade, resíduos, etc. . www.antac.org.br
ASBEA . Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura . www.asbea.org.br
Consultas Gerais
CBIC . Câmara Brasileira da Indústria da Construção . Atualidade, encontros e representações 
. www.cbic.org.br 
Conselho Brasileiro de Construção Sustentável . Possui banco de dados, artigos, matérias 
sobre sustentabilidade na construção civil e organização e comunicação de eventos sobre o tema 
. www.cbcs.org.br 
CEBDS . Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável . Informações 
sobre encontros, seminários, empresas envolvidas com a questão da sustentabilidade e a produção 
mais limpa no contexto brasileiro . www.cebds.org.br 
CETESB . Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental . Site do Estado de São Paulo, 
porém com informações idôneas sobre a questão ambiental como um todo . www.cetesb.sp.gov.br 
CIB . lnternational Council for Research and Innovation in Building and Construction 
. Parcerias e intercâmbios de pesquisas e inovações na construção . www.cibworld.nl/site 
CONAMA . Conselho Nacional de Meio Ambiente . Órgão que dita resoluções 
ambientais com força de lei. Regem a elaboração de leis e normas estaduais e municipais 
. www.mma.gov.br/conama 
Ecological Footprint Network . Reportagens, estatísticas sobre consumo dos recursos naturais e a 
pegada ecológica . www.footprintnetwork.org
63Guia de Boas Práticas na Construção Civil 01/2011
Faculdade de