Exames do ferro
5 pág.

Exames do ferro


DisciplinaHematologia3.619 materiais23.081 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Exames do ferro
Nome formal: Exames do ferro
Exames relacionados: Ferritina; capacidade de transporte de ferro, transferrina;protoporfirina de zinco; hemograma; hemoglobina; hematócrito
De relance
Amostra
Exame
Perguntas frequentes
Links
O exame
Como o exame é usado?
Quando o exame é pedido?
O que significa o resultado do exame?
Há mais alguma coisa que eu devo saber?
Como o exame é usado?
O estado do ferro pode ser avaliado por um ou mais exames que determinam a quantidade desse metal no sangue, a capacidade que o sangue tem de transportá-lo e a quantidade de ferro de reserva. Também podem facilitar a diferenciação entre diversos tipos de anemia. Os exames podem incluir:
Ferro sérico - Mede a quantidade de ferro no sangue.
Capacidade total de transporte de ferro - Mede as proteínas do sangue que ligam o ferro, incluindo a transferrina. Como esta é a principal proteína transportadora de ferro, a capacidade total de transporte desse metal é uma boa medida indireta da transferrina, cuja produção está relacionada com a necessidade de ferro. Quando as reservas desse metal estão baixas, os níveis de transferrina se elevam, e vice-versa. Em pessoas saudáveis, cerca de 1/3 dos locais de ligação da transferrina são usados para transportar ferro.
Capacidade não saturada de transporte de ferro - Mede a capacidade de reserva da transferrina, a parte da transferrina que não está saturada com ferro. No Brasil, utiliza-se principalmente a Saturação da transferrina (veja abaixo).
Saturação da transferrina - É calculada dividindo o resultado do ferro no sangue pelo da capacidade total de transporte de ferro. Representa a percentagem da transferrina que está ligada ao metal.
Ferritina no sangue - Reflete o tamanho das reservas de ferro do corpo. É a principal proteína que armazena esse metal nas células.
Com frequência, esses exames são pedidos juntos. Os resultados detectam deficiência ou sobrecarga de ferro.
Diversos outros exames podem ser usados para ajudar no diagnóstico de problemas com ferro:
Hemoglobina e hematócrito - Fazem parte do hemograma. Valores baixos indicam anemia. Deficiência de ferro é uma causa de anemia muito comum. O tamanho médio das hemácias (volume globular médio ou VGM) e a quantidade média de hemoglobina nas hemácias (hemoglobina globular média ou HGM) também são determinados no hemograma. Na deficiência de ferro, diminui a produção de hemoglobina, gerando hemácias menores e pálidas. O VGM e a HGM estão baixos.
Zinco protoporfirina - A protoporfirina é um precursor da parte da hemoglobina que contém ferro. Se ele não existe em quantidade suficiente, outro metal, como o zinco, liga-se à protoporfirina. A quantidade de protoporfirina de zinco nas células aumenta na deficiência de ferro. A protoporfirina de zinco é usada, às vezes, como exame de triagem, especialmente em crianças. Entretanto, esse exame não é específico para deficiência de ferro, e valores elevados devem ser confirmados por outros exames.
Exame do gene HFE - Hemocromatose é uma doença hereditária, mais comum em caucasianos, que aumenta a absorção de ferro. Em geral, é resultado de uma anormalidade hereditária de um gene específico, chamado HFE, que afeta a absorção de ferro no intestino. Pessoas com duas cópias do gene absorvem muito ferro, e o excesso se deposita nos tecidos, causando lesão e insuficiência de órgãos. O exame do gene HFE determina se a pessoa tem uma das mutações que causam a doença. A mutação mais comum é chamada C282Y.
^ Voltar ao topo
Quando o exame é pedido?
Podem ser pedidos um ou mais exames do ferro quando os resultados de um hemograma e rotina estão anormais, com hematócrito e hemoglobina baixos, ou quando o médico suspeita de deficiência de ferro por causa de presença de sinaise sintomas como:
Fadiga crônica
Tontura
Fraqueza
Cefaleias
Podem ser pedidas ferritina, saturação da transferrina e capacidade total de transporte de ferro ou capacidade não saturada de transporte de ferro quando há suspeita de sobrecarga crônica desse metal (hemocromatose). Pede-se o exame do gene HFE para confirmar o diagnóstico de hemocromatose hereditária ou quando uma pessoa tem uma história familiar de hemocromatose.
A dosagem de ferro e, algumas vezes, a capacidade total de transporte de ferro e a ferritina podem ser pedidas quando há sintomas suspeitos de sobrecarga do metal ou de envenenamento por ele. Os sintomas podem incluir:
Dor articular
Fadiga, fraqueza
Falta de energia
Dor abdominal
Perda da libido
Problemas cardíacos
Quando há suspeita de que uma criança ingeriu cápsulas de ferro, pede-se a dosagem de ferro para avaliar a gravidade do envenenamento.
^ Voltar ao topo
O que significa o resultado do exame?
Um resumo das alterações dos exames do ferro observadas em diversas doenças é mostrado na tabela abaixo.
 
	Doença
	Ferro
	Capacidade total de transporte de ferro
	Capacidade não saturada de transporte de ferro
	Saturação da transferrina
	Ferritina
	Deficiência de ferro
	Baixo
	Alta
	Alta
	Baixa
	Baixa
	Hemocromatose
	Alto
	Baixa
	Baixa
	Alta
	Alta
	Doenças crônicas
	Baixo
	Baixa
	Baixa ou normal
	Baixa
	Normal ou alta
	Anemias hemolíticas
	Alto
	Normal ou baixa
	Baixa ou normal
	Alta
	Alta
	Anemia sideroblástica
	Normal ou alto
	Normal ou baixa
	Baixa ou normal
	Alta
	Alta
	Envenenamento por ferro
	Alto
	Normal
	Baixa
	Alta
	Normal
A gravidade da deficiência de ferro varia. A forma mais branda é a depleção, em que a quantidade de ferro em uso é adequada, mas as reservas estão diminuídas. O ferro pode estar normal nessa fase, mas a ferritina está baixa. Com a piora da deficiência, as reservas são todas usadas e o corpo produz mais transferrina. Nessa fase, o ferro está baixo e a capacidade de transporte alta. Com a evolução além desse estágio, diminui a produção de hemácias. Na anemia por deficiência de ferro, a quantidade de hemácias diminui e elas são menores e mais pálidas que o normal.
Se o nível de ferro está alto, a capacidade total de transporte do metal e a ferritina estão normais, e a pessoa possui uma história clínica consistente com sobrecarga de ferro, é provável que tenha havido envenenamento pelo metal. Ele ocorre quando são ingeridas grandes quantidades de ferro. É raro, e acontece com frequência maior em crianças que ingerem suplementos de ferro dos pais. Em casos raros, esse envenenamento pode ser fatal.
Quando uma pessoa possui duas cópias de uma mutação do gene HFE, tem hemocromatose hereditária. Entretanto, muitas pessoas com hemocromatose não apresentam sintomas durante toda a vida, enquanto outras desenvolvem dores articulares, dores abdominais e fraqueza a partir de 30 a 50 anos de idade. A sobrecarga de ferro pode ocorrer também em pessoas com hemossiderose ou que recebem transfusões múltiplas, como na talassemia ou outras formas de anemia. O ferro de cada unidade transfundida permanece no corpo, acumulando-se nos tecidos. Alguns alcoólicos com doença hepática crônica também desenvolvem hemossiderose.
^ Voltar ao topo
Há mais alguma coisa que eu devo saber?
O ferro no corpo é mantido por um equilíbrio entre a quantidade perdida e a quantidade ingerida. Normalmente, perde-se uma pequena quantidade de ferro todos os dias e, se a ingestão for menor, desenvolve-se a deficiência. A alimentação comum possui ferro suficiente para repor a perda diária normal e evitar sua deficiência e anemia por deficiência de ferro. Em algumas ocasiões, há aumento da necessidade de ingestão desse metal.
Pessoas com sangramento crônico do tubo digestivo (por exemplo, de úlceras e tumores) ou mulheres com fluxo menstrual excessivo perdem mais ferro que o normal e podem desenvolver a deficiência. Mulheres grávidas ou amamentando cedem ferro para o bebê e podem apresentar deficiência de ferro se não aumentarem sua ingestão. Crianças, especialmente em períodos de crescimento rápido, também podem precisar de ingestão adicional